quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Justiça confia bebé a casal homossexual



Nem me vou alargar muito neste assunto. Sou totalmente a favor do casamento homossexual, visto que sou a favor de qualquer tipo de amor. Vai daí, sou claramente a favor da adopção por casais homossexuais. Ser homossexual não lhes retira a capacidade de amar uma criança - e é só disso que estas crianças precisam: de amor. 

Quanto à sociedade ser má, criticar, ostracizar... bom, quero acreditar que vamos evoluir nos próximos anos. Esse preconceito já não faz qualquer sentido (como nunca fez).


Facebook da S*.

84 comentários:

  1. Dar uma família a uma criança é o que ela mais quer.
    As crianças não fazem escolhas de quem lhes dá amor, bjs.

    ResponderEliminar
  2. Uma boa noticia! PEna ainda haver gente com a mente pequinina

    ResponderEliminar
  3. Gostei muito de ver ontem um bocadinho da entrevista. Venham mais casos assim :D

    ResponderEliminar
  4. Isso é só mais um preconceito! É como se a homossexualidade se fosse "pegar" por a criança ter dois pais ou duas mães!

    ResponderEliminar
  5. Eu vou dizer o que disse noutro blog: É um primeiro passo... mas ainda tem que correr muita água por debaixo das pontes das mentalidades mundiais!

    ResponderEliminar
  6. pois a mim não me aquece nem me arrefece, se são homossexuais ou não... tratam bem o menino e isso é que importa... acho muito bem darem a guarda a eles... existem tantos casais que têm filhos e nem querem saber deles, se calhar se fossem entregues a estas pessoas eram muito mais felizes...
    têm dois pais ou duas mães e ponto final...
    beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Olha babe, eu cá para mim não entendo se o preconceito existe tanto assim como ás vezes se gosta de divulgar. Em Portugal não somos mto disso - pelo menos é o que acho.

    Ontem vi um pouco da reportagem na TV sobre este caso e gostei do que vi, à parte de uma educadora que, bem intencionada, disse que os casais homossexuais até são melhores pais e gostam mais dos filhos que os casais normais, que o casal heterossexual ás vezes durante o divórcio sofrem as crianças. E também disse que ás vezes os filhos destes casais "normais" são maltratados e não são amados por dois...

    Mas espera aí né! As pessoas devem ser vistas como indivíduos, não como géneros e opções sexuais! A maldade tanto pode estar numa família straith como numa homo...

    A generalização é que é um erro. E não se pode cometer o erro da inversão do preconceito.

    O Bernardo parece-me uma criança LIIIINDA, que ao menos tem já o privilégio de não ter um, nem dois, mas pelo menos TRÊS EDUCADORES que o adoram. Estes e a mãe biológica. E tem 3 irmãos. Parece ter agora tudo para vir a ser muito feliz. Urra para a mãe!

    Beijo.

    ResponderEliminar
  8. Portuguesinha, não apanhei a reportagem, mas já li muito sobre a mesma. Infelizmente as pessoas cometem esse erro: atacam uns para defender os outros. Não há necessidade nenhuma disso, todos podem amar uma criança como esta merece ser amada.

    ResponderEliminar
  9. As pessoas evoluem e espero que daqui a uns anos seja tão comum e aceite quanto não se ir virgem para o casamento (ou não se querer casar de todo).

    ResponderEliminar
  10. As crianças precisam de amor e de uma família, no entanto acho que a presença de uma mãe e de um pai é sempre importante, porque cada um tem um papel fundamental na educação e formação da criança,
    respeito a orientação sexual de cada um, agora adopção por duas pessoas do mesmo sexo ainda não me cabe na cabeça.
    Não é preconceito, nem discriminação, mas cada coisa no seu lugar.
    è apenas a minha simples opinião.

    ResponderEliminar
  11. Anónimo, está no seu perfeito direito. Eu também acho que ambos os papéis, feminino e masculino, são cruciais. No entanto, toda a gente tem tios, avós, primos... Olhe, eu por exemplo cresci quase sem pai, porque ele trabalhava fora. Tive o meu tio. :)

    ResponderEliminar
  12. MAI NADA!!!
    Há tanta criança abandonada, porque não dar-lhes um lar onde irão ser amadas e respeitadas???
    Sou a FAVOR!!

