segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Das pessoas admiráveis

E diz o Rodrigo Guedes de Carvalho, profissional que já admirava, ser humano que admiro ainda mais.

"Temos muito a aprender com os animais. Um animal é, de facto, aquele que te ama incondicionalmente. Ele só quer saber se tu chegas. Não quer saber se lhe ralhaste de manhã, se vens chateado... Ama-te incondicionalmente.

Ah, mas os animais estão ali para nos servir?! Não. Porquê? Estão ali para Nós, são um conforto, um companheirismo.

A defesa dos direitos dos animais é uma coisa que eu sinto que germina em mim desde miúdo. (...) É mais uma das zonas da vida que nos define enquanto pessoas. (...)

Como é possível tu pegares num animal - que estás a olhar nos olhos -, metê-lo no carro, sabendo que vais à estrada abandoná-lo? Que tipo de pessoa é capaz de fazer isto? Se tu és capaz de isto, és capaz de muitas outras coisas. E quando não for um animal, quando for o teu avó... que já ouve mal, que já não está em condições, que já não presta? Pessoas que são capazes de fazer mal aos animais, para mim, definem-se em muita outra coisa na vida".

É isso, Rodrigo, é isso.  :')

Rodrigo Guedes de Carvalho, o homem que me fez ver o "Alta Definição" do princípio ao fim. Ora vejam ali a partir dos 33 minutos.

Vídeo aqui:
http://www.videosbacanas.com/rodrigo-guedes-de-carvalho-no-alta-definicao-sic-programa-do-dia-09-02-2013/

39 comentários:

  1. Eu li e partilhei no meu fb. Adorei! :)

    ResponderEliminar
  2. Concordo plenamente contigo. Só não concordo que se defendam mais os direitos dos animais que os das crianças e dos velhos. Isso choca-me!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida, uma coisa nunca invalida a outra. Podemos lutar por todos.

      Eliminar
  3. Como sabes, eu adoro animais, e a minha cadela é como se fosse uma filha mais nova que eu tenho (acho até que lhe admito mais disparates - e nem faz muitos - que à minha filha.
    Porém, o amor declarado aos animais, não diz muito acerca das pessoas. O declarar-se amor e respeito pelos animais, não chega. É necessário que, antes do mais, gostar e respeitar o semelhante.
    Ora os motivos que levaram ao divórcio do RGC com a Paula Moura Pinheiro parecem não ter sido muito abonatórios em relação ao respeito que um homem deve ter para com qualquer mulher, especialmente a sua.

    ResponderEliminar
  4. Jà ouvi muitas pessoas elogiarem a entrevista dele mas ainda não tive oportunidade de ver...há homens grandes e depois há aqueles pequenos como o outro palonço do qual agora não me lembro do nome

    ResponderEliminar
  5. Concordo com tudo o que foi dito no post. Os animais são mesmo os nossos melhores amigos. :)

    ResponderEliminar
  6. por acaso é uma pessoa que eu admiro, super profissional. E agora fiquei a gostar mais. Não podia estar mais de acordo com o que ele disse.

    ResponderEliminar
  7. Também vi no sábado e achei muito bem! Toda a entrevista foi muito boa, aliás!

    ResponderEliminar
  8. Tambem gostei muito da entrevista, pareceu-me uma pessoa muito sensata, e não é só o gosto pelos animais, ele tambem demonstrou muito respeito pelos idosos, pela familia.

    ResponderEliminar
  9. É certo e sabido que não tenho sensibilidade com os animais, ao ponto de achá-los fofos ou assim e querer tê-los em casa. Por outro lado, não deixo de achar horrível o maltrato aos animais e o abandono, é mesmo algo que tem de ser combatido. Se eu sei que não gosto deles, ou não poderia dar-lhes uma vida boa, não os tenho. É assim, simples. Não entendo quem os tem para magoá-los ou mandá-los fora quando já não querem mais, isso é que não... Não podemos obrigar ninguém a gostar dos animais (eu estou incluída nesse grupo) mas o dever de não os magoar toca a absolutamente todos...

    ResponderEliminar
  10. É um excelente profissional e agora ainda é melhor pessoa.

    ResponderEliminar
  11. Acho ironico ele ter dito isso no programa desse "senhor" que ha duas semanas disse qe ate a vida do ser humano mais desprezivel valia mais que a de um animal. Esse daniel tem mto a aprender com o rodrigo. Se calhar ate foi propositado, nao sei. So sei que ele ganhou o meu respeito e admiracao.

