terça-feira, 28 de agosto de 2012

Das vidas demasiado fáceis

Admito. Tem dias em que sinto inveja daquelas pessoas que têm vidas demasiado fáceis. Pessoas que não têm de contar os tostões, pois sabem ter a conta bancária recheada. Pessoas que não têm de se preocupar com questões monetárias e que se podem dar ao luxo de jantar fora e ir ao cinema sempre que querem. Sinto alguma comichão quando converso com pessoas que viajam imenso, que já conhecem meio mundo e que vão conhecer o outro meio em breve. É incómodo ficar a olhar para o sucesso alheio, a nível laboral, e perceber que nem sequer tiveram de se esforçar para o conseguir.

Por outro lado, é tão melhor assim. Gosto de ter de lutar pelos meus objectivos, de subir etapas e derrubar barreiras. Nessas alturas, sinto alguma pena de quem tem a vida facilitada... provavelmente nunca conhecerá o verdadeiro sabor do sucesso. E é claro que só me refiro a quem viu o sucesso cair-lhe no colo... Pelos que se esforçam e conseguem chegar longe sinto outra coisa bem diferente: orgulho.

49 comentários:

  1. Quero lá saber do sabor do sucesso. Queria era ter a conta bancária a abarrotar e poder passear até me fartar. eheh
    O sabor do sucesso, por vezes é muito amargo...

    ResponderEliminar
  2. eu vivo rodeada por pessoas (boas pessoas, diga-se) que têm isso tudo. Aos 20 anos já têm carro, casa paga pelos pais (na cidade onde estudam) etc ... Também gostava mas não é para todos, é só para quem pode e, por isso mesmo, lá vou eu diariamente lutando para um dia ter também isso tudo mas apenas com o meu esforço e mérito

    ResponderEliminar
  3. Como eu te compreendo. Também gostava de ter uma vida mais desafogada. Mas resta-me sonhar com o EuroMilhões. Pode ser que um dia acerte nos números mágicos. bjs

    ResponderEliminar
  4. Eu não tenho pena, fico-me mesmo só pela inveja.

    ResponderEliminar
  5. Honestly? Gostava de ter mais uns trocos :/
    Comprava livros e gadgets e mais livros e a tese ahah

    ResponderEliminar
  6. Eu sou uma optimista, mas tenho quase a plena certeza que nunca vou sair da cepa torta, olhando para o mercado de trabalho, as empresas, o código de trabalho, a puta da crise... não, eu nunca hei de ter uma conta bancária tão recheada que não me preocupo com nada...

    grrrrrrrrrrrrrrrrrrr

    Devia ter estudado engenharia!

    Mas agora é um bocado tarde... =/

    ResponderEliminar
  7. S*, suponho que estejas a excluir propositadamente aquelas pessoas que têm vidas facilitadas (não contam os tostões, viajam sempre que podem, etc) mas que trabalham verdadeiramente para isso. :)

    ResponderEliminar
  8. Acho que a maior parte das pessoas que tem sucesso e dinheiro o tem porque trilhou o seu próprio caminho até aí, com o seu próprio esforço e com as suas próprias capacidades. Haverá quem não, claro que haverá. O problema é que nem toda a gente, arrisco a dizer pouco gente, tem a capacidade e a inteligência para trilhar um caminho com esse nível de sucesso.

    ResponderEliminar
  9. Eu percebo, e infelizmente sou uma pessoa que tudo o que tem foi conquistado a ferros, e estou numa empresa onde só entram essas pessoas de que falas, e eu, que tive de me esforçar tanto na vida para lá estar e faço pela minha vida, pago o meu carro e casa com sacrifício, vejo as pessoas que lá chegaram tranquilamente, que moram em T5's e conduzem bmw's.
    É a vida. As coisas são como são.
    Mas entendo bem esse sentimento, oh se entendo.

    ResponderEliminar
  10. Quando as coisas são fáceis, nem dá gosto lutar por elas.

    ResponderEliminar
  11. Oh gente, isso nem se pergunta. Refiro- me às pessoas que viram o sucesso ser-lhes entregue num bandeja. Pelos que se esforçam e conseguem chegar longe só sinto orgulho e dá-me vontade de lhes dar os Parabéns.