    ResponderEliminar
  13. Uma criança precisa é de um lar estável, precisa de carinho, de amor e de ser educada. A tendência sexual de uma pessoa não define a capacidade de educar e amar uma criança. É bem preferível estar com um casal homossexual do que estar abandonada numa instituição ou mesmo com um casal heterossexual que não saiba cuidar de crianças. E as pessoas têm é de se mentalizarem disso, senão o preconceito nunca irá ser vencido...

    ResponderEliminar
  14. Sou totalmente da tua opinião, não tenho absolutamente nada contra a homossexualidade!

    ResponderEliminar
  15. Como um deles disse na reportagem quem se aflige são os que têm telhados de vidro...

    FELICIDADE é o que se quer.

    ResponderEliminar
  16. Esta decisão merece um grande aplauso! :) Significa que estamos a caminhar para onde devemos, é um pequeno passo é certo, ainda há muitos mais, mas já é alguma coisa :D

    Beijinho

    ResponderEliminar
  17. Ser bom ou mau pai não está relacionado com a orientação sexual de cada um ;)

    Beijinhos :)

    ResponderEliminar
  18. Eu sou completamente a favor! E fico muito feliz por este menino, rejeitado pela família paterna, tenha finalmente um lar e uma família que o ama.

    Sandra

    ResponderEliminar
  19. Concordo plenamente :))) é bem melhor um casal homossexual adoptar uma criança do que a mesma ficar anos a fio numa instituição...

    Http://styleloveandsushi.blogspot.com

    ResponderEliminar
  20. Concordo, o importante é o amor, o que interessa serem do mesmo sexo!

    ResponderEliminar
  21. Concordo! E felizmente este casal em particular tem sido bem tratado pela população em geral!

    ResponderEliminar
  22. Tenho de discordar quando dizes que as crianças só precisam de amor, porque qualquer criança precisa de muito mais do que isso, especialmente uma com trissomia 21. Com isto não digo que os gays sejam inaptos a educar seja quem for. Só contesto esta tua afirmação.

    ResponderEliminar
  23. Curiosa a tua opinião, ó S., sobretudo depois de teres escrito isto há...deixa lá ver há quanto tempo...olha, há 3 dias, apenas:

    "Quanto à Chueca... Bom, tenho a dizer que nunca vira tanto gay, tanta lésbica e tanto travesti junto. Nada contra, mas é meio estranho. "Aqui" ainda não é tão usual ver homens abraçados e outros homens a usarem vestidos vermelhos."

    Ora explica lá a coisa como se eu fosse uma criança de 5 anos.

    ResponderEliminar
  24. Resta saber qual a decisão do tribunal se a criança não fosse portadora de deficiência. Este é um gesto bonito? É! Mas sabemos que mais de 95% das pessoas que querem adoptar querem uma criança saudável. O Bernardo, se não tivesse sido "adoptado" estaria muito provavelmente entregue a uma instituição. Resta mesmo saber o que aconteceria se o Bernardo não fosse portador de deficiência. A decisão deveria ser a mesma, num mundo ideal. Mas seria? Não sei se estou a fazer-me entender...

    ResponderEliminar
  25. O problema nisto de entregar crianças a casais homossexuais só existe porque lhe fazem referência. Se ninguém fizesse um escândalo sobre isso, se ninguém mencionasse que é diferente, não digo que não houvesse comentários, nem algo do género, mas agia-se como se fosse uma situação natural.
    Claro que considero fundamental para a criança que os pais lhe expliquem que existem orientações sexuais diferentes e essa ladainha toda, mas qual é o mal de uma criança viver com dois pais, ou duas mães?
    Desde que seja tratada bem e seja amada, acho completamente normal, toda a gente está no seu direito de ter filhos!

    ResponderEliminar
  26. Minha querida, com o tempo as pessoas vão perceber que é mesmo assim como dizes!

    ResponderEliminar
  27. Adorei o post, muito bom!
    A mim já me chamaram gay só por eu ser a favor do casamento homossexual e do amor entre pessoas do mesmo género.
    Mas enfim, mentes fechadas, cérebro pequeno. *

    ResponderEliminar
  28. Concordo!
    Quem nos dera muitos casais a adotar crianças com poucas posses, onde podem ter amor, alegria e alguma qualidade de vida.

