segunda-feira, 22 de julho de 2013

Facto

Chamem-me radical, mas acho que seria incapaz de me apaixonar por um homem que gostasse de touradas.

25 comentários:

  1. É uma perspectiva válida como qualquer outra, não a vejo com radical, apenas racional, o problema é que estas coisas do coração nem sempre, ou quase nunca, dão ouvidos à razão!

    ResponderEliminar
  2. Não sei não. Por muito que eu odeie de morte touradas, não quer dizer que quem gosta seja má pessoa. Certamente têm aquele lado que eu não gosto, o desrespeito aos animais, mas isso, por si só, pode não ser um impeditivo. Quando se ama... Mas não sei. Nunca se diz nunca :)

    ResponderEliminar
  3. Eu não vou dizer que não, mas acho que é muito difícil isso acontecer... eu não gosto de touradas, logo não temos os mesmos interesses, logo muito difícil mesmo.

    ResponderEliminar
  4. Ai, S*... Eu lembro-me de uma discussão que tive com o meu ex-namorado sobre esse tema. Aliás, nem foi uma discussão, foi um comentário meu sobre como é inconcebível, para mim, alguém minimamente equilibrado e humano conseguir tolerar tamanha crueldade para com um animal e obter prazer naquilo. A reacção surpreendeu-me e eu lembro-me de ser nesse momento que eu me apercebi do respeito que já não tinha por ele. Já não tinha muito, mas nesse momento caiu-me a ficha.

    Eu não sei se seria capaz de me apaixonar ou não, porque honestamente não compreendo, mas sei que é uma coisa que me desilude, mesmo que eu tente não julgar nem pensar muito nisso, sinto-me logo algo desiludida com a pessoa.

    Mira

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mira, a questão é essa. Podia não me desapaixonar de imediato, mas ia desiludir-me aos poucos. Quem gosta de touradas, não pode naturalmente gostar de animais de forma verdadeira. E isso é uma coisa que mexe imenso comigo, a pessoa ia perder parte do meu respeito.

      Eliminar
  5. Que surpresa boa saber que muitas pessoas aí no velho continente não aprovam as touradas, já é um bom começo pra quem sabe um dia estas coisas não mais existirem.
    Penso como você querida S*, eu jamais me apaixonaria por alguém que gostasse de ver animais sendo torturados.
    beijos
    Maria do Brasil

    ResponderEliminar
  6. Até te posso compreender S*, mas nessa área (e em muitas outras, se não mesmo em todas) o velho ditado que se segue faz todo o sentido: "Nunca digas que desta água não beberei"

    ResponderEliminar
  7. Não acho que sejas radical. Pessoalmente, sempre achei que o gosto por touradas indica problemas sérios a nível emocional, nomeadamente a incapacidade de sentir empatia...

    ResponderEliminar
  8. S* como não amar o meu ribatejano?
    Ele não gosta por aí além de touradas mas compreende a aficion (será assim que isto se escreve); no entanto compreende ainda melhor que eu não goste e apoia o meu ponto de vista incondicionalmente.
    Gostamos ambos muuuuuito de animais, aliás nota-se porque esta casa mais parece um zoo :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu entendo. Quando somos criados dentro de uma realidade, claro que ficamos habituados a essa mesma realidade e as tradições, por mais sangrentas que sejam, deixam de nos incomodar. Eu entendo! Há uns anos fui representante do meu curso na Universidade Júnior. Recebia meninos de todo o país. Uma vez tínhamos 15 meninos a falarem mal das touradas... e uma menina de Reguengos de Monsaraz protestava dizendo que era uma tradição linda, uma festa e coisa e tal. O meio condiciona-nos. :)

      Eliminar
  9. Será que alguma mulher na Espanha pensa assim? Me parece tão arraigado por lá, ainda mais no norte da Espanha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ui, em Espanha a maioria parece ainda gostar...

      Eliminar
  10. Eu entendo-te porque como uma vez penso que deixei aqui um comentário: eu não seria capaz de namorar alguém que fumasse, embora isso não seja impeditivo para ti e para muitas outras pessoas. :) Não é ser radical, é simplesmente não querermos/conseguirmos conviver com algo que nos incomoda verdadeiramente.

    ResponderEliminar
  11. Pois, touradas também não é comigo... é uma questão de identificação com certos princípios.

    ResponderEliminar
  12. também não consigo ver-me... olha somos duas!

    beijinho Jeitosa :D [aproveita bem a semana]

    ResponderEliminar
  13. Nem eu. Até porque quem aprecia esse tipo de barbárie com certeza que tem um certo tipo de valores e principios ético-morais com os quais não me identifico minimamente. Também não seria capaz de me apaixonar por um gajo fascista, racista e/ou homofóbico.

    ResponderEliminar
  14. O meu pai era aficionado, gostava de touradas, garraiadas e caça, e também adorava animais. É possível? Sim, é! A minha casa parecia um zoo, não havia animal na rua que não fosse levado para casa, até um galo de estimação tivemos, e tudo por culpa dele que não podia ver um animal na rua. Hoje em dia a minha paixão por animais deve-se a ele. Ele era aficionado (e acredito que se fosse vivo ainda o seria) e lá por isso, apesar da minha grande paixão por animais e por ser completamente pró toiro, nunca deixaria de gostar dele.

    ResponderEliminar
  15. O meu pai gosta de touradas e eu gosto dele de igual forma.

    O que nós dizemos no papel nem sempre se reflete nas pessoas que amamos.

    ResponderEliminar
  16. Também acho que não conseguia! mas o problema é que eles nunca dizem ao inicio! Acho que só descobre esses "podres" quando já se tá casado!

    ResponderEliminar
  17. Só te esqueces do pormenor que não escolhemos por quem nos apaixonamos :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Podemos, de certa forma, domesticar o coração. Eu podia estar perdidamente apaixonada, mas se soubesse que esse homem já violara alguma mulher, por exemplo, domava o meu coração e forçava-me a esquecê-lo. Ou tentava, vá. Mas afastava-me de imediato dele. :)

      Eliminar
  18. Eu espetava-lhe com a espada no cu e depois perguntava-lhe se ele achava que os touros tb gostam!!!

    ResponderEliminar
  19. É quase pergunta de first date!
    Não é ser radical, é ter bom gosto ;)

    ResponderEliminar