    ResponderEliminar
  12. Calipso, não foi este Daniel Oliveira, foi um outro, que tem uma crónica no Expresso. :)

    ResponderEliminar
  13. E eu estou de acordo. Só não entendo por que motivo pessoas disseram que eu devo ser má pessoa porque um dia comentei num blog que não aprecio animais. Epá, não sou fan. Dou festas a um malamute, mimo um gato, brinco com um hamster e converso com um piriquito mas não os aprecio por aí além e jamais os teria em casa. Não concordo com a maldade sobre os animais, acho que o abandono devia ser punido com prisão e outras coisas. Mas não apreciar os bichos diz muito de mim como pessoa?

    ResponderEliminar
  14. Havias então de ter lido o texto que foi escrito por ele e publicado na revista Activa há 19 anos atrás (acerca de ser pai) antes do filho dele e da Paula Moura Pinheiro ter nascido...
    Tinhas-te apaixonado por ele, para a vida!

    ResponderEliminar
  15. Ai... até me arrepiei... Realmente, um homem puro, sem vergonha do que sente.

    ResponderEliminar
  16. Vi a entrevista todinha do principio ao fim e se já o admirava, agora ainda gosto mais dele.

    Mas nunca me esqueço que perante uma câmara dizemos aquilo que as pessoas gostam de ouvir.

    ResponderEliminar
  17. Bem, em 1º lugar, naturalmente que a vida um ser humano, qualquer ser humano, tem mais valor que a de qualquer animal. Não o entender, é não entender a essência do humanismo e o porquê de todos os países cevilizados terem abolido a pena de morte.
    A polémica S*, é que o que se soube - ou constou com mais insistência - foi que o divórcio teve como origem a violência doméstica.

    ResponderEliminar
  18. Confesso que tive pena de não assistir... :S

    ResponderEliminar
  19. Fiz um post sobre esta entrevista também. Adorei estas respostas que transcreveste até porque uma grande parte da minha admiração por ele se deve ao facto de ser defensor dos animais, mas o resto da entrevista/conversa não ficou nada atrás. Adorei!

    ResponderEliminar
  20. Juanna, nada a ver. Podemos não adorar os bichos, desde que saibamos respeitá-los. :)

    ResponderEliminar
  21. Vic, eu não concordo que qualquer ser humano valha mais que um cão/gato... por isso. :)

    Quanto ao Rodrigo, se assim o fez, obviamente cai na consideração.

    ResponderEliminar
  22. Fieldade algo que os animais sempre tiveram e que os humanos vão perdendo com o passar dos tempos :(
    Mas está lindo sim senhor!!!

    Beijoquinhas doces xxx

    ResponderEliminar
  23. Foi uma das melhores entrevista que vi até hoje, já o admirava por muitos trabalhos feitos por ele hoje admiro ainda mais, não só por ter referido os direitos dos animais, mas como ele falou e bem dos laços de familia que devem ser construídos na base do amor e não da imposição, muitas afirmações batem correcto.
    beijocas

    ResponderEliminar
  24. Opá até fiquei com uma lagriminha. É a mais pura das verdades, só nunca tinha ouvido ninguém colocar por palavras aquilo que também sinto.
    Um grande beijinho ao senhor :)

    ResponderEliminar
  25. Também vi e gostei muito. Identifiquei-me muito com a maneira dele falar e de pensar, quer sobre o que é amar uma pessoa como sobre o que são os animais nas nossas vidas :)grande senhor!

    ResponderEliminar
  26. O Rodrigo Guedes de Carvalho é um excelente profissional e lendo tais palavras ainda subiu mais na minha consideração.

    ResponderEliminar
  27. Ena, isso vindo de quem dava sovas à mulher é no mínimo sonso. Também não compreendo quem é capaz de olhar a mulher nos olhos e depois dar-lhe uma carga de pancada. Que tipo de pessoa será?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como já disse acima, desconhecia tal faceta. É, no mínimo, deplorável.

      Eliminar
    2. A diferença é que a mulher é grandinha para se defender, virar costas e denunciar os maus tratos. Já um animal é indefeso.

      Eliminar
  28. Adorei a entrevista e adoro-o a ele. Precisávamos de mais pessoas assim.

    ResponderEliminar
  29. Também vi a entrevista do princípio ao fim. Ele tem o melhor de um ser humano.

    ResponderEliminar
  30. Vi mas o que mais me «impressionou» foi a verdade crua muitas vezes recusada de que não se tem de gostar dos nossos progenitores, nem daqueles que são nossos familiares.

    Não conheço criança que não queira o afecto dos pais! Mas se calhar existem pais que não querem amar os filhos...

    ResponderEliminar