quinta-feira, 5 de julho de 2012

Snif Snif

É uma tristeza uma pessoa ter recebido o salário há meia dúzia de dias e, entre contas, renda da casa, prestação do carro e afins, ficar reduzida a meia dúzia de trocos.

Como diz o senhor meu companheiro, isto não é trabalhar para viver, é trabalhar para pagar contas. O que nos vale é que as melhores coisas do mundo - o amor, a família, os abraços, os sorrisos, as conversas e os amigos - ainda são de borla.

39 comentários:

  1. Chego a essa conclusão todos os meses até ao dia 5 :\
    Bolas, uma pessoa acaba por estar num ciclo vicioso de recebimentos - pagamentos.

    ResponderEliminar
  2. Money makes the world go round... but can't buy me love! :-)

    ResponderEliminar
  3. Pufff! Temos muitaaa coisa em comum! É um sufoco, mesmo. Mas se no final do dia houver "aquele" abraço, até parece que suportamos viver a pão e água o resto da vida.





    querocafecomleite.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  4. Ohhh, como te compreendo... acontece-me exactamente o mesmo, eu também digo que vivo para pagar contas, o que vale e que tudo isso que disseste é de borla, não tem preço ;)

    **

    ResponderEliminar
  5. É desanimador realmente, mas tens toda a razão, as melhores coisas ainda não se pagam. E ainda bem :) *

    ResponderEliminar
  6. Quando me começo a queixar desses assuntos, por exmplo não consigo fazer as férias que quero, comprar tudo que quero o meu namorado lembra-me sempre da escolha que fizemos: comprar uma casa. As coisas mudam quando temos que ser nós a pagar as contas e essas coisas chatas... Mas no final das contas, a decisão de partilhar uma casa com quem gostamos vale sempre a pena. Não estou nada arrependida de ter que comprar menos bens para mim e ter passado a comprar para a minha casa :) é tudo uma questão de opção. E tenho a certeza que estás feliz com a opção que tomaste :)

    ResponderEliminar
  7. Como eu te percebo... acontece-me exactamente o mesmo! Mas é isso, temos que pensar no resto, no que vale realmente a pena :)

    ResponderEliminar
  8. Deixa lá... Podia ser pior.
    Eu ainda não recebi... Maio :(
    Compreendo o desânimo, mas ainda bem que é só financeiro :)

    ResponderEliminar
  9. Lady Cat, ora, isso nem se coloca em causa... sou muito feliz no meu apartamento alugado, com o homem que amo, com as minhas gatas. É chato não poder ir mais ao cinema nem jantar fora sempre que quero, mas sou uma pessoa muito feliz. :) Tenho amor.

    ResponderEliminar
  10. pois é... acontece-me o mesmo... :(

    ResponderEliminar
  11. Eu também vivo num apartamento alugado, mas é um apartamento grande, moderno e luminoso, e assim vale bem a pena. Agora, se me perguntarem se preferia ter casa própria...é claro que sim!! Pelo menos aquilo que iria pagar ao banco seria para uma coisa minha. Enquanto que quem vive em apartamentos alugados, paga a renda de algo que nunca lhe pertencerá. Não tem nada a ver. E embora também tenha amor, família, amigos, não me importava nada de ganhar muito bem para poder viver desafogadamente e ter os meus pequenos luxos! É tão bom :)

    ResponderEliminar
  12. Maria Abreu Mello, pois claro que preferia ter casa própria, mas tenho 23 anos, acho que tenho muito tempinho para comprar casa...

    E quanto ao ganhar muito bem, é isso que o texto refere. Não me importava nada de ganhar três vezes mais do que ganho, era ainda mais feliz.

    ResponderEliminar
  13. Acho que disseste tudo no comentário acima ;) Sim, é giro jantar fora e ir ao cinema, mas quem é que precisa disso quando temos o amor do parceiro, da família e dos amigos? :D

    Beijinhos e tem um óptimo dia :D

    ResponderEliminar
  14. Acontece em tantos meses ficar assim também...enfim...

    ResponderEliminar
  15. realmente, quem tem contas a pagar e não recebe assim tanto quanto gostaria fica dificil juntar uns trocos para viagens, compras e outras coisas boas que só o dinheiro pode comprar. essas que falaste, essenciais, felizmente são de borla :)

    ResponderEliminar
  16. Mas viver só para o trabalho é muito triste e é o que está a acontecer á maioria dos portugueses, os que têm trabalho.