    ResponderEliminar
  12. Não percebo...
    "Gosto de ter de lutar pelos meus objectivos, de subir etapas e derrubar barreiras. Nessas alturas, sinto alguma pena de quem tem a vida facilitada... provavelmente nunca conhecerá o verdadeiro sabor do sucesso."
    Quem te disse que essas pessoas de que falas no primeiro parágrafo, têm a vida que têm porque, precisamente, lutam pelos seus objectivos, sobem etapas e derrubam barreiras??

    ResponderEliminar
  13. Pois eu confesso que não me importava nem um pouco de ter tido tudo de bandeja.
    O orgulho que tenho em mim e no meu sucesso não enche a barriga e muito menos paga despesas de saúde.

    ResponderEliminar
  14. Pois, eu também sinto essa inveja. Dizem que o dinheiro não traz felicidade, mas sinceramente não me parece que isso seja totalmente verdade. E também gostava bem de ter um emprego na minha área, e uma casa, e carta e carro... e tanta coisa mais!

    Paula

    ResponderEliminar
  15. hoje em dia acho que isso não é assim tão fácil. há gente muito rica e com grandes vidas, sim, mas muitas delas são esforços de uma vida... eu cá sou pouco invejosa nesse tipo de coisas, quero é a minha vidinha, a dos outros i don't care ;p

    ResponderEliminar
  16. Concordo :) O melhor mesmo é o equilibrio, mas quando conseguimos alguma coisa por nós, sabe bem melhor :D *

    ResponderEliminar
  17. nem 8 nem 80 .. não queria ter tudo de mão beijada, mas também acho que às vezes as coisas me podiam ser facilitadas. Era o meio termo ;)

    ResponderEliminar
  18. Vá Mariana, faça um esforcinho e leia as últimas linhas de novo... Assim não faz perguntas descabidas.

    ResponderEliminar
  19. Sou filha única de pais com algumas possibilidades que nunca me facilitaram a vida em nada, em termos monetários para eu saber o que custava. O primeiro carro paguei-o eu, todinho, e às vezes para pagar a prestação não tinha dinheiro para gasolina. Ainda hoje o tenho e è o meu orgulho! Tudo o que consegui foi à minha custa e quase nunca consegui o que quer que fosse à primeira ou sem obstáculos...gostava de ter mais uns trocos, gostava...mas tudo o que eu quero é viver como vivo agora!

    ResponderEliminar
  20. A sensação de conquista é tão mas tão boa!

    ResponderEliminar
  21. é bem melhor sentir o quanto as coisas foram difíceis!

    ResponderEliminar
  22. Gostava de ter uma ajuda financeira de vez em quando... mas gosto de saborear com prazer as minhas conquistas quer seja uma viagem ou outro coisa, mas fui eu que lutei para a ter...

    As coisas faceis não dão pica...
    Bjstos

    ResponderEliminar
  23. O problema é que nós raramente conseguimos ter acesso ao que se passa realmente na vida dos outros, pelo que muitas vezes temos inveja e nem sabemos do quê, que há vidas rodeadas por dinheiro e luxo aparente que são uma verdadeira miséria (e não falo economicamente, claro). Apesar de compreender o teu ponto de vista e de até me identificar com ele, acho que a maior parte das pessoas tende a ter inveja do que não conhece porque é mais fácil admitir que os outros tem o que tem porque lhes foi dado, é uma forma de justificar as nossas derrotas.

    ResponderEliminar
  24. Isso é muitas vezes uma ilusão.
    Já conheci muita gente com IMENSO dinheiro e profundamente infeliz. Sem objectivos, sem precisar de lutar, sem preocupações, com a cabeça livre para parvoices.
    Não resulta muito bem.
    Mas preferia não estar a passar agora esta fase tão difícil. Isso preferia...
    http://vidademulheraos40.blogspot.com

    ResponderEliminar
  25. Eu sinto isso por algumas colegas minhas de escola..Tudo de mao beijada..

    ResponderEliminar
  26. A gente só não pensa em dinheiro quando o tem, não é? :) Mas olha que há quem tenha sucesso porque fez por isso! A vida não é fácil para ninguém.

    ResponderEliminar
  27. Eu cá não me chateava nada de ter a conta bem recheada. Fuck the proud! lol.

