quarta-feira, 18 de julho de 2012

Dos valores trocados

Estive a ver a reportagem da Sic sobre a casa da Mãe Kikas, uma casa de alterne no Ribatejo. Não vou julgar as mulheres que vendem o corpo para viver, cada uma sabe de si e Deus sabe de todos.

O que me chocou foi ouvir uma das senhoras, toda orgulhosa, dizer que o filho tinha tido o seguinte diálogo:

Coleguinha - A tua mãe é p*ta.

Filho - Pois é, e daí? Olha a minha camisola, é da Lacoste, as calças são da Salsa, as botas são Timberland. E tu, o que é que vestes?


Não haja dúvida. Este tipo de conversa é o orgulho de qualquer mãe. Que importa que a mãe venda o corpo? Ao menos usa roupa de marca... valha-nos Deus.

63 comentários:

  1. É caso para dizer: lol!

    Ao menos tem comida na mesa?

    ResponderEliminar
  2. Eu também vi... e também me chocou!
    Já a outra, que trabalha para alimentar a filha, só fez com que sentisse admiração!

    ResponderEliminar
  3. Legalizem a prostituição já!

    Essa gente tem de começar a pagar impostos como todos os outros e já! Chega de gozarem com os que não podem ter umas botas da Timberland ou camisas da Lacoste. O enriquecimento ilícito é crime mas continuam todos a fechar os olhos ao que se passa no mundo da prstituição. País da tanga!

    ResponderEliminar
  4. Estou horrorizada. Nem acredito numa coisa dessas.

    ResponderEliminar
  5. Não vi a reportagem mas fiquei um bocado sem reacção agora... Quer dizer, cada um sabe de si, claro que sim. Mas um filho a "espetar" na cara duma colega que usa a marca X ou a Y, não deve ser orgulho. Independentemente da profissão, há uma coisa que se chama humildade e mostrar etiquetas aos outros é absolutamente ridículo.

    A Prostituição é crime mas é a profissão mais antiga que existe. Não vai diminuir agora. O país fecha os olhos a este tipo de coisas e essas senhoras vão-se safando. Para ser sincera não sei ao certo qual será o melhor caminho perante esta situação mas se recebem dinheiro pelo seu "trabalho", deviam pagar impostos como todos pagamos, em vez de continuarem com subsídios e afins que, aparentemente, nem chegam a precisar.

    ResponderEliminar
  6. Reparei nessas respostas e ela disse mais
    " Tem tudo não lhes falta nada, tudo o que pedem eu lhes dou!"

    Ok... consumismo e futilidade é a palavra que aqui escrevo. Uma forma de Educar crianças a terem tudo e não lutarem por aquilo que querem. Falta de principio

    ResponderEliminar
  7. A exibição das marcas deve ser proporcional ao numero de clientes da mãe.
    Imagina os putos que vestem Prada, Gucci, Valentino...

    ResponderEliminar
  8. O(a) Martini Bianco é que disse bem, seja lá pelos motivos que forem (respeito qq um) só peço que PAGUEM IMPOSTOS como todos os outros comuns mortais, porque quando estas profissionais do sexo e outros que fogem da mesma forma aos seus impostos, vão parar aos hospitais, nós é que pagamos essas despesas, de forma indirecta, claro, por isso ninguem se queixa, porque não se vê, mas na verdade nós é que sustentamos uma data de coisas, para depois ainda ter que ouvir reportagens como esta. Não gostando dos alemães, pelo menos nisso são mais inteligentes: casas de alterne, moteis etc, pagam impostos por cama, tenham ou não tenham negócio, é um valor fixo por cama e acabou. Quanto ao resto... dos comentários que aqui ficam... só tenho a dizer que me revolta ver como o dinheiro e o poder destroem os nossos valores e a nossa dignidade, tudo por um par de sapatos ou seja lá o que for de marca??? O homem vai acabar por se destruir depressa com a galopante subida rumo ao dinheiro e poder, não levará muito tempo, acabaremos como o Imperio Romano. É triste.

    ResponderEliminar
  9. Sem palavras... Não vi, mas fiquei chocada com este post. Enfim, esta gente... sabes, nem são valores trocados, é mesmo ausência deles!

    ResponderEliminar
  10. Eu vinha dizer exactamente o mesmo que o Martini Bianco. Faz-me confusão que seja ilegal e ao mesmo tempo a policia seja tão condescendente com esse assunto.

