quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Coisas que me revoltam

Hoje morreram duas velhotas em Vila Nova de Gaia, num infeliz incêndio. Pelos vistos as senhoras estavam ao cuidado de uma outra senhora. Pelo vistos as duas velhotas, as duas já com mais de 90 anos, estavam amarradas às camas. Não sabemos a causa, se precisavam ou não de o estar, mas isso dá o mote a este post.

Tenho conhecimento de que vários lares de idosos optam por amarrar os velhotes às camas e às cadeiras. Dizem eles que é para evitar que os velhotes caiam, tropecem, se magoem. Dizem também que alguns velhotes tentam fugir.

Digam o que disserem, acho de uma falta de respeito sem limites. As pessoas pagam - e bem! - para estarem num lar de idosos. Pagam - e bem! - para serem cuidados, bem tratados, vigiados. Amarrar alguém a uma cadeira ou a uma cama é uma maneira cruel e preguiçosa de garantir que o velhote não dá trabalho.

Ai o velhote tenta fugir? Tranquem as portas. Pode cair, sim senhora. Mas é para isso que existem as técnicas, para vigiar e garantir que nada lhes acontece. Nunca poria uma mãe minha num lar, por dois motivos. Primeiro, porque ela não quer. Segundo, porque teria sempre medo de situações como estas.


PS: Antes que me digam "há casos em que é preciso", eu sei que os há. Não me refiro a esses casos. Gente que já não está lúcida, infelizmente, por vezes precisa de ser imobilizada.

61 comentários:

  1. Também vi essa notícia. É uma falta de respeito e de tudo enorme e pelos vistos a senhora em causa não tinha nenhum tipo de autorização nem nada do género para cuidar das duas idosas.

    ResponderEliminar
  2. S,
    Por vezes julgamos estas atitudes sem sabermos... Também achava muito mal até ao dia em que percebi que era o melhor, se eles não forem amarrados vão se magoar bastante. Por mais que nos custe é para o bem deles. Claro que tem que haver sempre monitorização. Acontece não só nos lares, como nos hospitais. E as quedas a partir de uma certa idade são demasiados complicadas e não é possível ter uma pessoa para um doente. Bjnhs

    ResponderEliminar
  3. isso é uma vergonha, custa tanto pensar que essas pessoas andam a ser tratadas assim :s

    ResponderEliminar
  4. amarradas ou imobilizadas? são coisas com diferentes intenções

    ResponderEliminar
  5. Só quem passa perto de doenças mentais complicadas e assiste a pura loucura, em que em alguns casos chegam a magoarem-se a eles próprios, é que sente na pele o desespero de ver alguém que se ama nesta loucura e sermos incapazes de lidar com esta situação.Não sou capaz de julgar ninguém sem conheçer os factos e não direi jamais a situações que passam além da pura especulação.

    ResponderEliminar
  6. Sim, a mim também me revolta. E tudo bem que há lares e lares, onde não viram os acamados, onde os medicam durante a noite para não darem trabalho, onde não os lavam de cima abaixo nem nas articulações e isso resulta em complicações maiores, onde não os alimentam segundo as dietas que deviam e às vezes os privam de comer o que querem ou quanto querem etc.

    Mas também há situações que não há técnicas suficientes para o número de utentes (a culpa não é dos utentes, mas também não é delas), enfim, cada caso é um caso. Mas que isto é muito triste, isso é.

    ResponderEliminar
  7. Felizmente que ainda há meninas a pensar como tu, as minhas filhas pensam igual. Mas quando chega a altura, com o trabalho, marido e filhos e deixarem os velhotes sozinhos em casa, por vezes é a solução. Mas que tenho medo, tenho.

    ResponderEliminar
  8. Uma tristeza pegada fazerem algo assim.
    é muita coincidencia esse Fogo!
    Não quero ser inconveniente
    Mas dá para pensar
    bJS

    ResponderEliminar
  9. S* nem sempre é assim tão linear!! Se tu tiveres um velhote que está, regra geral demenciado, e que por algum motivo tem cateteres, ou algaliado e a primeira coisa que faz é imediatamente arrancar os seus cateteres, algalias e afins, muitas vezes estão amarrados para a própria segurança deles. Não é possivel estares a colocar um cateter de 5 em 5 minutos... até porque chegava a uma altura que o velhote já nem tinha acessos para lhe colocarem o que quer que fosse!
    Portanto há situações em que têm que estar amarrados à cama...