    ResponderEliminar
  28. Partilho da tua opinião, mas adorava ter a conta um bocadinho mais recheada é bem verdade que iria ajudar bem mais a minha pessoa.

    ResponderEliminar
  29. Eu incluo-me no grupo das pessoas que tiveram que se esforçar muito para chegar a uma posição confortável, mas também tive alguma sorte pelo caminho!

    É com grande orgulho que me lembro do caminho que percorri e do esforço que os meus pais tiveram que fazer para eu poder estudar. Não foi fácil, para nenhum de nós, mas valeu tanto a pena, hoje tenho a vida que sempre desejei ter.

    É uma pena que o sucesso não se faça apenas de trabalho e esforço e é triste ver tantos jovens, com percursos semelhantes ao meu,que não conseguem trabalhar.

    ResponderEliminar
  30. Sinto as coisas da mesma forma que tu: custa ver os outros com tudo de mão beijada, claro, mas ninguém me tira o gosto de ter tudo por mim mesma! E é dos maiores gostos que tenho!

    :*

    ResponderEliminar
  31. Eu aqui tenho casos assim: colegas que entraram por cunha e ganham muito bem fazendo pouquissimo e outros, como eu, que entraram por concurso e estão lixados...trabalho muito, salário pouco e sucesso nenhum.

    ResponderEliminar
  32. Eu também tenho inveja dessas pessoas. Sempre que vou a um casamento, por exemplo, e sei que os noivos receberam a festa de casamento, a casa e o carro de mão beijada, dos pais, pergunto-me se eles sabem a sorte que têm...Se sabem que há quem lute uma vida inteira para ter aquilo que lhes caiu no colo, sem sequer chegar ao fim do mês com o suficiente para um pequeno mimo pelo esforço... :(

    ResponderEliminar
  33. De facto é inevitável não pensarmos um bocadinho assim de vez em quando. Mas o tal outro lado acaba por ser bem mais compensador :)

    ResponderEliminar
  34. Entendo perfeitamente esse sentimento, mas tens razão, vale mais o orgulho de saber que fomos vencendo barreiras e alcançando o nosso sucesso.

    :-)

    http://viradadoavesso-katie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  35. A última coisa que as pessoas que têm contas recheadas se devem preocupar é de não conhecer o sabor do sucesso. Eu também gosto de conquistar as minhas coisas mas, querida, se ganhasse o Euromilhões não me queixava nada :P

    ResponderEliminar
  36. Estou inteiramente de acordo. É que as pessoas que têm tudo de mão beijada nem sequer dão valor e é isso que mais me irrita. Acho o mundo injusto, uns com tanto e outros com tão pouco. Fico feliz por no meio desta injustiça ser das que estão no meio ;)

    ResponderEliminar
  37. Cat, ahahah. Oh pah, tenho de admitir o mesmo!

    ResponderEliminar
  38. Pegando num comentário ali em cima "e sei que os noivos receberam a festa de casamento, a casa e o carro de mão beijada, dos pais, pergunto-me se eles sabem a sorte que têm...Se sabem que há quem lute uma vida inteira para ter aquilo que lhes caiu no colo", depende muito das pessoas. Eu falo por mim, felizmente tenho uns pais que me podem dar tudo e mais alguma coisa, mas eu faço a minha parte também. Honro o dinheiro deles e não deixo de fazer por mim, porque sei que um dia vou querer a minha inependencia e ter uma vida igualmente desafogada como agora mas por mérito meu. É questão de valores e educação, sempre me deram tudo mas sempre com um senão atrás, a troca sempre foi sucesso escolar e muito esforço profissional.
    Quanto a ti, tenho a certeza que um dia vais ter muito sucesso e uma vida mais leve em termos de preocupação financeira. Quem luta sempre alcança, ninguém me tira isso da cabeça. E tu mereces :)

    ResponderEliminar
  39. mary, e tu és uma menina lutadora, que trabalha e estuda... não tens as coisas de mão beijada. Tiveste a sorte de ter uns pais com uma conta bancária jeitosa, mas és uma rapariga que luta pelo que quer... isso vê-se perfeitamente no teu blogue. Por isso, de ti só posso sentir uma coisa: orgulho... vá, e um bocadinho de inveja, mas daquela boa, que me faz ver-te como um exemplo a seguir.

