sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Do orçamento cá de casa

Sou fã da Rita, "The Busy Woman and the stripy cat". Hoje em dia gerir uma casa, mesmo que uma casa onde só vivam duas pessoas, exige muita ginástica financeira. Tal como a Rita, tenho tudo muito dividido.

- No início do mês, mal recebemos, pago a renda da casa, prestação do carro e as contas. Se as contas ainda não chegaram todas, guardo +/- o dinheiro que costumo pagar por mês;
- Cada um de nós tem uma mesada, digamos assim. Não acho que se deva levantar dinheiro quando se precisa ou se quer. É mais fácil se cada um de nós ficar com X e assim gerir esse dinheiro como bem entender. Assim não temos de andar a avisar "olha, levantei isto, olha, comprei aquilo";
- Estipulo um tecto para o que posso gastar por semana no supermercado. Assim, vou gerindo. Umas semanas gasto mais, isso implica que na semana seguinte tenho de gastar menos. Quando a coisa aperta, corto nas bolachas/sumos (que raramente bebemos) e coisas dispensáveis no geral;
- Depois de tudo isto não costuma sobrar muito, mas graças a Deus ainda sobra. Vai daí, do que sobra, tento sempre poupar algum, nem que sejam 30 euros. O resto é para "viver", digamos assim. Ir jantar fora, ir passear, cinema...

As coisas têm de ser bem geridas e a verdade é que há 8 meses que faço assim e há 8 meses que resulta. Por aí, como fazem?


41 comentários:

  1. Cá em casa é a mesma coisa, mas agora com a filhota andamos a cortar em imensas coisas.
    Ela está em primeiro lugar!

    ResponderEliminar
  2. Eu e o meu namorado fazemos diferente: pomos 20% do nosso ordenado para despesas da casa, contas, supermercado e decoração para a casa (quando sobra melhor!). isto prestação à parte. Com o restante 80% cada um fica com a sua fatia para fazer o que entender... Ele tem mais despesas, mas também ganha mais portanto... até agora temos vivido assim, de futuro não sei como será mas a mim fazia-me muita confusão gerir o € que ele ganha... já giro o dinheiro pra casa porque de facto sou eu que vou ao supermercado e tenho mais tempo para tratar dessas coisas. O importante é as pessoas entenderem-se e serem felizes juntas :)

    ResponderEliminar
  3. Muito complicado com três filhas todas na faculdade (embora duas trabalhem. As despesas fixas ficam logo de parte mas todos os meses surgem despesas que não contamos, farmácia, carro, alguma coisa que se avariou em casa, uns sapatos para uma, um portátil que se avariou e não teve arranjo(foi o caos) médico, sei lá todos os meses temos extraordinários. A gasolina, a água, o gás, a electricidade que aumentaram bastante, seguros,telemóveis...E cada vez é mais difícil orientar quando há pouco, é preciso fazer uma grande logística numa casa de 5pessoas.

    ResponderEliminar
  4. Parece que tens tudo muitíssimo bem organizado. Muito bem. :)

    ResponderEliminar
  5. Ui, gasto bastante. Com uma criança não é fácil mas, com bom-senso tudo se resolve. ;)

    ResponderEliminar
  6. Lady Cat, aqui em casa ninguém gere o dinheiro de ninguém. Somos um casal, partilhamos, simples assim. Ganhamos os dois a mesma coisa, mais euro menos euro. O carro está a ser pago, são mais de 200 euros por mês. OK que ele já tinha o carro quando o conheci, mas agora o carro é nosso e obviamente não fazia sentido ser só ele a pagá-lo. Vai daí, obviamente que ele não consegue meter tanto dinheiro em casa. Daí que optemos por ficar cada um com X para si e metermos o restante dinheiro nunca conta comum.