    ResponderEliminar
  10. Estou ligada à área da saúde e já o vi fazerem (amarrarem pessoas à cama), mas com vigilância. E o objectivo disso é a segurança da pessoa que nestes casos (a que assisti) normalmente está com algum "problema" mental que o faz colocar-se em risco. Normalmente são situações temporárias que se resolvem ao fim de umas horas...

    Mas também há bons lares...
    Embora concorde contigo, com tanto que vemos já ficámos sempre com a pulga atrás da orelha...

    ***

    ResponderEliminar
  11. Isto é simplesmente triste. Além de que quem conhece casos específicos deste tipo de situações deveria denunciar.

    Por acaso nunca pensei na eventualidade de os meus pais daqui a uns muitos anos precisarem de ir para um lar... Mas conhecendo-os como os conheço tenho a certeza que não o querem. E "quando for grande" quero seguir o exemplo deles, que mantiveram os meus avós por perto até não ser mais possível (devido ao estado de saúde).

    ResponderEliminar
  12. Querida S*, as pessoas pagam, não assim tão bem, tendo em conta os gastos que um utente dependente acarreta... Sou profissional da área da saúde hospitalar e peço-lhe que não fale daquilo que não conhece... Os recursos humanos não são suficientes para estar 24h ao lado de todos os utente do lar. Os profissionais dos lares fazem os possíveis para tratar da melhor forma os idosos que são depositados no lar pelas famílias que cada vez menos querem saber dos seus velhos, cada vez existe uma maior desresponsabilidade da família para com os mais velhos. Imobilizar um doente é mau? É, e custa-nos quando é a última opção para garantir a segurança do utente mas muitas vezes é a única alternativa. Ou acha razoavel um lar com 20 utente ter 20 auxiliares cada uma para acompanhar 24h o idoso? Para isso pagariam 10 vezes mais do que é pago actualmente. Porque só assim se garante que o velhinhos confusos, desorientados e agressivos não se magoam a eles próprios e aos outros e só assim se garante que não caiam e se magoem a sério. Comentários deste género só advém de quem não conhece a realidade dos nossos lares e dos nossos velhos... Eu não me intrometo no seu trabalho nem faço juízos de valor sobre ele por isso também não o faça sobre o dos outros. E Sónia, só mais uma coisa, como jornalista que é, deveria tentar averiguar os factos junto do lar para perceber o porquê da imobilização dos velhinhos e quem prescreveu a imobilização dos mesmos, sim porque existem protocolos a cumprir para imobilizar e depois sim, escreva.

    ResponderEliminar
  13. Acho que não devia generalizar os lares! Até porque uma coisa é o que pensa e outra é quem vive a realidade. Vou dar exemplos: Os pulsos podem estar presos à grade da cama articulada, para não retirarem a sonda nasogástrica; Idosos que passsam muito tempo deitados, para não terem problemas respiratórios, devem ser colocados em cadeirões e colocado um lençol na cintura para não cairem...Espero ter ajudado!Rita

    ResponderEliminar
  14. quero acreditar que isto não acontece com a minha avó!

    ResponderEliminar
  15. Minha gente, há que saber distinguir as situações. Uma coisa é imobilizar os velhotes porque estão dementes, porque estão doentes, tentam fugir, isto ou aquilo. ÓBVIO que nessas situações se entende.

    Outra coisa é imobilizar pessoas porque dão trabalho. Conheço casos desses. E isso acho nojento.

    ResponderEliminar
  16. Maria Pitufa, com pessoas dementes a coisa muda completamente de figura. :)

    Anónima das 16:11, pois eu conheço o caso de um senhor lúcido, sem doenças, que era amarrado a uma cadeira todo o dia. A filha não dera autorização para tal. Que me diz a esta? É que uma coisa é imobilizar velhotes para garantir o bem-estar dos mesmos, outra coisa é amarrá-los porque é mais simples assim. Você tem a experiência de quem trabalha na área, eu tenho o conhecimento de que há pessoas que são amarradas para não darem chatice.