    ResponderEliminar
  29. Embora seja absolutamente a favor do casamento homosexual e da escolha de cada um, mas neste caso isto parece-me completamente descabido.
    O míudo vai pensar que tem um pai e um pai avô, porque vão-me desculpa, fala-se muito em pedofilia e coisa e tal e este senhor não passa de isso mesmo.
    Está a fazer ali o papel só se for de avô.
    Isto de mente aberta é tudo muito bonito e bla bla mas não vamos perder a noção das coisas.

    ResponderEliminar
  30. Carolina, nem a propósito, acho que acabou por dar um bom exemplo de um preconceito invertido.

    A virgindade era bem vista em sociedade, hoje inverteu-se a coisa: ser-se virgem é visto com maus olhos.

    Não devíamos ter progredido para a inversão de um preconceito. Deviamos ter progredido para a aceitação das diferenças!!

    (como dizes S, não é preciso atacar uns para defender outros. Acaba-se por adoptar um outro preconceito)

    ResponderEliminar
  31. Sem dúvida! A sociedade que se adapte e que compreenda que é melhor ter amor do que viverem sozinhos numa instituição!

    ResponderEliminar
  32. muito bonito de se ler S*! Penso exactamente da mesma forma :)

    ResponderEliminar
  33. Sou lésbica, gostava de ser mãe e acho que seria uma optima mãe. Porque ser homossexual não me acrescenta nem me retira quaisquer capacidades, nomeadamente a de amar e educar uma criança. É bom ler tantas opiniões a favor da adopção por casais do mesmo sexo, deixa-me feliz e da-me esperança em relação a um futuro melhor.
    Em relação a uma criança precisar da figura materna e paterna, não concordo. Uma criança que viva desde sempre com duas mães não sentirá a necessidade de um pai, pois essa nunca foi a sua realidade. Tenho amigas lésbicas com filhos e acreditem não terem pai está longe de ser um problema!
    Aproveito tb para dizer que no Jornal da Noite da Sic vai hoje passar a reportagem "Mãe não há só uma", sobre inseminaçao artificial levada a cabo por lésbicas que querem ser mães.
    Bem sei que há muito com que nos preocuparmos em relação ao nosso pais (crise economica, politica, aumento de impostos, etc), mas a igualdade de direitos, é um assunto importante e que não pode cair no esquecimento, por isso, obrigada S* por falares neste assunto!

    ResponderEliminar
  34. Tem que se começar por algum lado para se mudarem mentalidades parvas :s Viva o amor :)

    ResponderEliminar
  35. Anónimo das 20 horas, isso são outros quinhentos... e não é pelo facto do senhor ser mais velho que o marido que é pedófilo.


    Anónimo das 19:08, eu não tenho de explicar nada. Mas tu, como uma criança de 5 anos, podias ir para a escolinha e começar a aprender a interpretar frases. Ora, eu disse que vi muitos gays. O que é que isso tem de mal? É um facto, vi muitos gays de mão dada, coisa que em Portugal ainda não é normal. mas já escrevi N vezes que sou totalmente a favor de todos os tipos de amor. Portanto, em vez de passares o tempo a pegar em críticas patetas e sem sentido, vai aprender a interpretar frases.

    ResponderEliminar
  36. um quarto para duas, fico mesmo feliz, por ti e por toda a gente que merece ser feliz e ainda tem de lidar com preconceitos parvos. :)

    ResponderEliminar
  37. Ponto pequeno, o amor traz tudo o resto: esforço, dedicação, cumplicidade.

    ResponderEliminar
  38. Quarto para duas, sabia dessa reportagem, parece que a TV "acordou" para o assunto. Eu não vejo qq impedimento para pessoas que têm afeto para dar estejam inviáveis de o fazer e creio que, tal como a lei do aborto, e agora a do casamento, é uma questão de tempo até a lei alterar. Mas pessoalmente não sei responder se uma criança precisa da figura paterna ou materna, porque não sei responder mesmo. SEI que não conheço um único adulto que ao se ver privado de um convívio "normal" com um progenitor, não evidencie sinais de estar fragilizado e carente. Se isso não se aplica porque existe um casal, mas do mesmo sexo, não sei, porque há assuntos que as crianças preferem levar aos pais, outros às mães. Não sei se por género ou por personalidade. Isso não sei.