    ResponderEliminar
  40. Eu tenho a sorte de não me preocupar com dinheiro e agradeço diariamente por isso. Dou muito valor ao que tenho. mas sinto perfeitamente a inveja por parte de amigos, ao ponto de nunca contar nada sobre a minha vida: viagens, compras, saídas, etc. Nem à minha irmã. Nota-se logo a diferença nas pessoas, que esse é um tema que não querem ouvir. E lá fico eu a ouvir os outros falarem das suas compras, passeios, etc. mais modestos, ´certo, mas ouço. Já o contrário não acontece.

    ResponderEliminar
  41. eu não conto os tostões, não tenho preocupações, viajo sempre que posso e tenho carro "novo" há 4 anos.

    mas...

    não tenho, nem nunca tive a vida facilitada, nem tacho, nem a conta recheada.

    não conto os tostões porque não quero! não tenho preocupações porque não vale a pena! a conta é mesmo para ir a zeros ao fim do mês! e não consigo imaginar a coisa de outra forma...

    só se vive uma vez e o guito todo que se faz com muito cansaço e muita dor de cabeça, para quem não saiba, É PARA TORRAR! não fica cá a fazer nada.

    agora o que há é pessoal que não se sabe divertir com o que tem e com o que consegue, e generaliza dizendo à boca cheira que toda a gente tem grandes vidas e vive de tachos. pá que os há, há... mas não é TODA a gente. há, como alguns já disseram, quem mereça a boa vida que tem!

    "work hard, play hard" mais nada!

    ResponderEliminar
  42. nuno, concordo com tudo isso, mas hoje em dia é fundamental ter um pé-de-meia. Nunca se sabe o dia seguinte.

    ResponderEliminar
  43. epá.. sinceramente confio nas minhas capacidades de adaptação e aprendizagem, e nunca tive medo de trabalhar, seja onde e em que ramo for.

    acho que não quero viver amedrontado com que não sei...

    ResponderEliminar
  44. Percebo o que queres dizer em relação ao orgulho e mérito próprio. Achei isso tudo fantástico até ter entrado para o mercado de trabalho e ter percebido que nada disto tem a ver com derrubar barreiras e subir etapas e lutar por objectivos, porque apesar de tudo da maneira que isto está podemos esforçar-nos a vida inteira e não conseguir nada.

    Sei que soa demasiado pessimista mas a meu ver grande parte do nosso sucesso já não depende exclusivamente de nós (digo para chegar a essas vidas demasiado fáceis).

    ResponderEliminar
  45. dinheiro so e um problema quando falta. quando ha dinheiro tambem ha outros problemas.

    Eu tenho 29 anos, trabalho e vivo em NY e ganho uma fortuna por mes. Ate pode parecer facil para quem ve de fora, mas tive que abdicar de TANTA coisa para chegar aqui... Amigos e namorados foram ficando para tras porque a carreira era a minha prioridade e ja vivi em Londres e em Hong Kong e eles ficaram para tras (ou eu nao consegui ficar la). ODEIO o meu trabalho, e penso em deixa-lo, mas nao saberia que mais fazer. Tambem agora ja vi o mundo e nao consigo abdicar de fazer viagens e ter que comecar a contar os tostoes(podia viver anos sem ganhar com as minhas poupancas, mas nao para sempre).

    Vejo muitas vezes pessoas que tem uma vida simples como a tua parece ser, que nao sao muito ambiciosas, que nao querem viajar e sao felizes a fazer uma vida de casa-trabalho-casa e contar os tostoes para chegar ao fim do mes e penso "que vidinha santa!". Ignorance is bliss. Eu acredito que sejas mesmo feliz, mas mesmo assim tens problemas que eu nao queria ter.

    Resumindo e concluindo: todos gostavamos de nao ter que lidar com os problemas que temos nas nossas vidas que sao fruto da decisao que tomamos de como queriamos viver. Tu escolheste uma vida simples, numa cidade pequena, a fazer um trabalho que adoras. Tens o lado negativo de nao ter dinheiro. Eu escolhi viver a passear, a conhecer o mundo e a ter um emprego que me pague bem mas acabo por ter menos (ou zero) estabilidade emocional (vou fazendo amigos novos e distanciando-me de outros amigos, com pena minha).