    ResponderEliminar
  11. Eh pá eu moro a +- 5km da dita casa, e nunca lá entrei (sim ao contrario do que se possa pensar as senhoras também podem entrar), mas sinceramente também não tenho grande curiosidade. Há formas diferentes de se fazer pela vida, embora não julgue quem escolha esta!

    ResponderEliminar
  12. Essa parte tb me chocou. E sinceramente não acredito que seja verdadeira. Nenhum miúdo reagia assim.

    ResponderEliminar
  13. Conheço bem essa casa por motivos profissionais...que bem se entenda que nunca lá trabalhei....mas os meus escritórios já tiveram problemas...Não vi a reportagem, mas sei que a casa é frequentada por todo o tipo de pessoas e que quem lá trabalha ganha muito bem! Não admira que transmitam aos filhos os valores errados. Conheci uma senhora que dizia orgulhosamente que trabalhava na Kikas! Como se fosse um motivo de honra! Afinal, a casa da Kikas não é qualquer uma!

    ResponderEliminar
  14. Eu não vi a reportagem mas já imaginava que alguma coisa assim pudesse sair dali...o que é preocupante é que os filhos depois crescem com os valores e princípios trocados. E alguns até sem valores.

    ResponderEliminar
  15. Credo =/ é o valor que se dá às coisas :/

    ResponderEliminar
  16. Vi por alto.
    Tenho pena daquela gente e até dos clientes...
    Beijo.

    ResponderEliminar
  17. Que falta de amor próprio... essas mulheres nem deveriam de ser mães. Assim faziam o que queriam com quem e como e não deixavam marcas dessas em criança alguma :(
    Que tristeza!!!!

    ResponderEliminar
  18. Concordo plenamente contigo.
    Infelizmente não vi a reportagem.

    ResponderEliminar
  19. Enfim... já vale tudo para ter umas roupas de marca...
    Sou completamente a favor do pagamento de impostos pelas prostitutas. Se elas acham que é uma forma normal de ganhar dinheiro, então têm que pagar impostos conforme as outras pessoas pagam.

    Bjs*

    ResponderEliminar
  20. Acreditas que comentei isso mesmo? Sem tirar nem por! Não julguei a senhora porque cada um sabe de si, mas ensinar um míudo que os valores materiais são o melhor? Isso é que não

    ResponderEliminar
  21. Acreditas que eu vidrei exactamente nessa parte??? E o meu queixo literalmente chegou ao chão.
    Eu já nem sei o que diga mais, acho que o mundo anda louco :x

    ResponderEliminar
  22. Eu vi a reportagem. Isso chocou-me, tal como me chocou a "menina" que estava lá e disse que podia 10 € à mãe, bem como o caso da menina que foi a Cuba fazer tratamentos médicos.
    Fiquei de boca aberto pela mãe que a Kikas mostrou ser para as "meninas",pelos avisos e pelos conselhos, pela forma como vai ajudando quem pode.
    Eu estava longe de imaginar o impacto que a casa tem na zona.

    ResponderEliminar
  23. não vi felizmente e tbém não ouvi essas barbaridades, valores é coisa que ficou lá atrás no tempo ...

    Bjo
    Maggie

    ResponderEliminar
  24. É caso para dizer cada um safa-se como pode. Mas pronto cada um tem de ter orgulho em alguma coisa nem que seja a roupa de marca XD

    ResponderEliminar
  25. Fico descansada porque não fui a única a achar que não era saudável uma criança dar mais valor a marcas do que ao carinho/ atenção da mãe!!Deu a ideia que compra o "carinho" dos filhos com roupas,consolas,..

    ResponderEliminar
  26. O que fazer quando os que têm que dar exemplo agem como doidos??? Como esperar consciência de quem foi criado vendo a vida acontecer errada?
    Só posso dizer que me entristece muito.
    Beijokas.

    ResponderEliminar
  27. Como sabes vivo no Ribatejo e a casa Da Mãe Quicas não fica longe daqui.
    Já ouvi muita história.... Mas concordo totalmente com o Martini Bianco, elas que paguem impostos sim ora porra!

    ResponderEliminar
  28. Como costumas dizer "é a falta de tudo"...