    ResponderEliminar
  17. Rita das 16:12, isso são histórias completamente, completamente diferentes. Em casos desses, claro que o melhor é imobilizar o velhote.

    ResponderEliminar
  18. A minha avó esteve acamada cerca de 13 anos. Não reconhecia ninguém, não falava, nem sequer pedia para comer e beber. Todos os dias as filhas (só teve filhas) faziam "turnos" para tratar dela: pequeno-almoço, almoço, jantar, lanches... dar banho, mudar fraldas, tudo...
    Felizmente puderam fazer isso porque trabalhavam no campo por conta própria, ou já estavam reformadas. (quando a minha mãe deixou de poder fazer isso, o meu pai assumiu a tarefa, como se tratasse da própria mãe)
    Lembro-me de quando ela se mexia na cama, e ficava em risco de cair.
    Para não terem de a amarrar apertavam um pouco os lençóis e prendiam (para não usar amarras de mãos) aos lados da cama, por baixo do colchão.

    Em 13 anos nunca houve feridas de imobilização.
    Isto só foi possível pela dedicação e disponibilidade total das filhas (e do meu pai). Nem todas as famílias o podem fazer. Eu não o vou poder fazer pelos meus pais da mesma forma.

    Mas levo este exemplo comigo, para sempre.

    A minha avó teve um fim de vida muito difícil, foram 13 anos "não vividos", mas foi muito amada.

    Era bom que todos os idosos fossem tratados assim, como merecem.

    ResponderEliminar
  19. sou de VNG e estou a descobrir isto agora, estou estupefacta. concordo em tudo com o que disseste, e ainda estou de boca aberta por saber que isto aconteceu mesmo...

    ResponderEliminar
  20. Cat, obrigada pelo testemunho. Deveria ser mesmo sempre assim. Infelizmente todos sabemos que a vida de hoje em dia é complexa e quase ninguém se pode dar ao "luxo" de ficar em casa. Por isso, apesar de eu não querer isso para a minha mãe, entendo perfeitamente a existência dos lares. Só gostava era de ter a certeza que os velhotes ficam bem tratados. Infelizmente, conheço alguns casos que me mostram o oposto e isso assusta-me.

    Guarda sempre esse exemplo, é valioso.

    ResponderEliminar
  21. Só uma pergunta: que tencionas fazer à tua mãe quando ela já não puder fazer a vida dela sozinha e tu tiveres que sair de casa todos os dias para trabalhar, porque se não trabalhares não tens dinheiro pra viver? S*, infelizmente, da forma desumana como a sociedade está actualmente organizada, os lares são um mal necessário. Não são todos bons, muito menos perfeitos? É verdade. Mas não generalizes.

    ResponderEliminar
  22. nêta, o que pretendo fazer à minha mãe? Cuidar dela, como ela sempre cuidou de mim. Em vez de se pagar um lar, paga-se a alguém para ficar a olhar por ela enquanto trabalhamos.

    nêta, quanto às generalizações, aconselho-te a ler o PS.

    ResponderEliminar
  23. Vêm sempre para aqui os moralistas dizer que nos lares toda a gente trata bem, até ao dia em que são filmados a bater nos velhotes. Choca-me mais que batam em velhotes do que em criança, quando a maioria destes velhotes tem noção e discernimento. A maioria deles apanhada calada por vergonha de contar à família. Levam, passam fome, são sentados mijados amarrados às cadeiras. Se isto é a regra? Duvido, acho que é a excepção, mas que acontece acontece e não me venham dizer que não acontece porque acontece sim, é um facto que há muita gente de merda a tratar de outras pessoas. A partir do momento em que tive um namorado institucionalizado num sítio onde violavam as senhoras deficientes mentais, e eram os "técnicos" a fazê-lo, nada me espanta.

