domingo, 24 de junho de 2012

Sabe pela vida:

Um abraço bem apertado das minhas amigas. Um daqueles abraços que diz "podemos não nos ver muitas vezes, mas gosto de ti tanto quanto tu gostas de mim". Tenho poucas, mas tenho boas amigas. Muito boas.

21 comentários:

  1. Ohhh sinto bem o que escreves S* ;)

    ResponderEliminar
  2. "Tenho poucas, mas tenho boas amigas. Muito boas." importa a qualidade não a quantidade :)

    ResponderEliminar
  3. e um abraço consegue ser tantooo quando as pessoas são muito :)

    ResponderEliminar
  4. Sei perfeitamente do que falas :D E sabe tão bem :D

    Beijinhos e tem uma óptima semana :D

    ResponderEliminar
  5. Saudades dos meus e minhas amigos/as que deixei no Porto... bah....

    http://confissoesdarosana.blogspot.com

    ResponderEliminar
  6. Bem verdade :) e quando se vive longe sente-se muito mais quando esse abraço chega :) *

    ResponderEliminar
  7. É bom sabermos que os amigos estão lá em todas as ocasiões.

    ResponderEliminar
  8. Percebo tão bem! Poucas e boas é assim que se querem!

    ResponderEliminar
  9. Também tenho poucas, mas boas amizades. E, sinceramente, não preciso de muita gente na minha vida.

    ResponderEliminar
  10. Confere S*
    Sao poucas...mas BOAS!!
    e mesmo sem nos vermos...estamos lá

    ResponderEliminar
  11. Tenho mesmo sentimento em relação às minhas amigas. E poucas bastam quando o sentimento é tão forte e a amizade é sincera.

    ResponderEliminar
  12. :) Soube a pouco! Temos de combinar alguma coisa com mais tempo!!

    ResponderEliminar
  13. Compreendo te perfeitamente, sabem mesmo bem esses abraços, verdadeiros, autênticos, parecem que nos enchem a alma e nos dão outro ar!
    :-)

    http://viradadoavesso-katie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  14. Poucas mas boas como se costuma dizer.
    E o abraço por si só dispensa qualquer frase :)

    ResponderEliminar
  15. Só temos que tratar é dessa parte do «posso não te ver muitas veze». Tipo, não nos queres adoptar? hahaha

    Beijo mega gigante, meu e a I, quasi-anónima!!!

    ResponderEliminar