    ResponderEliminar
  29. Talvez essa seja a forma que a senhora encontrou de ensinar o filho a defender-se de uma sociedade que tanto condena a mãe dele... Certamente que não é a maneira mais correcta, mas para uma criança não é nada fácil ser vítima desse tipo (ou de qualquer outro) de bullying e deve ter sido a melhor resposta que a mãe encontrou para ele dar aos colegas, já que nestas idades as crianças ligam imenso ao dinheiro e às marcas. No fundo, talvez a senhora não tenha assim tanto orgulho nisso... Mas tenta proteger-se e aos seus desta forma, até para não se sentir tão culpada por ser o motivo pelo qual o filho é gozado. Não concordo, mas compreendo a atitude.

    ResponderEliminar
  30. Enfim, o mundo está perdido!
    Agora em tom de brincadeira, quando o miudo crescer abre ele um alterne e continua a ser o chulo da mae!:-)

    ResponderEliminar
  31. Eu tb vi a reportagem.... e se prestaste atenção deves ter reparado que a mesma que fez esse comentário disse que na sua infância só teve uma boneca.
    Aquilo que ela não disse é que tb lhe deve ter faltado amor. Neste momento (e visto que pode fazê-lo) incute aos filhos o valor do dinheiro em vez do valor do amor. É que o valor do dinheiro ela aprendeu-o com o passar do tempo, o valor do amor nunca o deve ter aprendido. :(

    São vidas tristes.... mas atenção! São mulheres muito inteligentes!

    ResponderEliminar
  32. Só um esclarecimento para alguns comentadores; prostituir-se não é ilegal nem é crime.
    O que é crime é alguém explorar a prostituta.
    A actividade em si e quem dá "o corpo ao manifesto" não são nem ilegais nem crime - e estes conceitos são diferentes, certo?

    ResponderEliminar
  33. ficámos todos chocados cá em casa quando ela disse aquilo..isso e quando a mãe kikas disse" eu quero que elas aqui tenham sempre ética ". Hã hã...

    ResponderEliminar
  34. Também estive a ver essa reportagem e o que elas fazem ou deixam de fazer e com elas...quem sou!!!

    O que mais me chocou foi mesmo isso, como é que aquela mulher pdia estar orgulhosa do filho por dizer aquilo...a ideia que fiquei foi que se a mãe já é assim vazia de cabeça vai criar umas replicas delas... :(

    ResponderEliminar
  35. LOL esse foi o argumento do ano! Enfim deve ter sido muito bem educado esse miúdo..

    ResponderEliminar
  36. Não vi mas realmente é deprimente.
    Se ao menos dissesse que não passa fome, ainda vá, agora roupa de marca... Valha-nos Deus! :s

    ResponderEliminar
  37. Essa foi, sem dúvida, a coisa mais ridícula que ela disse!

    ResponderEliminar
  38. Aparências!
    E não interessa a troco de quê

    Infelizmente as aparências hoje em dia abrem muitas portas

    ResponderEliminar
  39. Não compreendo de forma alguma esse tipo de resposta mas ao ler a Estupidez em Crónica, assenti que realmente pode ser a forma como ela consegue fazer com que o filho lide com a situação. Lembro-me de aqui há uns anos, uma colega estar a tirar licenciatura aos fins de semana e dizer à filha que ia ter menos tempo para ela, mas que depois iria ganhar muito mais, para lhe poder comprar os brinquedos x e y. Era só uma forma de calar a criança que teria na altura 5 anos. Sei lá, realmente essa mãe pode ter os mesmos motivos para proteger a sua cria...

    ResponderEliminar
  40. S* não tive oportunidade de ver a referida reportagem, mas vi apenas uma "achega" que deram antes de começarem as notícias, onde uma dessas senhoras referia algo como "eu não dou beijos na boca, porque beijos na boca é só para a pessoa que se ama". Pergunto-me, logicamente, se a senhora, com o tipo de trabalho que desempenha, não tem, por acaso, uma actividade também feita com a boca, se é que me entendem, que é bem mais "grave" de se fazer a uma pessoa pela qual não se tem o mínimo de sentimento... Surpreendeu-me este comentário, mas como tudo na vida, respeito as opções de cada um.

    Como já disse, não vi a reportagem, nem sequer sei que tipo de conversa desenrolou depois daquele comentário da senhora e fiquei agora surpresa com o teu texto.

    ResponderEliminar
  41. E com toda a certeza que alguns amigos teus já lá foram e MUITOS seguidores deste blogue de vez em quando lá vão!!

    É frequente encontrar lá pessoas de Lisboa, Porto e mesmo os que vão do Algarve lá a propósito!

    A parte fixe, interessante e ESTÚPIDA, é que aquela casa é o que é, há muitos anos e ninguém a fecha!!