    ResponderEliminar
  24. a minha mãe também sempre me pediu para nunca a colocar num lar de idosos... aos 45 anos ainda está longe disso, mas garanto-lhe com tudo o que sou que nunca vou fazer isso com ela... infelizmente é tão raro ouvir boas historias de lar de idosos e de pessoas que se dedicam a "cuidar" deles...

    ResponderEliminar
  25. Choca-me mais que batam em velhotes do que em criança, quando a maioria destes velhotes tem noção e discernimento. ?????? as crianças não têm discernimento?

    ResponderEliminar
  26. Não vi esta noticia,mas revolta-me de uma maneira...

    ResponderEliminar
  27. Mas infelizmente, muitas vezes dizer "nunca na vida punha os meus pais/avós/o que seja num lar" não é uma opção.
    Eu vejo pelos meus avós, também não gostava que eles tivesse de ir para um, mas de dia para dia estão mais fracos, mais dependentes, com mais dificuldades. No dia em que não conseguirem estar sozinhos vai ter de ser esse o destino deles. Hoje em dia muito pouca gente tem capacidades profissionais ou financeiras, e mesmo emocionais, para largar a vida e cuidar de uma pessoa.
    É muito bonito dizer que nunca se vai por os familiares num lar, eu também gostava de o poder afirmar, mas quando a situação se põe, o lar é a única opção. É escolher o melhor que se pode e esperar que tenham o melhor tratamento possível.

    ResponderEliminar
  28. Anónimo, vá, leia lá melhor e não mude as palavras do sítio.

    ResponderEliminar
  29. Catarina, bom, no meu caso somos três irmãos, acho que havemos de arranjar uma maneira. Já disse e repito: não sou contra os lares, apesar de eu não os querer para a minha família. Sou sim contra os lares onde os velhotes são despejados, sem que a família se digne a ver se ficam bem ou se são maltratados.

    ResponderEliminar
  30. S*, as coisas não são assim tão simples. Há idosos que tiveram AVCs e mesmo lúcidos necessitam de estarem amarrados (com um lençol no tronco) às cadeiras, senão escorregam para o chão. Há ainda as pessoas com variadas demências. Há ainda pessoas com síndromes confusionais que se podem tornar agressivas.

    É claro que o mais provável é que este caso seja um crime, e grave. Mas nos hospitais eu farto-me de ver pessoas amarradas, e também vejo pessoas que são mal contidas e vejo o dano que isso lhes provoca.

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  31. Joana, eu achei que o PS tinha ficado bem esclarecedor, mas repito: o que me chocam são os casos em que amarram as pessoas para que elas não dêem trabalho. O resto, o resto é um mal necessário.

    Mas pronto, eu conto uma história, que é o tipo de história que me revolta e sobre a qual escrevi este post. Uma amiga da minha mãe meteu o pai num lar. Um dia foi visitá-lo de surpresa e encontrou-o todo pisado na cara. Ups, caiu. A mulher fazia questão de ter o pai bem vestido, mas as calças dele começaram todas a desaparecer. Oh, não sabemos como... mas olhe, compre-lhe antes calças de fato de treino (mais fáceis de vestir e despir). Um dia, encontrou-o amarrado. O pai dela, lúcido, sem doenças de maior, amarrado só porque sim. Diziam que ele começara a cair... Assim, foi um ar que se lhe deu.

    ResponderEliminar
  32. Fiquei chocada!
    Só soube isto agora por ti :s

    ResponderEliminar
  33. Pois, essa amiga da sua mãe é uma das que foi despejar o pai num lar!
    Quem é que visita o pai num lar de surpresa? não tinha o hábito de o visitar todos os dias ou pelo menos regularmente? Se tivesse provavelmente saberia que o pai, como todas as pessoas, com a idade começam a perder as suas faculdades, e daí muitas vezes ter de se imobilizar, ora...

    ResponderEliminar
  34. Muito honestamente não acho que exista algum tipo de motivo válido para se amarrarem idosos às camas. O tipo de argumentos de "eles podem fugir" ou"podem cair" tal como tu referiste e bem é para isso que existem as técnicas. Claramente que se é necessário eles serem amarrados à cama é porque existem graves défices no sistema do lar. ENFIM

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero que a senhora nunca venha a ter um familiar que após um infarte, um AVC ou mesmo a própria idade não fique demente e aí você fica a perceber. O que é chegar ao quarto e ver uma fralda atirada com fezes para uma parede, ou encontrar los no chão. Ou tentarem fugir porque veem uma porta aberta. Falam do que não sabem.

