domingo, 25 de março de 2012

Odiozinho de estimação #

Esta ideia generalizada de que as crianças são florzinhas intocáveis. Meus amigos, as crianças sabem ser maldosas, mal educadas e irritantes. Algumas terão motivos para ser assim, outras são assim só porque "sim". Quando se portam mal uma palmada bem dada no rabiosque só lhes faz é bem (e no Inverno até aquece).

Nunca me bateram a sério, mas em pequenita levei algumas palmadas no rabo e também nas mãos. E aprendi! Não fiquei com nenhum trauma. A partir de certa idade, dez anos ou assim, deixaram de me dar palmadas. Bastava a minha mãe lançar-me aquele olhar e eu encolhia-me toda.

31 comentários:

  1. Não são, de todo. Conheço meia dúzia, pelo menos, às quais depois de míseros segundos de convivência ma apetece chegar-lhes bem a roupa ao pêlo. Mázinhas, mal criadas, calculistas e com a mania que é tudo delas. Não há minimamente pachorra para a falta de valores, e educação e de maneiras que por aí anda!

    ResponderEliminar
  2. S* começaste tão bem, e concordo contigo que as crianças sabem ser maldosas, mal educadas e MAS dai a concluires que o remédio milagroso é a violencia, deixaste-me sem alternativa: NÃO CONCORDO DE TODO.
    E DIGO MAIS, NÃO EXISTEM PALMADAS BEM DADAS, SEJAM NO RABIOSQUE OU NAS MÃOS (E PARA AQUECER?)E BATER NÃO ENSINA QUEM SOFRE NEM É UM COMPORTAMENTO PEDAGÓGICO, É UM ACTO COBARDE E DE DESESPERO.
    Hoje em dia, quero acreditar que alguns pais já se aperceberam que quando ao dão uma palmada estão desesperados e tentam resolver a situaçao pelo caminho mais curto mas depois se apercebem que o resultado é o pior.
    Eu tb tenho os meus momentos de desespero com o meu filho, pois ele é uma criança e nenhum dos dois é perfeito (ainda bem) mas bater nele: NÃO, NÃO E NÃO!
    E "aquele olhar" que falas não me parece educação ou respeito, para mim é medo e isso eu não quero que o meu filho sinta de mim.
    S* dá para entender que estás magoada com o comportamento de uma certa criança mas se a tua solução são umas palmadas, eu pergunto: se for um adulto a ofender-te qual seria a tua reação? Dar-lhe com uma pedra na cabeça?

    ResponderEliminar
  3. É verdade, desde que as crianças fazem coisas intencionalmente têm que ser repreendidas ponto final.

    ResponderEliminar
  4. Peço desculpa Dadinha mas eu não concordo. Não tenho nenhum trauma, não fui maltratada e cheguei a levar algumas sapatadas no rabo.

    Existem palmadas bem dadas, sim senhor. Não me refiro a espancar, pelo amor de Deus, mas sim a uma palmada que signifique "pára já com isso". Quanto à parte do "até aquece", era brincadeira, lamento que não tenhas entendido.

    E medo? Um olhar desses é medo? Mais uma vez, não podes generalizar. Nunca tive medo da minha mãe. Quando ela me olhava com aquele olhar, eu percebia "é hora de parar quieta ou ela vai chatear-se comigo". Isso não é medo, é conhecer os limites e perceber que estamos a ultrapassá-los.

    Suponho eu que ao olhar para a sua mãe, marido, primo, o que for, consiga perceber por um olhar que estão a ficar chateados/incomodados. É a isso que me refiro.

    Violência? Não considero que uma palmada no rabo seja violência. Para mim é uma forma de repreensão. E não implica dor, não pense. Pelo menos a mim nunca me doeram.

    ResponderEliminar
  5. Teorias a mais e palmadas a mesmo! Psicologia a mais e os putos hoje são uns mal educados do pior!

    http://pegadafeminina.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  6. Não tenho paciencia para miudos parvos e muito menos para papás flor de estufa.pronto, era isto.Boa semana.

    ResponderEliminar
  7. Concordo! A mim também nunca me fez mal nenhum ;)

    ResponderEliminar
  8. Por ordem de razão do que aqui já foi dito, quase todos os jovens adultos com mais de vinte anos deveriam ser potenciais assassinos em série, traumatizados e frustrados graças a uma dúzia de palmadas que levaram.
    E é por causa dessas teorias absurdas e rídiculas que hoje em dia toda a gente é incomodada a quase todos os sítios que vai, por putos mal-educados, sem regras e sem respeito cujos papás se limitam a dizer "joãozinho não seja assim, tenha maneiras"

    Depois, eu não tinha medo da minha mãe. tinha medo "do olhar", não porque significava que ia ficar negra quando chegasse a casa, mas porque significava que provavelmente estava muito perto de ficar sem tv, sem brincar no jardim ou equivalentes.