    ResponderEliminar
  17. Ainda são de borla, qualquer dia tambem temos de pagar imposto para isso :) estou a brincar. Mas tens razão, é uma tristeza.

    ResponderEliminar
  18. ainda-...qualquer dia ja nem isso.

    ResponderEliminar
  19. Lá se vai a compra da mochila linda...fiquei com tanta "inveja" que estou a pensar em comprar uma.

    ResponderEliminar
  20. É sempre a conclusão a que chego depois de ter pago as despesas fixas! Mas pronto, resta-me o sorriso sas minhas filhas e os braços do meu marido/amante!

    ResponderEliminar
  21. Nos últimos tempos o termo ‘empreendedorismo’ tornou-se palavra de ordem no vocabulário daqueles que pretendem mudar de vida e assegurar seu espaço no mercado de trabalho. A história comprova que a maioria das experiências bem-sucedidas emergiram de projetos de vanguarda de pessoas ousados que não tiveram receio de avançar rumo a uma vida melhor, até mesmo por escassez de recursos somente lhe restavam como opção a oportunidade de empreender.
    Mudar é possivel, basta querer.

    ResponderEliminar
  22. É isso que me faz andar triste.
    Uma pessoa passa a vida à espera que a vida melhore, e no fim, quando começa a ficar velho e doente, ainda tem a preocupação dobrada de pensar se não vai acabar na sarjeta.

    ResponderEliminar
  23. Por enquanto ainda é de borla. Vamos lá ver até quando.

    ResponderEliminar
  24. Pois é, graças a Deus que amor e carinho não se paga, mas da maneira que isto vai, não sei não!!!
    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  25. Von, concordo. O meu objectivo é fazer um ano de contrato, só para assegurar direitos (se bem que, hoje em dia, nada está assegurado...) e depois tentar aventurar-me.

    ResponderEliminar
  26. Querida S*
    Infelizmente a falta de $$ causa muita dificuldade na nossa sanidade mental....e grande esforço financeiro
    Sei do que falas, sozinha com um mini....a coisa nao é facil...

    ResponderEliminar
  27. É mesmo, ainda bem que existe coisas boas que ainda não pagamos. Sabes tenho saudades de antigamente quando eu era mais nova, quando se conseguia juntar dinheiro e não se vivia num aperta aperta por muito sacrifício que se faça.

    ResponderEliminar
  28. Sinto o mesmo, mas espero que o futuro seja melhor... afinal onde vou meter uma criança no meio dessas contas? :s

    ResponderEliminar
  29. É triste mas é verdade.
    E nos últimos dias ainda dei por mim a pensar q a culpa é toda minha q enfiei na cabeça q queria tirar uma licenciatura (e queimar uns anitos) e arranjar um trabalho...tivesse eu sido esperta e aberto a pestana p a vida e tinha-me inscrito numa jota, tirava a licenciatura num ano e hoje n teria esses problemas dias depois de receber o ordenado... :)

    ResponderEliminar
  30. É verdade! Às vezes fico desanimada mas o baby love trata logo de me lembrar dessas coisas boas que falaste e aí sinto-me a pessoa mais rica do mundo :)

    ResponderEliminar
  31. A questão não são as contas, o problema pelo que me aperçebo é o teu salario......

    Pinoquio

    ResponderEliminar
  32. Sim, ainda bem que essas coisas que mensionas-te são de borla, porque os mais prejudicados disto tudo que está a ocorrer no nosso País são os que trabalham honestamente para pagar as suas contas.
    Bom, é para aqueles que vivem do rendimento minimo e que passam a tarde no café...enfim...ainda sou crente para achar que isto ainda vai mudar...

    ResponderEliminar
  33. Felizmente há muitas coisas que não implicam gastar dinheiro e que nos fazem felizes...

    ResponderEliminar
  34. Mas ouvi dizer que vão ser tributadas a qualquer momento.... :))))))))))))))))))

    ResponderEliminar
  35. Eu pago para receber uns abracinhos, no rancho dos coelhos.
    Ahahah

    ResponderEliminar
  36. É sobreviver... é frustrante viver assim :(

    ResponderEliminar