quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Freitas defende imposto especial para quem ganha mais

DN

Avé Freitas do Amaral! Finalmente uma ideia sensata. Isso já eu defendo há uns aninhos. Numa sociedade tão desigual, os mais ricos deveriam ajudar os mais pobres. Assim como assim, entre ganharem 15.500 e 15.000 pouca diferença lhes faz... e esses 500 euros davam para ajudar alguma gente.

Mas dou de barato que nos privados não seja assim... agora no público, que é pago com o nosso dinheiro, não devia haver salários milionários. Se os há, que tenham este tal imposto especial.

23 comentários:

  1. Aqui pelas minhas bandas também se fala nisso. E pelo que percebi vai à avante não tarda muito!!

    ResponderEliminar
  2. Ele diz isso porque sabe que ninguém no governo vai apoiar.
    É a conversa da treta do costume. xD

    ResponderEliminar
  3. Infelizmente, não há-de passar de uma opinião :S

    ResponderEliminar
  4. Finalmente uma medida com pés e cabeça!

    ResponderEliminar
  5. Ele devia era estar caladinho ao invés de andar a dizer coisas como se fosse muito altruísta por estas alturas! Se ele e outros como ele não andassem a roubar o país este ano todo, provavelmente seríamos todos mais ricos e vivíamos melhor!

    ResponderEliminar
  6. Concordo plenamente,não se justificam nos tempos actuais vencimentos de 15.000 euros.Portanto se os há que descontem um pouco mais para que haja equidade.

    ResponderEliminar
  7. Pois claro que já se sabe que isto não vai avante, mas não deixa de estar correcto. :)

    ResponderEliminar
  8. Depende de como se aborda a questão. Sou a favor de ajudar quem precisa mas totalmente contra ajudar quem não se esforça. Tenho um rendimento alto mas é fruto do meu trabalho diário como gestor e empresário (que pouco dorme) e como tal não gosto da idéia de se canalizar esse esforço para quem passa o dia a vegetar no local de trabalho ou sem procurar oportunidades. São essas pessoas que dão má imagem a quem tem reais dificuldades. Ajudar sim mas sem nivelar por baixo e criar parasitismos sociais.

    J

    ResponderEliminar
  9. Só tenho uma dúvida quando falam em ordenados de 15.000€, estão a falar mensais ou anuais. É que se estamos a falar de valores anuais, equivale a 1200€ mensais e sinceramente não acho que seja nenhuma fortuna. Claro que não podemos comparar salários só por comparar porque em nenhum lado do globo um trabalhador sem formação académica ganha tanto como um licenciado, um mestre ou um doutor. Achar que todos os salários deviam ser iguais, é demagogia pura!
    Voltando aos 1200€ mensais, acham muito então comparem com os 1100€ do salário mínimo em França.

    ResponderEliminar
  10. Também concordo plenamente. Mas duvido muito que avancem com a medida. Ia dar comichão a muita gente!!

    ResponderEliminar
  11. estou de acordo! também percebo o facto de que tirar a uns para dar a outros possa ser complicado de aceitar à primeira vista, mas de facto para quem ganha bastante não fará a mínima diferença, mas fará a máxima diferença para quem precisa!

    ResponderEliminar
  12. Anónimo das 12:13, parece-me que se refere aos salários mensais superior aso 15 mil euros. Tal como acrescentei no texto, dou de barato que nos privados não seja assim... agora no público, que é pago com o nosso dinheiro, não devia haver salários milionários. Se os há, que tenham este tal imposto especial.

    ResponderEliminar
  13. é um bocado triste que num país como o nosso, em crise, haja na função pública, tal como dizes "salários milionários" como o de alguns apresentadores na RTP!

    ResponderEliminar
  14. Estou com o anónimo das 11:56h. Precisamente por saber o que é trabalhar 12 e 13 horas por dia, não ter fins-de-semana e ter uma semana de férias por ano. E se ganho bem - que ganho - a mim o devo. E mais digo que como entidade patronal, quando procuro gente para trabalhar, aparecem todos a pedir "carimbos" para o subsídio de desemprego que EU pago.

    Era bom se deixassemos de apregoar a equidade apenas para umas coisas (rendimentos, neste caso) e nos lembrassemos que também não somos todos iguais a trabalhar, a suar, a vestir a camisola e a esquecer o horário das 9 às 5h. Porque eu acho que quando as pessoas quiserem ser iguais em ambas as coisas, o país passa a produzir MUITO mais e as famílias a viver MUITO melhor.

    E peço desculpa pelo longo texto.

    ResponderEliminar
  15. Carmo, obviamente que há trabalhos mais difíceis do que outros. Há trabalhos mais exigentes, e oh se há trabalhadores mais esforçados de que outros... Mas estamos a falar do público ou do privado? É que se é do privado, bom, com salários acima de dez mil euros suponho que não morriam por dar uma pequena parte a quem ganha menos. Nem me parece nada do outro mundo, os jogadores de futebol descontam mais que o resto do pessoal. Agora se estamos a falar de salários milionários no público, aí existe obrigação até moral de pagar o tal imposto especial. Não concordo que os meus impostos sirvam para dar salários exorbitantes a qualquer gestor de empresas públicas. Ninguém na função pública, no meu entender, deveria ganhar mais que o PR ou o PM. Afinal de contas, eu não tenho de estar a pagar salários de 50 mil euros por mês. No entanto, se esses salários existem no público, não vejo mal algum em colocar um imposto especial nos mesmos.

    ResponderEliminar
  16. ja devia existir, mas para mim a pior questao e o que raio se faz com o dinheiro publico? esclarecimentos nem ve-los, para onde vai o nosso dinheiro?
    de nada serve aumentar impostos se o governo continua a enfiar o dinheiro dos mesmos em empresas pseudo privadas para o levar para paraisos fiscais :|

    ResponderEliminar
  17. A medida já devia ter sido aplicada há muito tempo, mas só acredito quando for posta em prática...

    ResponderEliminar
  18. Concordo com esta medida no público, tal como dizes... É vergonhoso o salário de algumas pessoas, que fazem o quê mesmo?!, mas que recebem do nosso dinheiro como 'gente grande'...

    ResponderEliminar