    ResponderEliminar
  7. Eu faço um orçamento anual no Excel com as despesas fixas, mais as despesas com o Visa (pago quase tudo com Visa/Mb), destino uma quantia mensal para gasolina, outra para levantamentos Mb e outra para poupança e como faço sempre uma estimativa por alto da inflação, à medida que o ano decorre e vai sobrando algum dinheiro, é transferido para o item da poupança.
    Como a folha do Excel está formatada, à medida que entram os vencimentos ou sai uma despesa, é automaticamente somado ou subtraído e assim sei sempre quanto está em cada conta (minha e dela) e o que podemos gastar em extras.
    Quanto menos dinheiro há, mais temos de fazer contas... :/

    ResponderEliminar
  8. Eu, por enquanto, não moro com o meu namorado. Mas, para o ano, se tudo correr de acordo com o previsto.. :) Portanto, ando muito interessada em recolher ideias de como os outros casais fazem. Vocês transferem a totalidade do vosso vencimento para uma conta comum, é isso?

    ResponderEliminar
  9. quando ganhar um bocadinho que seja paro xD

    ResponderEliminar
  10. Adorei aqui a descrição dos passos como faz e já fiquei sua fã :D

    ResponderEliminar
  11. Cat, eheheh. Ora bem, no nosso caso é uma coisa bem simples de fazer, porque ganhamos os dois igual e ganhamos os dois uma bela merda. Ou seja, não sobra dinheiro! Vai daí, não fazia sentido estar com o "isto é teu, isto é meu".

    O carro era originalmente só dele, agora é nosso. Visto que o carro lhe leva uma boa parte do salário, não fazia sentido pôr-me com picuinhices.

    Nós fazemos assim: quando viemos viver juntos acordamos uma verba com a qual cada um se ajeita. Ou seja, cada um fica com X - igual para ambos. Ele gasta o dinheiro dele a pagar os bilhetes do Boavista, tabaco, cafés e pouco mais. Eu gasto o meu em coisa para mim, lanches e tal.

    Depois de cada um ficar com a sua "mesada", mandamos o resto dos dois salários para uma conta comum (que eu giro). Mentira, ele fica na conta dele também com o dinheiro do carro, visto que a prestação é dessa conta. Com o restante dinheiro da conta comum, pago a casa, as contas e o supermercado. Não nos sobra muito, mas imagina que sobre 150 euros. Usamos esse dinheiro para "emergências", idas ao Porto, jantar fora, cinema, essas coisas. :)

    ResponderEliminar
  12. Eu ainda estou em casa dos pais. Mas com o meu dinheiro também é assim. Se num mês exceder aquilo que era recumendável gastar, no próximo mês, aperto-me mais! Tem que ser!

    ResponderEliminar
  13. Por aqui sou eu que giro o rendimento, tirando parque com que ele fica para viagens e portagens...e mais extras!

    ResponderEliminar
  14. Eu vivo com os meus pais, portanto ainda não passei para essa fase, mas sou poupada. Vejo-me no futuro a gerir bem (assim como tu =D) o orçamento.

    ResponderEliminar
  15. Por aqui fazemos diferente.

    Temos cada um a sua conta onde cai o ordenado de cada um.

    Depois temos uma conta comum, onde caem as contas e a prestação da casa e todas as despesas (supermercado, férias, etc e tal) da casa.

    Todos os meses transferimos cada um das nossas contas X euros para a conta comum. E é dessa conta que pagamos as nossas despesas da casa. Depois nessa mesma conta temos uma conta poupança para onde colocamos o dinheiro que nos sobra no final do mês.

    Mantemos cada um as suas contas individuais de onde compramos e gastamos o que cada um entender.

    ResponderEliminar
  16. Eu sou muito poupadinha especiamente porque tive uns pais que nunca foram de deitar dinheiro a rua e me ensinaram que quem não tem dinheiro não tem vícios.

    Portanto basicamente comigo é 20% do que ganho pras despesas fixas (gasolina, passe, telemovel, ginasio) mais 20% para aquelas despesas que acontecem (quando nao tenho tempo de fazer ocmida e lamoço fora no trabalho, produtos de higiene) e normalmente ianda dá pra jantaru ma ou outra vez fora e pra um luxo ou outro 8o deste mes foram livros lol). O resto, 50% pra poupança e 10% fica a ordem para qualquer eventualidade.

    ResponderEliminar
  17. Espiral, poupar 50% é muito bom. :D parabéns-

    ResponderEliminar
  18. eu acho que, quando for altura de dividir teto com o meu fofinho vou optar pela mesma forma da ML, mas lá está, cada um organiza como acha melhor para si.

