quinta-feira, 5 de abril de 2012

Da dificuldade em verbalizar o Amor

Não sou pessoa de dizer "Amo-te" com facilidade. Não o digo à minha família. Nunca o tinha dito, de forma aberta, a outro namorado (até porque nunca o sentira, apesar de ter julgado que sim...).

Portanto, com o passar do namoro, esperava-se que eu conseguisse dizer a palavra sagrada. O namorado foi mais rápido, mais intenso, mais relaxado. Quando mo dizia, eu limitava-me a olhar para ele, a sorrir, e a sussurrar um "eu também".

Lembro-me perfeitamente que no dia em que fizemos seis meses de namoro fomos jantar fora e eu achei que era bom e bonito dizer-lhe uma qualquer frase romântica. Suores frios, muitos suores frios. Até estava mal disposta. A verdade é que ele não me pressionava mas eu sentia necessidade de começar a verbalizar mais o nosso amor. Depois de - sem exagero - dez minutos sem conseguir abrir a boca, lá me saiu qualquer coisa. Ele notava perfeitamente que era um grande esforço meu e respondeu um "percebi perfeitamente que estavas a tentar, mas não tens de o fazer".

Não sei como nem porquê, mas com o passar dos meses (sim, meses!) fui começando a conseguir dizer com naturalidade que o amava. Disse uma vez, meio a medo. Disse duas, ainda a medo. Disse três, já mais relaxada. Hoje, se for preciso, digo-o mil vezes seguidas. Já não tenho medo.

34 comentários:

  1. :) O amor é assim... entra de mansinho e aninha-se, verbaliza-se sem esforço... :)beijito

    ResponderEliminar
  2. Parece ser o tema do dia!! Copiona... :P :P

    É sempre difícil, mas o teu caso é comum acontecer, há alguém que o diz primeiro, a outra pessoa (faz-se de difícil) e leva mais tempo a fazê-lo e quando o faz é um alegria só dentro do casal!

    É encarado como uma nova etapa, mais um degrau que se sobe, mais uma garantia que se consegue...

    É quase sempre... bonito!!

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  3. eu ao início do meu namoro também, tanto eu como ele era adoro-te para cá adoro-te para lá. porque acho impossível amar-se desde logo, o amor amor à primeira vista parece-me demasiado irreal. com o tempo, à medida que vamos conhecendo a pessoa é que os sentimentos se revelam. lembro-me que o dissemos ao mesmo tempo, olhos nos olhos, e hoje em dia dizemo-lo vezes sem conta Melhor do que isso, e essencial, é que o sentimos e que o mostramos com ações não só com palavras :):)

    ResponderEliminar
  4. Eu tambem sou assim. (o eu tambem) saí...mas o resto fica na garganta.
    A minha Aprendiz diz-me milhões de vezes, e até me manda msm a dizer eu repondo sempre eu tambem ....
    Já a Finalista é um pouco como eu..

    sei que é estupido nem o dizer aos filhos, não sei se psicologico (já tenho pensado que sim).
    Boa Páscoa por aí.
    jocas

    ResponderEliminar
  5. Eu também não o digo com facilidade. Mas odeio quando digo e me respondem "eu também", isso é horrível :o
    Já vivi uma situação parecida com a tua, queria dizê-lo e não era capaz. Mas o amor é assim, com o tempo sai naturalmente :)

    ResponderEliminar
  6. Eu por acaso sou muito romântica e não tenho qualquer problema em expressar o meu amor :D mas acredito que seja difícil, mas também acredito que como tu bem disseste quando se sente e se tem confiança no relação, nem é preciso pensar muito, sai naturalmente :)) * * *

    ResponderEliminar
  7. Eu, passado 1 ano, continuo na fase do medo, das meias palavras, se sentir que um amo-te pesa mais que o mundo.

    ResponderEliminar
  8. Oh tão querida :)
    Eu também não o digo à minha família, apesar de o sentir. Não sei explicar mas é-me difícil expressar o que sinto...
    Normalmente não digo às pessoas o quanto eu gosto delas, mas elas sabem :)

    ResponderEliminar
  9. eu nunca fui de afectos difíceis e, modéstia à parte, safo-me bem com as palavras. O meu problema passa sempre por achar que nada do que digo pode ter a imensidão daquilo que sinto, e isso sim é difícil.

    ResponderEliminar
  10. Engraçado, eu sou assim também, não me sai, não consigo dizer mesmo sentindo isso. Beijinho ,o)

    ResponderEliminar
  11. Eu nunca disse. Escapo-me com "em espanhol não se usa" :-) Não sou de afectos nem de manifestações de afectos fáceis.