    É por essa falta de senso comum (porque não se trata de zelo, zelo é uma coisa positiva,isso é só falta da consciência do que é efectivamente necessário para educar uma criança) em saber distinguir o que é violência do que é educação que hoje temos a juventude que temos. Se a palmada for dada entre os 2/4 anos, garanto que aos 10 há muito que deixaram de ser necessárias.

    ResponderEliminar
  9. Dadinha MEDO?! Era respeito, sempre foi (somos irmãs) e sempre será! Ainda hoje se a mãe lança aquele olhar, sabemos que fizemos porcaria ou dissemos porcaria... nunca foi medo, até porque sempre vivemos com familiares maravilhosos.
    E uma palmada é alguma coisa de grave? Deus me livre, isso é um exagero... Olhe que uma palmada não faz mal a ninguém quando bem dada, muito pelo contrário!

    ResponderEliminar
  10. Eu acho que é mais provavel ficarem com um trauma por serem tratadas assim, como florzinhas intocáveis.

    ResponderEliminar
  11. Não culpo as crianças. Culpo quem as educa.
    As crianças vão até onde as deixam ir... Cabe aos progenitores saber impor limites e lamentavelmente, hoje em dia, não sabem. A maior parte dos papás e mamãs deve achar que educar é fazer tudo o que as crianças querem...
    Em miúda ainda levei umas palmadas e não fiquei nada traumatizada. Parece que actualmente só falta colocarem as crianças numa redoma... Um bocadinho de bom-senso, sim?!
    Ah! E a educação começa em casa e não na escola!!

    ResponderEliminar
  12. Violência física não é, nem nunca será solução para educar crianças. Tenho 44 anos e 2 filhos, também levei palmadas e não estou traumatizada. Mas não é por não estar traumatizada que considero correto educar com palmadas. Ser firme e não ceder a caprichos, entre outras opções, chega, não é necessária a palmada. Se uma criança começar uma birra, vos garanto que não é a palmada que vai acabar com mesma, só piora. E desafio quem tenha filhos a dizer o contrário. Muitas vezes as posições mais extremistas nestes assuntos vêm precisamente de quem não tem filhos, e fala com tanta certeza do que não sabe. A boa educação e as regras não são ensinadas com palmadas, são ensinadas a dar o exemplo e a castigar quando preciso, mas sem violência. As crianças "más" de que tanto falam são o resultado de um mau trabalho dos pais, não nascem assim.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cristina é assim mesmo que eu penso. Tenho 43 e um filho de cinco que nunca me deu problemas de comportamento ou de falta de educação e respeito. se tem os momentos dele? claro que sim mas todos nós temos e quando isso acontece não são as palmadas que resolvem mas sim os bons exemplos e castigo sem violencia.
      Bj

      Eliminar
  13. Cristina Silva, tem razão, não sou mãe, mas SOU FILHA. Já fui educada, com palmadas ou sem palmadas. Sei bem o que me fez bem, o que me ensinou.

    Aqui ninguém falou em educar crianças à base da palmada... escrevi sim que não me parece correcto ver uma palmada como violência. Para mim faz parte da educação. Aliás, acho que levei meia dúzia de palmadas na vida. Mas há crianças muito mal educadas e que mereciam uma sapatada no rabo, sim. Não vejo mal algum nisso... e casa caso é um caso. Se com os seus filhos as palmadas até agravariam a birra, noutros casos faziam a birra parar de forma imediata - como foi o meu caso.

    ResponderEliminar
  14. A minha mãe diz assim "Quando o puto chora sem motivo, dá-se-lhe motivo para chorar". Abençoada!

    ResponderEliminar
  15. Mas qual violencia??? Desde quando uma palmada do rabo e violencia?
    Os miudos tem de ser repreendidos, e uma palmada na hora certa pode ter efeitos milagrosos. E completamente diferente de encher os miudos de porrada. Como queremos educar os filhos se nao percebemos a diferenca entre os dois?
    Eu levei os meus "tau-taus" e tenho consciencia que sempre me foram dados pq efectivamente estava a merecer. Se sou traumatizada por isso? Obviamente que nao.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Liliana,

      Obviamente que eu percebo a diferença entre "encher os miúdos de porrada", utilizando a sua expressão, e as tão faladas palmadas. Mal seria se não percebesse. E acredite que os meus dois filhos são miudos bem educados, mesmo sem as palmadas que a Liliana considera milagrosas. Eu não penso assim, e é um direito que me assiste. A Liliana considera as palmadas parte da tarefa educacional. Eu, não. Só isso. A palavra "trauma" é utilizada por si, não por mim. Continuo a defender, e irei fazê-lo sempre, que bons exemplos e castigos adequados e inteligentes, são sempre melhor solução na difícil tarefa de educar crianças. Não resolvo questão nenhuma na minha vida a dar palmadas.