    Mas não tenho duvidas que existindo amor e capacidade, não é a sexualidade que invalida a capacidade de formadores do casal. Contudo, ressalvo, não sei, mesmo, se uma criança poderá vir a sentir alguma carência. Acho que não, que é uma questão de adaptação a uma realidade que logo conhece. Mas como a coisa tb se complica qd se trata de insiminação artificial, doação de óvulos, esperma, bancos de esperta etc, com tantos casos de crianças que ao crescer querem conhecer essas suas origens, não sei. Cada caso é um caso.

    ResponderEliminar
  39. Eu sou totalmente de acordo, só não percebo é do entrave ainda maior quando se trata de pessoas solteira que querem formalizar uma adopção. Puramente ridículo.

    ResponderEliminar
  40. não costumo muito comentar,sou mais uma leitora silenciosa, mas tinha de vir comentar este post: concordo plenamente!! Espero que seja uma noticia cada vez mais comum e presente nos nossos dias :)

    ResponderEliminar
  41. PS: como conseguiu o Diogo Infante adotar (sozinho!) um rapaz??
    É que me faz espécie!!! Porque a lei é igual para todos, então??

    Isto de ter de engravidar por inseminação não é nem BARATO nem fácil. Vai por tentativas e pelos mtos casos que já vi em documentários, primeiro que se acerte....

    Adotar, se fosse opção e escolha, não seria mais viável?

    ResponderEliminar
  42. Eu ainda estou a pensar se sou a favor da adopção em casais gays...

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  43. Totalmente de acordo. Todos tem direito ao amor e não me parece que os homossexuais sejam menos capazes de darem esse amor. Muito preconceito ainda paira no ar mas acredito que cada vez será melhor.

    ResponderEliminar
  44. Sou completamente a favor da adoção por casais homosexuais... Pena é ainda haver tanto preconceito na nossa sociedade.
    Os tempos evoluem, mas há pessoas e pensamentos que continuam na mesma, esse é o grande problema!

    Sara



    ResponderEliminar
  45. Sou a favor da adopção por um casal homossexual, mas esse casal deve ter cuidado com a sociedade a que a criança é sujeita diariamente... Por experiência, entre uma aldeia do interior e uma cidade a mentalidade difere MUITO. Só estamos parcialmente desenvolvidos no que toca a este tema.

    ResponderEliminar
  46. Desculpa S*, por estar aki a escrever pensando que estou no face LOL mas despeço-me só para comentar outra coisa que veio à baila.

    Entraves à maternidade existem não só para quem é homossexual, tb os casais heteros têm dificuldades em adoptar e engravidar. Solteiros idem aspas, aspas... (acho que nem deixam)

    Não tenho dúvidas que as leis são feitas por pessoas decentes, com consciência e discernimento mas algo não está a satisfazer.

    Se formos a pensar, no passado as crianças eram educadas mtas vezes por mãe, tias, avós, e os pais afastavam-se, ora por irem para longe ou porque as abandonavam. Acho que o principal é viver na verdade, esclarecer uma criança sobre a sua origem, seja ela a mais « estapafúrdia» que possa ser. É a origem DELA, desse ser humano, e não conheço NINGUÉM a quem não seja importante conhecer as suas origens. (Porque nas origens conhecemo-nos a nós também).

    Bjnho!

    ResponderEliminar
  47. Eu também sou totalmente a favor de casamento e adopção homossexual. Todas as pessoas têm o direito de amar, e é isso que importa, o amor. Um casal homossexual pode dar tanto carinho e educação a uma criança como o um casal heterossexual.
    Acho que esta questão deveria ser legalizada, até porque há sempre maneira de contornar a questão. Só pelo facto de uma pessoa singular pode adoptar sem lhe ser questionada a orientação sexual e assim pode adoptar e viver com uma pessoa do mesmo sexo.
    Esperemos e acreditemos que o país vai evoluir

    ResponderEliminar
  48. O Homem é um ser, que por Natureza é preconceituoso, logo se não é normal nem usual, nós estranhamos. Como tu dizias há 3 dias e colocavas um :P no texto em tom de ironia e não de elogio ou enaltecimento.
    Agora sim, temos de começar a tornar estas situações cada vez mais usuais e não de euforia.