      Eliminar
  35. Anónima das 20:12, deixa de ser venenosa e de escrever disparates sem sentido. A mulher visitava o pai todos os dias, à tarde, naquele dia foi ao meio-dia... txaran, surpresa. E não, o senhor não tinha perdido faculdade nenhuma.

    ResponderEliminar
  36. 'deixa de ser venenosa'
    Opa... E tu?

    ResponderEliminar
  37. Eu sou boa pessoa e não perder mais tempo com a tua imbecilidade. See you later.

    ResponderEliminar
  38. "Ai o velhote tenta fugir? Tranquem as portas. Pode cair, sim senhora. Mas é para isso que existem as técnicas, para vigiar e garantir que nada lhes acontece."

    S* desculpa, mas não concordo contigo. É impossível estar uma só funcionária a vigiar a mesma pessoa 24 horas por dia. Não existem pessoas suficientes em lar nenhum, independentemente do que se paga.

    E podem existir idosos muito orientados durante o dia e que à noite ficam completamente desorientados. Nesse caso, não os imobilizar (e não amarrar, como dizes!) é que é uma falta de respeito.

    Acredito que possam haver muitos lares de idosos menos bons, mas há muitos mais que são espectaculares e que estão cheios de pessoas com formação e que sabem o que estão a fazer e porque o fazem.

    ResponderEliminar
  39. Já tinha lido a notícia e também fiquei chocada. Infelizmente é uma realidade mais recorrente do que julgamos...

    ResponderEliminar
  40. Taditos,tenho muita pena dos velhinhos....é uma merda envelhecer,é o que é!!

    ResponderEliminar
  41. Rita, ai Rita, eu acho que as pessoas por vezes não querem entender. :/ Sem ofensa, mas o meu "PS" esclarece bem que não me refiro a casos em que é necessário imobilizar as pessoas. Bem sei que em alguns casos imobilizar o velhote é um favor que lhe fazemos... não me refiro a esses casos. :)

    ResponderEliminar
  42. Eu estava a ouvir o senhor a falar e às tantas percebi que ele já nem sabia onde havia de se meter... Esta história cheira a esturro.

    ResponderEliminar
  43. infelizmente ser velho neste pais e mto triste, e acima de tudo quando nao se tem o controlo das nossas possibilidades e os pobres idosos sao tao mal tratados pq muitas vezes quem cuida deles perde a paciencia. triste....

    ResponderEliminar
  44. acho que já está tudo dito, há casos em que tem mesmo de ser e quem lida com casos destes com regularidade sabe disso. mas claro, que há situações que são desumanas. mas isso é como tudo, não é só com idosos. lembras-te daquele infantário em que dopavam as crianças? enfim...

    ResponderEliminar
  45. Sabe S, é ainda muito jovem para fazer afirmações assim tão acertivas. Espere uns anos e depois volte a fazer afirmações dessas. Aí sim, vou acreditar. Mas a verdade é que, dizer aos 20 e poucos anos e quando os pais têm em média 40 ou 50 e ainda estão na flor da idade, que jamais os colocarão num lar, é fácil, pois tudo está muito projetado no futuro. Quando tiver você mesma 50, tiver filhos, um trabalho, que não pode dispensar, uma vez que depende dele para subsistir, não só a S mas os seus filhos, diga-me como vai fazer para tratar da sua mãe, velhinha e a precisar de apoio constante ( e não deixá-la em casa, sózinha, até conseguir chegar a casa). Nessa altura falaríamos, se eu ainda estivesse por aqui. Eu sei e espero que o meu filho procure um bom lar para eu acabar os meus dias e por dois motivos: porque eu sei que ele não puderá deixar de trabalhar para cuidar de mim; e porque não sou egoísta para exigir isso dele. Quero sim que vigie o que fazem comigo e que se certifique que escolheu o melhor lar para mim (que os há). Como pode já ter percebido, já estou numa fase da vida em que penso nisso e, sei que comparar com o que se passou com os meus avòs ou os seus, apesar de muito mais nova que eu, não faz nenhum sentido. Há 30, 40 anos quantas mulheres trabalhavam fora de casa? E se trabalhavam , quantas o deixavam de fazer, logo que casavam, para criar os filhos? Quantas crianças frequentavam os infantários, em lugar de serem criadas pelas mães ou mesmo pelas avós? E hoje ? Quantas avós (e já não falo das mães) tomam conta dos netos? Como vê, não se pode ver as coisas da mesma forma em tempos diferentes e com necessidades de vida diferentes

