terça-feira, 24 de junho de 2014

Eutanásia

Se um dia o discernimento me faltar, se um dia o corpo me faltar, Deus queira que alguém me ajude a morrer com dignidade. Isso sim, é abnegação. Isso sim, é Amor.

19 comentários:

  1. Eu ainda não consigo formar uma opinião muito concreta acerca da eutanásia. Gostaria que me ajudassem a morrer com dignidade, sim. Mas, muitas vezes, por puro egoísmo, duvido de que conseguisse fazer isso a alguém.

    Sei que tenho andado um bocado longe daqui do mundo dos blogues, mas tenho acompanhado o teu Instagram :) Adoro o que publicas! Especialmente as fotografias dos teus bichinhos <3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eutanasia não é um procedimento que caiba ao comum dos mortais, deve ser devidamente realizado por um médico, portanto não caberá a decisão ao amigo ou primo ou marido, deverá caber a quem está no estado terminal ou de perda de consciência e à equipa médica. Obviamente que se a pessoa não teve a possibilidade de deixar escrito que queria ser eutanasiada antes da perda de consciência, aí o caso complica-se, pelo que será necessário avaliar o que a pessoa desejaria naquelas condições. É muito difícil avaliar o que cada um desejaria, pelo que aconselho sempre as pessoas a deixarem escrito no seu testamento vital, o que desejariam que fosse realizado.

      Eliminar
  2. Concordo totalmente!Mas há que legislar sobre isso,caso contrário esse acto de amor será punido...

    ResponderEliminar
  3. Já passei por muito nesta vida...daí ter uma opinião acerca deste assunto tão delicado...
    Vi a pessoa mais importante da minha vida transformada em algo que eu já não reconhecia...vi sofrimento nos seus olhos que nunca irei esquecer...aquilo já não era vida! Ainda que me digam que estava medicada e sem dor, o sofrimento dela não era físico...
    Felizmente não esteve muito tempo assim e acabou por partir...serena...
    Em casos em que a medicina já nada pode fazer...a eutanásia parece-me uma opção...

    ResponderEliminar
  4. Ora aí está um assunto que era algo controverso na minha mente... até ter ido fazer um curso de cuidados paliativos recentemente. Ainda estou a fazer o trabalho final e sim, a minha opinião tornou-se muito mais clara... Há demasiado sofrimento em torno da morte, muitas tentativas que não valem a pena...

    ResponderEliminar
  5. Tema complexo como complexa é a vida, quem está ao lado do doente não deve decidir, a decisão deveria partir do próprio mas este na maior dos casos não tem capacidades para tal...temos assim o sofrimento do doente e o sofrimento de quem o rodeia, aqui há que ter muito cuidado com o decisório...e não avanço mais porque estou ligado à area de prestação de cuidados...

    ResponderEliminar
  6. Em relação a mim concordo... Mas relativamente a um ente querido, a alguém que amamos muito, é mais difícil decidir com tanta certeza e com tanta clareza...

    ResponderEliminar
  7. Concordo plenamente! Apesar de achar a Eutanásia cruel em alguns casos, acho que num estado de sofrimento, é preferivel.

    ResponderEliminar
  8. Concordo plenamente. Não me vejo a definhar, a sofrer e sem qualquer hipótese de cura...

    ResponderEliminar
  9. Concordo. Muito embora seja uma decisão dificílima de tomar quer pela própria pessoa quer pela família ou quem de direito e digo mais, duvido que um familiar o consiga fazer, por mim falo...

    ResponderEliminar
  10. Acho que nada é assim tão linear. A maioria das pessoas - senão todas - não sabe o que quer. Deixa os seus medos apoderarem-se de si e toma decisões com base neles. E isso nunca é bom. Eu também tenho muito medo. Tenho mais ainda de ver os meus numa situação semelhante. Isso nunca, por favor. Mas a verdade é que nunca se sabe o que acontece ao "apagar as luzes", se é realmente o melhor, ou se todas as memórias se desvanecem, tudo o que sentimos de bom se apaga também. Se nos cabe a nós, meros humanos, tomar tal decisão por outrem, por nós mesmos sequer.
    Demasiado relativo para tomar todas as situações como um "acto de Amor".

    Mira

    ResponderEliminar
  11. S* acrescento ainda: saber amar é também saber deixar partir. Aprendi-o à minha custa e juro, mas juro de verdade, que desejava que a eutanásia fosse legal no nosso país. Pior do que sofrer fisicamente uma doença, é perder a dignidade própria, perante os outros, e ter a lucidez de reconhecer que se quer morrer.

    Sim, eu sou a favor desde sempre.

    ResponderEliminar
  12. Infelizmente ainda há muito a fazer neste campo, mas concordo plenamente contigo.

    beijos

    ResponderEliminar