    E escusas de me responder, também a mim, como é habito neste blogue, com sete pedras na mão para quem discorda da tua opinião. E também dispenso o :) no final das frases provocatórias que, por norma, constróis.

    ResponderEliminar
  49. olha nem sabia que este casal tinha uma criança ...

    ResponderEliminar
  50. sou totalmente de acordo! acho que simboliza uma evolucao na sociedade, e muito mais importante carinho acima de tudo, que a crianca tenha um lar.
    porem tb percebo que e lixado por causa das outras criancas, que fazem comentarios maldosos que as vezes podem ser dificeis de ultrapassar, mas temos de comecar por algum lado.

    ResponderEliminar
  51. O que está em causa é o direito de uma criança a uma família.

    O resto, as caracteristicas da família, pouco importam, tem de ser a melhor para "aquela" criança. Nunca o contrário.

    Small steps, but walking.

    ResponderEliminar
  52. Para dar e receber amor, nao devia haver preconceito!

    ResponderEliminar
  53. subscrevo totalmente. o que importa é que a criança seja amada. Portugal precisa dar um salto de consciência urgente !

    http://tarasneurasmanias.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  54. Não podia concordar mais, disseste exactamente o que diria :)

    ResponderEliminar
  55. Confesso que este caso me calou... Não vi esta reportagem mas já tinha lido/ouvido sobre esta história... e admito que sim, que contribuiu para mudar a minha opinião.

    ResponderEliminar
  56. S+o tenho a assinar por baixo.
    Tudo.
    Penso exactamente da mesma forma.

    ResponderEliminar
  57. Portuguesinha, hoje em dia já se consegue adoptar sendo-se solteiro, penso eu de que... :)

    ResponderEliminar
  58. Mia, essa admito que me apanhou de surpresa. Primeiro, não tentes retirar conclusões de :P meus. Não, não era de ironia. Era só mesmo um sorriso. Aliás, porque haveria de ser irónica se estou fartinha de escrever que sou totalmente a favor da igualmente entre hetero e homossexuais?

    Mas ei, quando até com sorrisos no final das frases tu implicas, não te preocupes, nem te sorrirei. Se acordaste mal disposta, vai dormir que isso passa.

    ResponderEliminar
  59. O mais rídiculo é que qualquer homem/mulher solteiro/a pode adoptar sem se questionar a sua opção sexual, logo, porque um casal?!!

    ResponderEliminar
  60. Minha querida S*,

    Gostei tanto de ler isto :) além de ter bastantes e muito bons amigos homossexuais (que nem me lembro que o são, mesmo quando com eles como casais), trabalho em lar de infância e juventude, sei o importante que é uma criança ser amada.
    O que as crianças precisam é de amor e de uma família.
    E os casais homossexuais são tão capazes de amar como os heterossexuais.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  61. nada contra nem nada a favor do casamento entre homossexuais.

    penso exactamente o mesmo para o casamento entre pessoas de sexo diferente. nada contra nem nada a favor.

    são opções de cada um, adultos entenda-se, escolha de livre vontade, responsável e consciente. Respeito as vontades de cada um. é a defesa que faço da Liberdade.

    Já no que refere à adopção de crianças, já estamos a levar a nossa liberdade a interferir com terceiros (com as crianças adoptada), e se sim, concordo contigo que a capacidade de amar e educar uma criança não depende da nossa escolha sexual, mas defendo que uma criança necessita de ter a referência do casal, Homem-Mulher, Pai-Mãe para crescer saudavelmente a nivel mental e até social. Afinal não é por acaso que só pessoas de sexos diferentes procriam. E enquanto houverem casais Homem-Mulher "decentes" (e há sempre!) é sempre preferível dar um lar desses, "tradicional" para a criança se desenvolver. Claro que há sempre as excepções, mas se formos para as excepções caímos no cúmulo de darmos crianças para serem criadas por macacos ou lobos que provavelmente seriam melhor criados que a viverem com certo tipo de pessoas, casais heterossexuais. Por isso excepções há sempre.

