quinta-feira, 7 de março de 2013

Eu entendo a raiva generalizada pelo Passos Coelho

Mas não entendo - nem respeito - as notícias que obviamente só querem deitar achas na fogueira, mesmo que enganem os leitores/telespectadores/ouvintes.

Ontem, em tudo o que era lado, podia ler-se que "Passos Coelho disse que medida mais sensata para combater desemprego seria baixar salário mínimo"... mas esqueceram-se deliberadamente de dizer o que ele disse a seguir: "afirmando que em Portugal essa opção não foi nem será tomada devido ao valor reduzido do salário mínimo".

Muda tudo, não muda?

44 comentários:

  1. Olha S* eu ouvi isso pela Rádio Comercial e eles não tinham dito nada disso. Até porque sim eu fui uma das pessoas que fui comentar indignada com o facto de ele sequer considerar isso. Mas talvez se tivesse ouvido essa versão já nem tinha comentado.

    Beijinhos*

    http://garotaembonecada.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. concordo inteiramente contigo. é por isso que me enervam a maioria dos serviços noticiosos televisivos que temos. isenção é coisa que não lhes assiste e falham no dever de informar (que consiste em dizer tudo e não apenas o que convém).

    ResponderEliminar
  3. O problema é que em Portugal só se ouve o que se quer...

    ResponderEliminar
  4. Se cada vez que alguém falasse de política tivesse de dizer se era ou não militante e de que partido, muita gente estaria calada e muitas coisas fariam muito mais sentido.

    ResponderEliminar
  5. AH! Confesso que realmente não sabia dessa segunda parte. Tudo explicado.

    ResponderEliminar
  6. Muda... esperemos é que ele não mude de ideias também.

    ResponderEliminar
  7. De facto, muda, embora eu não confie nem um bocadinho nele.

    ResponderEliminar
  8. Muda e muda muito.As pessoas não se convencem que os media têm o poder de manipular opiniões.

    ResponderEliminar
  9. Mas isso aplica-se a tudo, não só às notícias sobre o Passos Coelho como a todo o jornalismo muito duvidoso sobre qualquer tema. E há muito!

    ResponderEliminar
  10. A comunicação social incita à polêmica.
    Eu não ouvi as notícias mas acredito que tenham passado só uma parte das declarações.

    ResponderEliminar
  11. Só ouvem aquilo que querem!! Enfim!

    ResponderEliminar
  12. Epá, se muda. Eu só tinha lido a primeira parte, mas passou-me um pouco ao lado porque às vezes eles "apanham" partes do discurso juntam aquilo e sai uma coisa que não tem nada a ver e nem vi. Mas é a nossa Comunicação Social. ;)

    ResponderEliminar
  13. É o triste jornalismo e a tristeza de pessoas que temos que por tudo e por nada querem deixar abaixo só porque sim...

    ResponderEliminar
  14. Por acaso não muda tudo: na minha opinião, ele continua a ser uma besta, mesmo que realmente desconsidere esta medida (que realmente não tinha ponta por onde se lhe pegar).

    ResponderEliminar
  15. Filhos da Mãe, pá!!!! Até parece que a notícia passou a ser boa com esse acrescento :(

    ResponderEliminar
  16. Obviamente a comunicação social quer vender pelo terror que apresenta!

    ResponderEliminar

  17. É verdade que se pode deturpar uma intervenção descontextualizando e/ou suprimindo partes importantes.

    Eu tive oportunidade de ouvir no canal parlamento toda o debate.
    No que diz respeito ao tema em questão chocou-me saber que esteve em cima da mesa a possibilidade de baixar o salário mínimo nacional. Só a simples intenção é para mim mais do que suficiente para confirmar que este Governo não tem o mínimo de sensibilidade social.

    Mas, verdade seja dita, sou suspeita porque não gosto do actual PM. Entendo que está mal preparado para as funções que aceitou. Mas, acima de tudo, entendo que ele enganou deliberadamente quem nele confiou dado que há menos de dois anos Passos Coelho entendeu que o povo português não aguentava mais austeridade e chega ao Governo e aplica uma dose de austeridade que está a destruir milhares de famílias. E o problema é que não pode invocar desconhecimento da real situação que teria que enfrentar porque o partido que ele chefia esteve representado por um grupo chefiado por Eduardo Catroga nas negociações da Troika.

    Beijo

    ResponderEliminar
  18. Também ouvi a versão completa. Honestamente, não me espantava muito que ainda o fizesse. Este ou o próximo. Mas, por enquanto, pareceu-me que não avançará.