    ResponderEliminar
  46. Só o conceito de deixar os velhotes em lares me traz arrepios...não sei o que farei amanhã, mas não quero deixar os meus pais a ninguém!

    ResponderEliminar
  47. Muitas vezes os lares são a opção que os filhos têm. Não existe outra alternativa para muitas pessoas.Eu vou ser um desses casos (filha única,pais divorciados acho que explica).
    Mas nenhum lar garante vigilância 24 horas sobre 24 horas.E não é só em lares que existem pessoas amarradas.
    Outro sitio onde existem e eu já vi são os hospitais psiquiátricos.Lá encontram-se doentes amarrados, ou porque tentaram matar-se ou agredir alguém, ou podem fazê-lo.

    ResponderEliminar
  48. Sabes S, eu entendo perfeitamente o que dizes porque a mim isto é o meu grande calcanhar de aquiles. Eu sou Dietista, e os nossos idosos com alguma idade e já num estado de convalescência/cuidados continuados, muitas vezes fazem coisas como, retirar a mascara de oxigenio da cara, retirar as sondas nasogastricas pelas quais eles se alimentam e fazem feridas a eles mesmo, e depois é que vem essas justificações.
    Eu sinceramente, desde que trabalho na àrea, e tnedo uma pessoa na familia que tem os seus 93 anos e temos de amarar as maos, é mesmo por causa disso. E acredita que vou muito contra mim, porque não gosto. Mas saber que aquilo é uma medida de segurança para permitir que tenha as condiçoes de alimentaçao e oxigenios asseguradas, deixa-me mais confortada...
    Mas entendo perfeitamente isso que dizes, e no fundo tbem sintque é falta de respeito...:\

    Nao posso deixar de comentar o quanto ridiculo é esse perconceito de "despejar os pais nos lares". É assim, cuidar de um idoso requer muito trabalho. Muita atençao. é preferivel ter pessoas QUALIFICADAS a cuidar do idoso, do que nós que podemos só fazer treta. A verdade é que a imagem que passa cá para fora é esse abandono, mas na realidade, mais de 50% dos casos, a dor de um filho deixar o pai ou mãe no lar, é de partir o coração...

    ResponderEliminar
  49. Anónima das 3:31, atenção que eu não disse que sou contra os lares. Não gostaria que a minha mãe fosse para um, mas entendo perfeitamente que são necessários. Sou é contra os lares que tratam os velhotes como "mais um". A mim aflige-me-

    ResponderEliminar
  50. Fernanda, não sou eu que sou muito nova, acredite. Tenho três pessoas que amo daqui até à lua e que provavelmente vão precisar de apoio: a minha mãe e os meus tios.

    Os meus tios, sem dizerem a ninguém, começaram há uns tempos a pagar um dinheiro qualquer para, quando precisarem, irem para a Misericórdia cá do sítio. Fiquei chocada, admito. No entanto, a minha tia já trabalhou no local e tem óptimas referências. Além disso, a Misericórdia deixa os seus velhotes sair quando querem, é no centro da cidade, dá boas condições. Não imaginava que quisessem ir para lá, mas respeito.

    No que toca à minha mãe, que já vai na casa dos cinquenta, ela recusa ir para um lar. Diz que não quer. Somos três filhos, um de nós poderá certamente tê-la em casa... e com o dinheiro dos três arranjaremos uma senhora para ficar a cuidar dela, em casa, enquanto os outros trabalham. Parece-me simples. No caso de filhos únicos é tramado, no nosso caso não.

