domingo, 3 de fevereiro de 2013

Viver na aldeia

Depois do almoço, café no típico "Café Central". Televisão ligada na Tvi, mesas com copos de vinho tinto. Um velhote vem cravar o namorado para uma partida de matraquilhos. De facto, na aldeia toda a gente é amiga.

54 comentários:

  1. Aldeia é assim :) Para mim uns dias chegam, sou de cidade é assim. Chega o fim de semana na minha terra natal e siga para Lisboa :D

    ResponderEliminar
  2. É muito bom viver na aldeia. Eu adoro a aldeia, onde nasci e vivi até ir para a faculdade :)
    As pessoas são mais amigas e disponíveis do que na cidade. E o ritmo de vida é muito mais calmo :)

    Beijnhos e bom Domingo :)

    ResponderEliminar
  3. E toda a gente sabe de toda a gente e dá fé do que se passa!
    Essa é a parte que não me agrada!

    ResponderEliminar
  4. Não te fies, olha que em meios pequenos, são muito cuscos e gostam de falar da vida alheia.

    ResponderEliminar
  5. Era assim, por aqui, até há uns anos atrás... quando os emigrantes (não interessa enumerar nacionalidades) começaram a invadir tudo o que era casa para alugar e, inclusive, tomar os trespasses de alguns cafés, tudo mudou...

    ResponderEliminar
  6. As saudades que eu tenho de jogar uns matraquilhos. Também os há na cidade, mas parece que na aldeia é obrigatório :)

    ResponderEliminar
  7. É verdade... amiga e feliz. Por muito pouco que tenham são felizes :)

    ResponderEliminar
  8. Yap, já percebemos que são cuscos... Mas tudo sem maldade. :-)

    ResponderEliminar
  9. Hehe na aldeia é assim! É um ambiente tão diferente do citadino!

    GIVEAWAY - 1st Blog Anniversary & PAMPA MIA

    ResponderEliminar
  10. É um espirito... diferente! Há que saber levar-se.

    ResponderEliminar
  11. Ahahahah, não imagino nada isso a acontecer nas grandes cidades :p

    ResponderEliminar
  12. Desde que comeces a impor de início uma certa distância, sem deixar ser prestável e disponível, vais ver que vais adorar.

    ResponderEliminar
  13. Viver na aldeia é do melhor que há. E então a cusquice foi saudável tudo bem.

    ResponderEliminar
  14. amiga amiga não diria, toda a gente se conhece, nem sempre é a mesma coisa ;)

    ResponderEliminar
  15. Nem sempre S*, espero não a desiludir com isto, mas há muita "cusquice", muita intriga, muita imaginação à solta...

    ResponderEliminar
  16. Gostei da tua descrição, espero que tenhas ganho qualidade de vida. Beijinhos e tudo a correr bem!

    ResponderEliminar
  17. vais reparar que depois querem é saber demasiado da vossa vida, começam com perguntas estranhas e um dia destes já todos sabem tudo menos vocês! mas sim, na aldeia é diferente. gosto de viver na aldeia... S* um beijinhooo

    ResponderEliminar
  18. Os sitios não sao bons ou maus por serem pequenos ou grandes, tal como as pessoas não sao simpaticas ou antipaticas por serem da aldeia ou da cidade. Ha de tudo. E para quem duvida.. No porto (a cidade mais liiinda de todas) tambem ha quem nos desafie para uma partida de matrecos. :) Menos preconceito, gente! :p

    ResponderEliminar
  19. Anónimo, ninguém põe isso em causa...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Leste os comentarios que te deixaram? :o

      Eliminar
  20. As gentes das terrinhas são sempre simpáticas, o único ponto negativo é que junto à simpatia vem de arrasto a coscuvilhice :-P

    ResponderEliminar
  21. Isso é bom, é um descanso saber que se for preciso alguma coisa, basta bater na porta do vzinho que nos vêm logo socorrer. Pode ter os seus lados negativos, mas viver em sitios assim tem sempre as suas coisas boas

    ResponderEliminar
  22. Confesso que não dava para mim. Cresci e sempre vivi na cidade, não sou muito adepta de passar tardes inteiras em cafés com gente que não conheço assim tão bem. E já se sabe que em meios mais pequenos a cusquice também é maior. Acho engraçado esse espírito, mas lá está, não fui habituada assim, por isso não me dava nesse tipo de programas. Gosto muito da minha liberdade e da minha individualidade :)

    ResponderEliminar
  23. gosto do espirito que existe nessas aldeias =)
    bjs*

    ResponderEliminar
  24. Bomboca, ai credo. Ahah só fui tomar café, também não acho piada a esses programas. :-P

    Anónimo, obviamente referia-me só a mim, não mando nas ideias dos outros.

    ResponderEliminar
  25. Não tarda nada habituas-te a tomar "café com cheirinho"! :)

    ResponderEliminar
  26. Txi! Eu não me metia com velhos a jogar matrecos, isso é certinho!