    Mas em termos gerais e teóricos, sou da opinião que a criança precisa de um lar homem-mulher para se desenvolver da forma mais saudável. E isto não tem NADA a ver com aceitar ou não a Homossexualidade. tem sim a ver com padrões básicos. Não vivemos em matilhas, não vivemos sozinhos. A família tradicional é necessária ao desenvolvimento normal da criança. Mesmo que se conviva com casais homossexuais, mas Pai e Mãe são fundamentais para uma criança. São pontos de referẽncia.

    E como disse, excepções são excepções. Claro que a criança estará melhor com 1 casal homossexual que a ame e respeite do que com os seus pais naturais ou adoptivos heterossexuais que a desrespeitem ou maltratem! Mas se pudermos escolher ( e podemos!) o casal Homem-Mulher é o ideal E NECESSÁRIO para uma criança ter um desenvolvimento normal.

    Beijinho S*

    ResponderEliminar
  62. Se começar a ser uma prática comum, em breve o preconceito vai desaparecer! Quero acreditar que, tal como disseste, é uma questão de tempo! :D

    ResponderEliminar
  63. Estou totalmente de acordo contigo e acho que essa criança pode até ter mais carinho do que muitas filhas de casais dito "normais". Fico muito contente que o tenham conseguido.
    Bjs

    ResponderEliminar
  64. Julgo que é uma situação um pouco complexa... na minha opinião, antes de entregarem uma criança a um casal homo, deveria ser feita uma "investigação" ao tipo de vida e de relacionamento que o casal tem,(além claro das condições materiais para acolher a criança, mas isso é feito para qualquer tipo de casal) pois havendo exceções, como penso que seja o caso do Eduardo e do Luís, é sabido que muitos homossexuais trocam frequentemente de parceiros (e falo com conhecimento de causa) e isso julgo que não é um bom ambiente para uma criança crescer. Existem muitos que aquando a legalização do casamento foram logo correr casar, só para "aparecer", separando-se pouco depois, fazendo até tristes figuras... Por isso, não sendo totalmente contra, também não sou totalmente a favor.

    ResponderEliminar
  65. A adopção éa para casais homem e mulher que não conseguem ou não podem ter filhos ou já tendo filhos e condições económicas podem adoptar outras crianças. no caso dos solteiros que tenham condiçoes para adoptar adoptam e funcionam como familia de acolhimento. Agora no caso de homossexuais não devem adoptar como pais ou mães porque isso não existe, porque dois homens ou duas mulheres não se reproduzem, devem sim poder ser uma familia de acolhimento para essa crianças, em que as crianças são amadas e educadas por eles mas sem nunca confunderem as coisas.

    ResponderEliminar
  66. O importante é dar amor a uma criança e a adopção é só por si um grande acto de amor!
    Sou a favor!
    :-))

    ResponderEliminar
  67. Anónimo das 9:48, a promiscuidade também existe no seio dos hetero. E sim, não é um bom ambiente... Mas tendo em conta que o Luís e o Eduardo já estão junto há dois ou três anos, já casaram e tal... parece-me uma coisa séria. :)

    ResponderEliminar
  68. Sou o anónimo das 9:48... Claro que há promiscuidade no seio dos hetero... nem ponho isso em causa... mas também salvaguardei e referi que me parece que neste caso em concreto isso não se passa... Este é um dos casos em que não me "incomoda" a adoção por parte de um casal homo, parecendo-me até bastante mais interessados no bem estar do miúdo do que em serem um baluarte da adoção gay, pois decidiram até que a mãe da criança pudesse participar na sua educação e não a privaram de estar com ela, coisa que muitas das vezes não acontece com casais heteros que adotam crianças e fazem tudo para que a criança nunca saiba quem é a mãe biológica.

    ResponderEliminar
  69. Concordo, o mais importante é darem-lhe amor e um lar seguro, algo que muitos casais hetero não são capazes de fazer.