    ResponderEliminar
  19. o jornalismo de hoje em dia deixa muito a desejar, é por isso que já desisti de ver os noticiários na tv.

    ResponderEliminar
  20. Ainda não viste que há gente que gosta de dizer mal só porque sim...

    ResponderEliminar
  21. Bolas, achava que eu é que estava maluca!! Obrigada S*, por me mostrares que não. Detesto gente que só vê o que quer. Acho que houve má intenção da parte dos media - como aliás tem havido muito, mas nem vou entrar por aí - e as pessoas começam a mandar vir sem se darem ao trabalho de ler.

    ResponderEliminar
  22. Tudo mesmo.As pessoas estão esquecidas que se chegámos ao buraco onde nos encontramos não é culpa do homem. O buraco já lá estava há muito tempo,antes mesmo de ele ser 1º Ministro.

    ResponderEliminar
  23. cycle, não passou a ser boa, pois claro que não. Mas o homem não disse que estava a pensar diminuir o salário mínimo, ao contrário do que estavam a tentar passar.

    ResponderEliminar
  24. A opinião pública portuguesa (no geral) já é muito bem formada, com este tipo de jornalismo de faca e alguidar não me parece que a tendência seja evoluir...

    ResponderEliminar
  25. O português é tramado, ouve-se de uma maneira, transcreve-se de outra, mas acerca desse senhor também só me apetece dizer mal, com mais ou menos razão.

    ResponderEliminar
  26. Não S*, a meu ver não muda nada. Nunca o mais sensato seria reduzir o salário mínimo, independentemente do valor que ele tenha!

    ResponderEliminar
  27. Eu e muitos mais leram essas mesmas palavras que transcrevestes (no meu post está um link para um artigo onde essas afirmações estão), mas há uma coisa muito importante de que me parece estares a esquecer-te: este governo não cumpriu nada do que prometeu, e as medidas tomadas não foram e não sensatas.
    E dizer isto em vésperas de novos cortes é muito grave, principalmente vindo de quem quis aumentar a TSU e é um autista governamental.

    ResponderEliminar
  28. Inês, ninguém discute a porcaria de trabalho que o Governo está a fazer. Mas não gosto que deturpem declarações. :)

    ResponderEliminar
  29. Por acaso enganei-me e no link não diz isso por essas palavras, mas adiante. Quando se diz que seria sensato baixar o salário minimo para aumentar o desemprego, não quer dizer que o faça. Essa é verdade, mas este governo nunca teve sensatez em nada. As provas estão à vista de todos e esta afirmação é muito grave.

    ResponderEliminar
  30. Darling Inês, eu bem sei que são um bando de trafulhas, mas, desta vez, julgo que o homem não disse nada de mal. :P

    ResponderEliminar
  31. ele diz sempre alguma coisa de mal xD ou então manda as coisas para o ar e depois diz "ah e tal, afinal não vai ser feito"...eu já não o suporto ouvir! Mas a ele e a todos...porque nenhum é melhor que o outro!!! só estão ali para encher o bolso!!!

    ResponderEliminar
  32. É bem diferente. E espero que continue a pensar assim.
    Beijinhos grandes

    ResponderEliminar
  33. É a comunicação social que temos...

    ResponderEliminar
  34. Claro que sim que faz toda a diferença

    ResponderEliminar
  35. Mais, ele disse isso em resposta ao Seguro, quando este achou por bem sugerir o aumento do salário mínimo nacional (andam a cortar nos salários de toda a gente e esta alma acha essa medida adequada neste momento, genial) - eu vi na tv o excerto do debate na assembleia.
    Mas sinceramente, independentemente de quem esteja em causa, enerva-me esse tipo de distorções. É uma grande falta de profissionalismo da parte dos jornalistas que as escrevem.

    ResponderEliminar
  36. mas olha eu sou da opinião que como as coisas estão tão mal o salário mínimo e a perda das regalias (carro, telemóvel, casa, cartão de credito entre outras) que mais nenhum cidadão trabalhador deste pais tem deviam ser cortadas aos políticos, esses sim deviam receber apenas o salário mínimo e virem como vivem os restantes portugueses.
    acredito que se eles sentissem na pele o mesmo que a restante sociedade as coisas não tinham chegado onde chegaram.
    atualmente cortasse nos funcionários públicos, mas daqui a uns anos vamos pagar por estes cortes.

    ResponderEliminar
  37. mudava...o problema é que o moço tem a mania de se contradizer com grande regularidade e no fundo quando ele diz "nem pensar" na verdade quer dizer "lá mais para a frente".

    ResponderEliminar
  38. Mas as pessoas só ouvem a parte que lhes interessa! --'

    ResponderEliminar