    ResponderEliminar
  51. S, mas mesmo pagando a alguem nunca vais ter ceretza absoluta...
    Isto é um daqueles assuntos que me atormenta. Sou filha unica e sei que os meus pais tem condições financeiras para fazerem o que quiserem. O meu pai ninguem lhe fale em ficar em casa sozinho, diz que vai para o lar, que é isso que quer. A minha mãe não diz, que não me quer pôr peso nos ombros, mas sei que não quer. E faço o quê? Contrato uma enfermeira? Só uma? E quem controla o trabalho dela? Isto é muito complicado e prefiro nem pensar muito no assunto. Que tenham muitos anos de vida com saúde, depois logo se verá.

    Quanto ao caso, ao qe parece as senhoras eram bem tratadas. Estavam imobilizadas por segurança. a minha avó também esteve, porque arrancava tudo e já não tinha veias...enfim

    ResponderEliminar
  52. A mim tb me revolta, e às vezes desconfio se os velhotes serão bem tratados em todos os lares!

    ResponderEliminar
  53. nao é assim tao linear, a minha tia-velha estava amarada àcama porque tirava os cateteres os fios e tentava sempre fugir, a cama do hospital era e continua a ser alta e ela ciu até que a amarraram.
    em casa eu nao a amarrava mas estava sempre atenta ao minimo ruído e quase nao saia do pé dela , ito sou eu que estou reformada mas quem tem d trabalhar e quem tem muitos idosos a seu cuidado lá tem de se desenvencilhar. eu nao aprovo estarem amarrados tanto que desamarrava quando chegava ao hospital , mas se ela caísse por estar sempre a fugir de quem era a culpa?
    Até em caa ela magoou a cabeça e lá tive de justificar a razao do golpe, sabes pq ue custa? saber que nesses serviços juçgam logo ao ver um hematona que nós , que cuidamos dos velhotes lhes batemos , é logo a ideia que fazem além de fazerem perguntas a eles.
    por isso te digo que não é tao linear
    kis :=(

    ResponderEliminar
  54. Em, 1º lugar: DASSE! Eu acredito que haja quem se dê ao trabalho de distorcer os post dos autores de vários blogs só para apimentar o texto! Apre! Não consegui ler os comentários todos, porque a burrice enerva-me um bocadinho. Não sei se é de mim, mas em lado nenhum no post se criticam os lares, a sua existência ou quem a eles recorre. Nem se critica que se tomem medidas drásticas como amarrar os idosos "nos casos em que é preciso". Então, se é preciso... Tudo dito.

    Em 2º lugar, parece que pelo menos uma das senhoras era esquizofrénica e tinha Alzheimer. Talvez este fosse um dos tais casos. Aqueles em que é preciso. Ou vai daí e essa era uma boa desculpa. Não se sabe, em concreto não dá para discutir o caso, mas em abstracto sim. E é possível discutir medidas desumanas de tratamento de idosos e doentes, ainda que haja circunstâncias excepcionais.

    ResponderEliminar
  55. Mel, olha, belo resumo. Excelente. ;)

    ResponderEliminar
  56. Não vi essa notícia mas sou da tua opinião... :S

    ResponderEliminar
  57. Essa questão do amarrar tem muito que se lhe diga, mas é impossível vigiar um doente que sofra de demência (alzheimer ou outra) 24 horas sobre 24 horas sete dias por semana.É impossível e há que ver isto do ponto de vista do cuidador, seja em local for.Imaginem o que é passarem um dia inteiro com uma pessoa demente, que quer fazer o que não pode e quem cuida diz que não pode fazer assim, assado, cozido frito e grelhado.O doente não aceita.O facto de ser "amarrar" é uma medida preventiva, para salvaguardar o bem estar do doente.E assim como amarram dão medicação para eles "dormirem".Se existem sitios em que estas coisas são mal feitas?Existem, é um facto, mas não vamos pôr tudo no mesmo saco. E ser cuidador de um doente destes não é fácil, é das piores coisas que existem, porque os próprios cuidadores ficam desgastados.

    ResponderEliminar