    Nao sei o que e melhor ou o que e pior. Nao tenho pena nenhuma de ti porque acho que tu escolheste a vida que tens e es feliz mesmo com problemas de dinheiro. Tambem nao tenho pena de mim, ninguem me obriga a vir trabalhar, a viver nesta roda vida e sou feliz a minha maneira.

    E a vida. Ninguem vive sem problemas, ninguem tem vidas perfeitas. Eu nao queria a relacao que tu tens, nem a vida que tu tens, mesmo que nao goste da minha tanto assim. Acho a inveja uma coisa muito ma (e penas tem os passaros), porque te tira o focus de onde ele deve estar: tu tens a tua vida porque a quiseste. Eu sou de uma cidadezinha pequena como tu, andei sempre em escolas publicas, acho que tivemos as mesmas oportunidades, eu escolhi foi oportunidades diferentes das que tu escolheste.

    Eu nao preciso ver o saldo da minha conta bancaria NUNCA, mas isso nao me traz nenhuma felicidade. So quando posso ajudar alguem com ele e que o dinheiro me traz felicidade. Ou seja, nao tenho problemas com dinheiro, mas tenho outros problemas que tu nao tens.

    Mas uma coisa te posso garantir, no dia em que um ser humano consiga disfrutar dos seus sucessos, a nossa raca evoluiu. Ha sempre alguem com mais dinheiro, mais bem sucedido, mais bonito, com mais filhos. Insatisfacao esta no nosso DNA. Queremos sempre mais e melhor. E tens razao, eu nao dao grande valor aos meus sucessos, porque quando mais sucesso, mais sucesso eu quero. Mas nao conheco alguem que seja diferente. Que diga, oh, fui promovido a sub-chefe e que feliz que eu estou. Isso dura uns dias! Depois ja esta a pensar quao feliz seria se fosse chefe! E depois director e depois director noutro lugar.

    Entendo que es muito novinha, mas nos teus posts noto que ficas muito pela rama das questoes. Nao te iludas a vida nao acontece. Tu escolheste ter a vida que tens, tiveste acesso a ensino superior e tens capacidade intelectual. Nunca teria pena de ti.

    ResponderEliminar
  46. Anónimo que vive em Nova Iorque, também não quero que tenha pena de mim. Se acompanha o meu blogue, percebe facilmente que "aqui e ali" me queixo de dinheiro (como qualquer jovem em início de carreira) mas que sou uma pessoa muito feliz, com uma vida que gosto. Se quero ganhar sempre mal e porcamente? Claro que não. Mas estou em início de carreira, tenho tempo de lutar por um trabalho mais ambicioso e melhor remunerado. Acredito que ainda existem trabalhos bem pagos em Portugal.

    Ao contrário do que acha, não tenho a ambição de ficar numa cidade pequena e num trabalho confortável. Digo a toda a gente que no próximo ano quero mudar de cidade, voltar ao Porto ou sair daqui. A toda a gente. Mas toda a gente me aconselha a esperar um bocado porque os tempos não estão para brincadeiras e trabalhos a contrato não se arranjam facilmente. Honestamente, prefiro deixar a crise passar um bocadinho (se é que vai passar), em vez de fazer como colegas minhas que aceitam empregos e ficam meses sem receber, outros meses recebem metade do salário. Ao menos sou bem tratada, adoro o que faço, estou perto da família, razoavelmente perto das amigas e vivo com o homem que amo.

    Nota-se perfeitamente que a anónima é trabalhadora, mas também me parece um bocadinho a eterna insatisfeita. Não leve isto a mal, mas como me diz que eu tenho de viver com as minhas opões, a senhora também tem de viver com as suas. Vive em Nova Iorque, a cidade-fetiche da maioria das pessoas, ganha muito bem, pode viajar e ter uma vida desafogada. Com contrapartida, falta-lhe vida pessoal e essencialmente a componente emocional. Também não tenho nenhuma pena de si. Parece-me lutadora e acredito que chegará muito longe... um dia, quando conhecer a pessoa certa, pode ser que as suas prioridades mudem. :) Ou não. Pode ser que realmente seja feliz assim.

    Boa sorte!

    ResponderEliminar
  47. lá isso é verdade, o que custa a ganhar tem outro gosto...

    ResponderEliminar
  48. as tuas conquistas têm um sabor que as deles não têm seguramente :)

    ResponderEliminar