      Eliminar
  16. Pois eu sou mãe de um menino de 12 anos, e levou umas boas palmadas quando as mereceu, e se o tempo voltasse a trás voltaria a apanhar pois não lhe fez mal nenhum, muito pelo contrário, acho até que as palmadas me doeram mais a mim do que a ele. Tanta teoria, tanta pedagogia e depois vê-se mães completamente descontroladas a "berrar" com os filhos em frente a toda a gente.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  17. S* o blog é teu e escreves o que te apetece, só dei a minha opinião com o devido respeito como mãe dedicada, interessada e que defende exatamente que os filhos tem que ser educados em casa e que muitos dos erros dos filhos são consequencia dos maus comportamentos dos pais. Quando se tem filhos não basta cria-los é necessario educados amor, com bons exemplos, com autoridade sem ser autoritária, e muita paciencia.
    Bj
    Bj

    ResponderEliminar
  18. Dadinha, estás à vontade, cada uma é livre de ter a sua opinião. Eu fui criada de outra forma, de forma nada autoritária, sempre com base no respeito pelos mais velhos... mas levei umas palmadas, pois levei. :) mas nunca fui uma criança birrenta, exigente e mimada... levei palmadas porque neguei ter feito asneiras, por menti, por coisas de criança. Com base na minha educação, julgo que uma palmada nada tem de mal. Não defendo a violência, nada disso, mas também não critico uma bofetada.

    Não sou mãe mas tenho as minhas gatas, que estou a educar com base no mimo, no amor e tudo mais... mas se me tentam roubar a carne da bancada, é sapatada na certa. :D

    ResponderEliminar
  19. Ainda há bocado ouvi uma mulher dizer que as crianças são o melhor do mundo,são puras. Ri-me. São puras quando querem. Concordo com o que escreveste. As crianças conseguem ser maldosas e muito irritantes,principalmente quando começam com birras enormes só para chamar a atenção. Tenho assistido a muitas birras de crianças,só porque sim,e os pais não fazem nada. Não lhes chamam a atenção,não lhes dão uma palmada nem lhes lançam "aquele olhar". Só da opinião que uma palmada de vez em quando,dada na altura certa,é o melhor remédio. Não é violência. É educação e respeito.

    ResponderEliminar
  20. Concordo plenamente.Por isso é que esperei e adiei tanto a decisão de ter a pipoca sardanisca.É que os miúdos num geral irritam-me(ai que horror dizer isto).Alguns são tão mal-educados e mal-criados,que só dá vontade de dar umas palmaditas...

    ResponderEliminar
  21. Não podia concordar mais, embora ache que em certos casos nem é preciso chegar á palmada.

    ResponderEliminar
  22. Não podia estar mais de acordo! Se eu não tivesse levado "aquela palmada" garanto que hoje em dia ninguém me aturava! :P
    Ah, e também já treinei o "abrir os olhos" com o meu sobrinho. Funciona! :)

    ResponderEliminar
  23. Basta olhar para o comportamento de uma criança e imediatamente se percebe qual o género de pais que habitam lá em casa. Posso estar errada, e se for esse o caso peço desculpa, mas não me parece.

    ResponderEliminar
  24. Olá S.

    Bem, este é um tema decididamente controverso! Eu pessoalmente partilho da tua história: levei palmadas, e 'aquele olhar' também me fazia ficar logo 'de esquerda em linha' como se diz lá em casa. Ora isso não me traumatizou e não me fez ter uma relação menos próxima com os meus pais (muito pelo contrário, actualmente rimo-nos à brava com isso). Actualmente acho que um dia vou ter exactamente a mesma postura com os meus filhos porque, convenhamos, resultou. Sou bem educada e tenho respeito pelos que me rodeiam (às vezes inclusivamente mais do que aquele que eles merecem). Mas para ser um bom pai não há uma receita infalível, cada um tem a sua :D

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  25. lá diz o ditado, quem dá o pão dá a educação ;p

    ResponderEliminar
  26. Nem mais! Se são os adultos de amanhã, devem ser bem formados.

    ResponderEliminar
  27. Concordo com a Dadinha.
    Bater em crianças é um acto cobarde. Dá palmada quem perdeu o auto-controlo e a paciência. E a educação é auto-controlo. Então como posso ensinar à minha filha a auto-controlar-se se eu não lhe dou o exemplo?

    Se há crianças mal- educadas? Claro que sim.... Mas a solução para elas não é a palmada; é educação. E isso, meus senhores, são coisas muito distintas!

    ResponderEliminar
  28. Lucia Costa, não estamos a falar em bater em crianças, mas sim em palmadas inofensivas. Levei algumas, poucas, e não vi tal coisa como um acto cobarde nem me traumatizou de forma alguma. O que serve para si, na educação da sua filha, não tem de servir para os outros. Eu levei palmadas e, quando tiver filhos, se for necessário também as darei. Não me parece nada de mal ou de chocante, quando dadas no momento certo.

    Educação, para mim, também pode passar por uma palmada. Respeito que para si não passe, mas não coloque em causa a educação que a minha mãe me deu.

    ResponderEliminar