    Big Kisses

    ResponderEliminar
  70. Queria só aqui acrescentar dois pontos:

    - A orientação sexual dos pais ( e não escolha como por vezes se diz porque ninguém escolhe se quer ser hetero ou homossexual, nasce assim, é assim e isso é a coisa mais natural do mundo) não influencia a orientação sexual dos filhos.
    Senão vejamos, quantos e quantas mulheres e homens gays foram muitas vezes fruto de uma educação tradicional, por vezes até católica por parte de um casal heterossexual?
    - Independentemente da orientação sexual dos pais, como aqui já se disse e muito bem, a qualidade do desenvolvimento emocional e afectivo da criança depende sobretudo do que lhe é dado na relação com os pais e como sente essa mesma relação. Ou seja, a criança é feliz se tiver cuidados, afecto genuíno, preocupação, contenção, protecção, responsabilidade etc. e se sentir que os pais estão bem juntos, felizes. Quantos e quantos casais heterossexuais negligenciam as suas crianças e vivem casamentos infernais que só os fazem infelizes a eles e consequentemente às crianças...

    Só mais uma adenda: classificar o membro mais velho do casal de "pedófilo" apenas por ser casado com alguém mais jovem demonstra bem que tudo isto é ainda a ponta do iceberg de enormes preconceitos enraizados que existem e infelizmente sempre existirão mas acredito e tenho esperança que cada vez menos...

    ResponderEliminar
  71. Eu concordo a 100% contigo S*! O importante é o amor! Seja entre dois homens, duas mulheres o que for .

    ResponderEliminar
  72. Anónimo das 12:06, concordo em pleno consigo. O facto da mãe biológica estar presente é muito bonito e certamente fundamental para esta criança. :) E yap, ninguém escolhe ser homossexual, pelo que o facto de se ter dois pais ou duas mães nada interfere.

    ResponderEliminar
  73. Gosto de saber destas coisas, parece que em Portugal as cabecinhas pensadoras andam a alargar horizontes! :)
    Família é tudo, seja mãe-pai, pai-pai, mãe-mãe, avó-avô, tio-tia. Enfim!

    ResponderEliminar
  74. Totalmente de acordo! Nem há mais a dizer.

    ResponderEliminar
  75. Para quem perguntou porque o Diogo Infante conseguiu adoptar sozinho isso explica-se facilmente: a adopção é legal por um casal heterossexual e por qualquer pessoa. O que é ilegal é a adopção por parte de CASAIS homossexuais. Assim sendo, um homossexual pode adoptar uma criança. Sozinha. Uma adopção singular. Mas um casal homossexual não o pode fazer, como podem os hetero.

    Eu, pessoalmente, acho que os casais homossexuais, incapazes de por si terem filhos, deveriam poder adoptar. Quero acreditar que o legislador ainda não procedeu à sua legalização por acreditar que a nossa sociedade é demasiado mesquinha e podre para aceitar uma forma "diferente" de amar e isso iria reflectir-se no normal desenvolvimento do menor.
    É pena que assim seja.

    Nenhum homossexual escolheu essa forma de amar (e se tivesse escolhido??) e, portanto, não deveria ficar privado da maternidade/paternidade porque, biologicamente, não consegue gerar um bebé com o seu amor.

    ResponderEliminar
  76. Não sei se assinei o comentário, mas sou eu, a Mel ;)

    ResponderEliminar
  77. Mel, tal e qual. Gostei mesmo de ler. Todas as pessoas têm direito ao amor.

    ResponderEliminar
  78. Mas que coisa. Quando o Miguel passa na rua de mão dada com o filho, as pessoas dizem "lá vai um paneleiro de mão dada com o paneleiro júnior"? Ou pensam "lá vai o Miguel de mão dada com o filho"? Que mania de catalogar uma pessoa pelo orgão que utiliza para fazer amor. Pffffff

    ResponderEliminar
  79. Apesar de tantos comments (q n li) não quero deixar de dizer que sou exactamente da tua opinião e que tenho um casal homossexual amigo que criou o afilhado de um deles, a "criança" já está com eles desde bébé, tem 15 anos agora e é perfeitamente normal, bom aluno, heterossexual e encara com naturalidade o facto de ter 2 pais.

    ResponderEliminar