    ResponderEliminar
  19. Aqui em casa, sou só eu e a minha filhota. Espera, esqueci-me, para gastar também tenho a Mia e a Sushi (gatas). Como só eu é que ganho, a ginástica é maior, mas a verdade é que tem dado para tudo. Despesas, lazer, felizmente, tenho conseguido ter dinheiro para tudo e ainda fazer algumas poupanças ;)

    ResponderEliminar
  20. Eu faço parecido com a lady cat. Cada um coloca na conta 70 por cento do ordenado, o resto cada um gasta como quer. Desses 70, 20 tem de la fica, poupança. Tem resultado!

    ResponderEliminar
  21. Lá em casa temos 3 contas: a minha, a do AF e a da "casa". Transferimos mensalmente para a conta da casa o valor que costumamos gastar em renda, luz, água, gás, Meo, combustíveis de viagens em comum, mercearia e afins, e o resto fica nas contas de cada um para gerirmos como bem apetecer. Temos uma outra conta onde mensalmente ambos depositamos o mesmo valor para uma viagenzinha nas férias :) Da minha conta pessoal, costumo pôr algum de parte em poupança e do que resta vou gastando, de forma muito ponderada, que sou muito forreta, ao longo do mês.

    ResponderEliminar
  22. No nosso caso, cada um tem a sua conta, que gere como bem entender. E temos uma conta conjunta, na qual depositamos, todos os meses, cerca de 50% do nosso salário e que serve para tudo o que diga respeito à gestão da casa, do carro, das féria e afins, como concertos, jantares fora, etc. Até agora funciona muito bem :D são dez anos de gestão familiar

    ResponderEliminar
  23. Eu faço parecido com a lady cat. Cada um coloca na conta 70 por cento do ordenado, o resto cada um gasta como quer. Desses 70, 20 tem de la fica, poupança. Tem resultado!

    ResponderEliminar
  24. Olha, por cá, dividem-se todas as despesas comuns, como casa, água, supermercado, etc, e depois o que sobra cada um faz o que entender. Mas acho que vou adoptar a tua ideia da "mesada". Preciso de poupar mais, que eu sou uma desgraça! Mas sendo verdadeira, como não ganho muito, acabo por gastar quase todo o meu salário a pagar contas. Depois também faço muitos km para trabalhar, tenho de almoçar muitas vezes fora (não tenho outra hipótese, devido ao trabalho que tenho)... Enfim, não estou a arranjar desculpas, mas tenho mesmo de passar a poupar mais, apesar de ser difícil.

    ResponderEliminar
  25. nunca tive que fazer uma grande gestão de dinheiro mas estou desejosa de poder começar a fazê-lo ... seria sinal de que começaria a trabalhar e a ganhar o meu dinheiro..

    ResponderEliminar
  26. Bomboca, para nó
    s a questão da mesada é quase uma necessidade. Como nos sobra pouco dinheiro, não havia forma de ser de outra maneira. Além disso, perco-me facilmente por roupa bonita... Pelo que tendo mesada é mais fácil de controlar.

    ResponderEliminar
  27. Confesso que não sou muito boa em gerir o quer que seja.

    Vivo com os meus pais, e por isso não tenho despesas em casa. Felizmente, nunca os meus pais me pediram para contribuir com o quer que seja para a casa, digo felizmente porque é sinal que se vai vivendo bemzinho.

    Tenho uma conta onde existe o "à ordem" e o "poupança": e todos os meses vão X€ para a poupança o resto é gasto em jantarinhos, cafézinhos, noitadas, gasóleo, portagens, carro, roupa, sapatos e etc...