    "Bem vindos a Portugal! Se tem interesses económicos fique, se não, dê cá o seu dinheiro e saia..."

    ResponderEliminar
  42. Uau, de facto os valores estão mesmo completamente trocados. Eu só vi partes da reportagem, mas essa parte não vi!

    ResponderEliminar
  43. Chocante, mas tenho uma amiga que fez voluntariado e contactou com situações parecidas...... :(

    ResponderEliminar
  44. Não vi a reportagem, mas infelizmente essa mentalidade não me choca. Trabalhando na saúde assistimos às situações mais miseráveis (e estou a falar de valores humanos) que consigas imaginar. Tenho muita pena em dizê-lo, mas não acho que já algo me consiga surpreender quando estamos a falar da estupidez humana.

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  45. Angela, eu sei que a prostituição não é ilegal mas quando falo na legalização tem haver somente com o factor fiscal e de segurança. O governo alemão saca quase 900 milhões por ano, o governo Holandês quase 400 milhões e o espanhol não sei quanto. Estes valores dariam para em Portugal fazer funcionar dois mega-hospitais tipo o Santa Maria. Atualmente a prostituição está no mesmo patamar do consumo de drogas, não é ilegal consumir mas é ilegal vender ou explorar pessoas por causa dessas actividades. Ficamos em quê? Mas nestes países pseudo-católicos, prefere-se acreditar que estas atividades são residuais ou que nem existem. Viva a hipocrisia lusa.

    ResponderEliminar
  46. a minha alma esta parva.
    Não ouvi essa reportagem mas agora fiquei curiosa
    bjs*

    ResponderEliminar
  47. Na minha terra esta casa é muitoooo famosa! Não são poucos os que já lá foram...

    Eu cá defendo que se é o trabalho delas, se são sustentadas através dele, se não são forçadas a nada, que tenham obrigações como as outras pessoas!! Afinal de contas, é ou não é a PROFISSÃO mais antiga do mundo?

    ResponderEliminar
  48. Lol eu vi a reportagem e tive exatamente a mesma reação que tu... valha-nos Deus meus enfim ainda existe muita gentinha com poucos neurônios e triste de espirito.

    ResponderEliminar
  49. A sério... Nada contra o que fazem, porque cada um é livre de fazer aquilo que quer com o seu corpo.
    Mas essa resposta do miudo dá para entender que as ausências da mãe são compensadas com bens materiais.
    Um orgulho para qualquer mãe essa resposta, sem dúvida.

    ResponderEliminar
  50. Acho que não é um problema de valores trocados, acho que é mesmo ausência de valores. Neste momento o ser vale bem menos que o parecer, e os meninos estão a ser educados para preferirem coisas materiais de marca x ou y em detrimento do resto. Sei que não sou nenhuma autoridade moral, mas acho que assim não vamos longe.

    ResponderEliminar
  51. Eu não vi a dita reportagem, mas já vi por todo o lado, todo o tipo de reacções... Em relação a esse.... "diálogo" (?) só tenho a dizer: será que por não lhe dar a educação, o amor, o carinho e a segurança que uma mãe é suposto dar, lhe "compensa" com as roupas? Só consigo "entender" isso assim :s (pronto, ok... não entendo de todo :/)

    ResponderEliminar
  52. nem sei que dizer sobre isto. hoje em dia as pessoas defendem cada valor...

    ResponderEliminar
  53. Isto foi o que me ficou também a mim de toda a reportagem, ela orgulhosa da resposta do filho de 11 anos, afinal, por roupas de marca e dinheiro vale tudo.

    ResponderEliminar
  54. Conheço gente que lá vai, casados e solteiros. Tudo certo que tenha condições, que são pessoas e não animais, mas essas ditas 'exaltações monetárias' do filho da dita são mesmo de mau gosto, sabendo-se lá se a mãe do outro não terá de fazer o mesmo para lhe encher a barriga todas as noites...

    ResponderEliminar
  55. Mais do que a resposta do miúdo, choca-me a provocação do coleguinha. "A tua mãe é puta" - realmente as crianças são muito cruéis!

    ResponderEliminar
  56. ...ai não posso! esta reportagem passou me completamente ao lado (tv aqui em casa ultimamente é raro), mas apesar de saber que (infelizmente) este tipo de comentário é cada vez mais comum tal facto em nada atenua a minha "incredualidade" quando leio/ouço coisas do género.

    ResponderEliminar