    ResponderEliminar
  27. As aldeias têm dessas coisas, ao contrário do predio onde moro em que não conheço quase ninguem. Onde nasci toda a gente conheçe toda a gente e está pronta para ajudar, aqui bem posso estar doente que ninguem dá por nada. tambem como ninguem sabe nada da minha vida não há "corta na casaca.."

    ResponderEliminar
  28. Falam da aldeia como se fosse um sitio absolutamente especial e raro. Duvido que viver numa aldeia seja muito diferente de viver em Viana do Castelo (uma cidade pequena), por exemplo. A aldeia, campo se preferirem, é um sítio como os outros, mais pequeno. Tem televisão, as pessoas trabalham (quase todas na cidade ou vila mais próxima), há gente cusca (como existem as vizinhas do prédio) e há gente que se tá a "cagar" para toda a gente. A grande diferença campo/cidade nem são as pessoas, são os serviços!

    ResponderEliminar
  29. Isso é tão fixe :)
    Quando tenho férias no verão gosto de ir ao café jogar uns matraquilhos ou bilhar ou ficar apenas sentada no baquinho a beber um café. saudades ;)

    ResponderEliminar
  30. Ontem lembrei-me de ti...fomos dar uma volta e tirar fotos a uma cascata gira, numa aldeia para os lados da tua... :)

    ResponderEliminar
  31. Pois eu nasci e cresci numa aldeia, pequena mesmo, e agora vivo numa vila, e quando vou á aldeia é uma alegria, beijinhos a todas as vizinhas, e o facto de quererem saber tudo é normal não é por maldade, eu não entendo assim, o pior é conheceres mesmo os problemas de todos e por vezes não poderes ajudares, olha hoje , por exemplo, vou a um funeral de um vizinho que me viu crescer, não me é nada mas pelo facto de conhecer a familia toda sinto-me na obrigação de participar, se fosse na vila, se calhar nem dava por isso de um vizinho falecer...

    ResponderEliminar
  32. Curte bem esse ambiente da aldeia, é fantástico*

    ResponderEliminar
  33. Pedindo permissão à S* vou responder ao anónimo que como aparece várias vezes, nem sei se é o mesmo.
    Sou uma das pessoas felizardas que pode ter, manter e viver em duas casas, uma em Lisboa e a outra numa aldeia na zona de Sintra. A "realidade" que ele descreve pode existir em algumas aldeias mas não em todas.
    Para se viver com algumas condições básicas, como peixaria, talho, farmácia, mercearia, tem que se ter transporte próprio ou calcorrear vários quilómetros. Há camionetas mas passam em horas muito distanciadas,... não há escola, está ligada a um agrupamento de escolas que não são propriamente acessíveis a pé...
    Porque tenho casa aqui? Porque aqui refugio-me do bulício da cidade, preciso de um local calmo para descansar e para isso é excelente, tem bom ar, tem plantas e animais, tem gente que com a fachada de excelentes pessoas inventam histórias impensáveis sobre pessoas que nem "conhecem", falam do que não sabem, o tipo de conversa é sempre o mesmo...
    Noutra aldeia perto da "minha", vivem os meus netos e confesso têm uma qualidade de vida melhor do que na cidade, espaços, escolas públicas (as quais apoiamos), mas porque a família tem alguma capacidade económica para lhes proporcionar a parte da cultura.
    Muito mais podia dizer! Mesmo com tudo isto continuo a gostar do meu Refúgio, das minhas flores, das minhas árvores, no fundo é a Natureza que me empurra para aqui!

    ResponderEliminar
  34. Opá, que mania de ser do contra só por ter comentado em anónimo. Quando disse 'menos preconceito, gente' referia-me às várias pessoas que o demonstraram nos seus comentários. 'Ninguém põe isso em causa..' revela que nenhum comentador o fez... O que é mentira. E se eu estava a falar de toda a gente porque raio é que mudaste a atenção para ti? 'Obviamente referia-me só a mim, não mando nas ideias dos outros'. Essa panca de teres de ter sempre a última palavra é um bocadinho para o infantil.

    ResponderEliminar
  35. AHAHAHHAHAHAHAHHAHAHHAHAHAHHAHAHAHHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHAHH
    Fogo, és um poço de bom humor...

    ResponderEliminar
  36. Oh anónimo, já cá está de novo?

    Pfffffffff...

    ResponderEliminar
  37. Estás a morar em cascos de rolha? :)

    ResponderEliminar
  38. As pessoas são muito mais amistosas nos meios pequenos ;-)

    ResponderEliminar
  39. Acredita que viver na aldeia não é sempre bom e as pessoas não são todas amigas... Tem coisas boas sim mas as más também são algumas, como tudo.

    @Anna

    ResponderEliminar
  40. Como te entendo! :) Embora, pelo menso desta aldeia onde te escreva, tambem veja muita miséria.

    ResponderEliminar