    Contudo só existe poupança para estes lados, desde o começo deste ano, porque até aqui paguei o meu super carro, que está pago e é meu! :)

    Mas continuo a ser má gestora! -.-
    Beijinho*

    ResponderEliminar
  28. Faço diferente, mas coincido em que cada um mantém a sua conta bancária privada ;)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  29. Aqui esta a maor bagunça rsrsr

    Vou seguir suas dicas, ameii!!

    xx

    ResponderEliminar
  30. Cá em casa, o dinheiro é dos dois e cada um tem uma mesada, igual, para gastar no que quiser, mas eu é que faço toda a gestão do dinheiro.
    A primeira coisa que faço quando recebemos é tirar x para a poupança. Faço orçamentos mensais e tenho valores estipulados para supermercado e outras coisas, que tento não ultrapassar. Pago as contas mal as recebo e tento só comprar coisas que realmente preciso. Mas dou-me a alguns luxos, como almoçar sempre fora durante a semana - prefiro comer peixe grelhado todos os dias do que levar os restos do jantar para comer...

    ResponderEliminar
  31. Eu é como a ML, um x por mês na conta conjunta que serve para o avio do mês e contas correntes+casa, o carro já está, quando surge alguma coisa, um paga e fica com o talão e no próximo mês acerta-se e não nenhuma crise e gosto bastante deste sistema.

    ResponderEliminar
  32. Estou a ver que o meu caso é um pouco diferente :)
    Sou eu quem paga as despesas de alimentação, prestação da casa, empregada, propinas dos miúdos, roupas, presentes e outras coisitas.
    Ele paga o carro, tudo o que é transferência bancária: água, luz, gás, internet seguros, e as férias (hotéis, viagens de avião....)
    Não faço ideia de quanto é o ordenado dele ao certo (tenho uma ideia dos números mas ao certo não sei) e suspeito que ele tb só tem ideia do meu.
    Para além disso, poupo mensalmente 10% do ordenado e ele paga os nossos pprs e as contas poupança educação dos miúdos. Agora é só uma porque o mais velho já está na faculdade e já está a receber os 25 euros por mês durante 5 anos.
    Temo-nos dado bem assim ao longo destes 22 anos :))))
    Ana Lisa

    ResponderEliminar
  33. Eu quando estou fora de casa dos papás divido o dinheiro. Uma parte para a renda, conta e despesas fixas. Uma parte para supermercado e para o autocarro para ir a casa. E o que sobra (que nunca é muito) fica para os luxos daqui (comer fora, festas, por aí).

    ResponderEliminar
  34. por aqui estipulo tetos maximos para cada despesa e tenho categorias. se precisar de gastar com algo extra tenho de justificar bem justificado e ele igual.
    confesso q este mes nao tenho controlado nada, pq pra ver o saldo da minha conta tenho de ter uma calculadora, e se nao a tiver a mao acabo por me passar

    ResponderEliminar
  35. Olá =)

    Sim, faço uma gestão muito controlada mesmo.

    Como não tenho contrato sem termo e a qualquer momento posso ficar desempregada e já se sabe como é o subsidio de desemprego tento sempre viver apenas com metade do que ganho e tem dado.

    O mais complicado ainda é o passe (carissimo) e a gasolina que está sempre a aumentar...

    E se agora ainda for perder mais 7% do ordenado ainda tenho que ir fazer contas de onde os vou tirar =/

    ResponderEliminar
  36. Então sendo assim em caso de doença, desemprego, ou outra espécie de fatalidade não tens um plano B?

    Cá em casa neste momento estou desempregada, e a segurança social acha que o meu homem tem a obrigação de me sustentar, daí não ter direito a nada de subsídios, ora ele está efectivo é certo mas já por três vezes que ele estava efectivo nas empresas acabou por se despedir devido ao mau ambiente etc; como também existe as idas ao médico, os seguros, os arranjos no carro etc logo para mim é indispensável haver poupança pois não temos ninguém a quem recorrer em caso de não haver comida na mesa..

    ResponderEliminar
  37. Sara, o meu plano B é a pouca poupança que tenho vindo a fazer. Graças a Deus, o meu trabalho é seguro, o do namorado nem por isso.

    ResponderEliminar
  38. Alguma informação sobre orçamentos domésticos. :)

    http://www.todoscontam.pt/pt-PT/Principal/Paginas/Homepage.aspx

    ResponderEliminar
  39. Muito obrigado pelas dicas, S*. Acho que acabaremos por fazer uma coisa do género: cada um transferir para uma conta comum X para as contas de casa, contas, etc. e ficar com o resto na sua conta pessoal. **

    ResponderEliminar