    ResponderEliminar
  12. E assim mesmo S*,depende muito da personalidade da pessoa,algumas,meu marido e o exemplo vivo disto,preferem mais demostrar o amor através de atos,mimos,carinho,demonstrações claras,mas pra mim faltava também a palavra,vivia perguntando:
    -Você me ama?
    Ele sempre respondia:
    -Claro,te mostro isso todo dia.
    Mas faltava a palavra...fui ficando zangada,realmente zangada.
    Um dia ele me disse em uma só explosão de palavras,chegava a engasgar,fiquei chocada com a dificuldade que ele tinha para dizer algo que sentia.
    -Foi uma profusão de amo-te e beijinhos emocionados...valeram mil anos de eu te amo...rsrsrsrs.
    Até hoje ele me diz te amo pelo celular em mensagens PODE?,casados a 12 anos e ainda e dificil,parece que se sente fragilizado com esta simples declaração de que ESTA AMARRADO SENTIMENTALMENTE...rsrsrsrs,eu ja digo toda vez que sinto vontade....amasso o marido,bato,dou beijinhos...como um urso de pelucia...e digo:
    -Te amo.
    Bjs
    Deusa
    vasinhos coloridos

    ResponderEliminar
  13. Passei exactamente pelo mesmo processo =)
    E acho que é assim que deve ser, hoje a palavra amo-te está a perder o valor por toda a gente a utilizar indiscriminadamente. Para mim o amo-te só deve ser dito quando se tem certeza que se ama.

    ResponderEliminar
  14. Eu também não o digo à família... nem o digo com muita facilidade. Sabes, e o "eu também" não é um "amo-te"... mas às vezes (só) pelas atitudes, pelos gestos e por aquele querer sente-se ali o amor... e o teu namorado soube-o, mesmo sem tu dizeres.

    Eu também só consegui dizer "amo-te" ao meu último ex-namorado, ao que me marcou mais até agora... foi ele também que, ao mesmo tempo, me deu e tirou tudo com a mesma intensidade.

    ResponderEliminar
  15. Ai, ai... como este texto faz tanto sentido!!!

    Páscoa FELIZ!!!

    ResponderEliminar
  16. Custa as primeiras vezes...mas depois...não há como controlar!

    ResponderEliminar
  17. Sabes, aconteceu-me exactamente o mesmo! Ele foi mais rápido e mais directo. Dizia que me amava e eu sorria. Não é que eu não sentisse que o amava mas não conseguia dizê-lo... Ele nunca me criticou nem numa me questionou de nada.

    Um dia acordei, abraçei-me a ele, estavamos tão bem, senti uma necessidade tão grande de estar assim abraçada a olha-lo nos olhos e baixinho saiu um "amo-te".

    Depois disso começou a ser mais constante e agora com ele longe tenho-o repetido mais vezes.

    Não é a palavra em si que conta, mas sim as atitudes, mas gosto quando ele diz que me ama e gosto de dizer que o amo.

    Por isso, percebo na perfeição este teu texto :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  18. Pois olha S*
    Eu considero-me um homem romântico, pelo menos era, fiel como o albatroz, estive casado mais de 30 anos e nunca disse à minha mulher que a amava.
    E penso que ela também nunca mo disse.
    E queres saber? Duvido que alguém possa ter sido tão profundamente amado quanto eu, e ter dado tanto amor como eu.

    ResponderEliminar
  19. Eu ainda namoro há pouquito tempo mas enquanto o namorado já diz "amo-te" com grande naturalidade, eu...estremeço, como tu, no início :) Acho que ainda fico algo acanhada porque é uma palavra muito forte. Espero que também me passe e consiga mais tarde dizê-lo, ou o rapaz fica-me desassossegado :)

    Boa Páscoa!

    ResponderEliminar
  20. Não tem nada a ver com o tema, mas a tua mana tá muito bem na tv. Parabéns!

    ResponderEliminar
  21. Consigo compreender, mas há palavras que são mesmo necessárias. É muito bom ouvir um "amo-te". Os gestos são muito importantes mas as palavras também.
    Ah!Concordo com a V*, um "eu também" não é um "amo-te"!!

    ResponderEliminar
  22. Mary G., muito obrigada. Correu lindamente!

    ResponderEliminar
  23. Já escrevi sobre o "eu também"...

    http://alter-luna.blogspot.pt/search?updated-max=2012-03-02T08:00:00Z&max-results=7&start=7&by-date=false

    Simplesmente não gosto.

    ResponderEliminar
  24. Eu digo, mas só quando é o momento certo para dizer

    ResponderEliminar
  25. Sou tal igual como tu... até mesmo com a familia... e não sei bem porquê :S :(

    ResponderEliminar
  26. tambem sou assim, talvez por levar as palavras demasiado a serio, tinha a palavra presa dentro de mim e nao saia, foi qdo ele pegou nas minhas maos e me disse amo-te (o primeiro amo-te que ouvi na vida), e que eu olhei pra ele, sorri e disse: tambem te amo. e abracamo-nos os dois. tambem foi 6 meses depois do nosso regresso.
    tenho facilidade em escrever sentimentos mas nao po-los em palavras reais, nao sai, ou sai mas a custo.

    ResponderEliminar
  27. Eduarda, muito obrigada. Gosto que se note. :)

    Liliana que momento lindo!

    ResponderEliminar
  28. Gosto destes testemunhos em que me fazem chegar ao fim de ler e dizer, Oh que riqueza...
    :)

    http://so_risoincognito.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  29. És sensata. E isso faz com que não te magoes!

    ResponderEliminar
  30. Cada um com seu cada um, mas pe bom expressar o que sente, ainda mais se for amor. Entendo a tua dificuldade, quanto a mim, eu não tenho, nunca tive, mas não é que eu diga a muitos, pois são poucas pessoas que eu amo de fato.

    ResponderEliminar