Avançar para o conteúdo principal

Espreitar ou não espreitar, eis a questão!

Inspirada num post da Maria, do blogue Elementar...

Toda a gente sabe que, na teoria, mexer em coisas alheias é feio, muito feio. Toda a gente sabe que, numa relação saudável, ninguém deve mexer no telemóvel do outro, no email, seja onde for. Mas da teoria à prática vai uma diferença considerável.

Vou contar a minha história. Eu tive um namorado (credo, que arrependimento) que não era flor que se cheirasse. Eu sempre soube que ele era tipo bicicleta da aldeia, toda a gente anda nela, mas como estava apaixonadita e tinha 19 anos (não que agora seja muito mais velha...) acreditava que o podia mudar. Uh huh. Rapidamente soube a password de email dele, que era uma palavra muito óbvia. Espreitava o email dele quando o sentia mais distante. Uma certa altura, ele disse-me que ia trabalhar dois fins-de-semana fora, com o pai. Cheirou-me a esturro. O sexto sentido feminino nunca falha... no dia em que partiu para o segundo fim-de-semana fora entrei no email dele e encontrei um email de uma mulher, a falar de como tinha gostado da última queca que tinham dado. Se me arrependo de ter cuscado? Nadinha! Livrei-me de boa!

Eu não sou uma pessoa desconfiada. Gosto de confiar em quem está ao meu lado. Acredito naquilo que as outras pessoas me mostram... MAS, se achar que tenho motivos para tal, não acho que seja má pessoa por espreitar aqui e ali. Especialmente se se confirmar que tenho razão para desconfiar.

Na minha actual relação nunca senti necessidade disso. Sempre confiei no meu mais-que-tudo, até porque ele me tem dado todas as provas de amor das quais eu precisava (nem precisava de nenhuma, mas melhor assim).

No entanto, também não espero que a nossa relação tenha segredos. Não tenho de lhe dar as minhas passwords porque são coisas minhas e que só a mim dizem respeito... mas também não ando a esconder os emails que recebo nem a fingir que não recebo telefonemas ou sms. Sou muito transparente com ele e quero que ele o seja comigo. Quando recebo uma sms, se for alguma coisa de relevante, digo-lhe. Se não for relevante mas me apetecer, digo na mesma. Não tenho motivos para esconder coisa alguma.

E vocês, o que pensam das espreitadelas secretas ao telemóvel ou ao email do parceiro? Já sei que é feio, já sei que não se deve fazer... Mas faziam-no, se desconfiassem? E, por outro lado, parece-vos normal que alguém "esconda" os emails e os sms de vocês? Convém realçar que é diferente cuscar por cuscar, que penso ser sinal de que algo está mal, ou cuscar apenas porque se está desconfiado.

Eu não ando a cuscar no telemóvel do meu macho, não o faço. Mas acho que não lhe cai nada ao chão se, ao receber uma sms, me disser "é do Paulo" ou "é da Isabel". Acho natural. Sempre é melhor do que ficar calado como um rato, o que pode fazer com que eu fique com a pulga atrás da orelha... É que, às vezes, mesmo sem culpa, podemos receber emails/sms indesejadas. E, se o escondermos, podemos estar a adiar uma conversa que, no futuro, poderá desencadear uma discussão feia.

Comentários

  1. Mexer, não se deve, mas por vezes é o melhor a fazer quando se desconfia de alguma coisa!

    ResponderEliminar
  2. Se desconfio do gato, acabou-se. Já não tenho idade para segundas oportunidades.

    E quanto a espreitar... As coisas nem sempre são o que parecem... Eu conheço uma situação assim...

    ResponderEliminar
  3. Eu acho que não se deve mexer no que não é nosso... mas as pessoas também não devem mentir, e mentem. Uma coisa pode gerar a outra.

    ResponderEliminar
  4. Não podia estar mais de acordo contigo. Confesso que já o fiz, já cusquei o telemóvel, porque estava desconfiada... e confirmou-se que eu até tinha alguma razão. Se me arrependo? Nada. Se era alguma coisa muito grave? Não era... mas aquilo na minha cabeça estava a ser pior do que na realidade. Também acho normal que se diga, quando se recebe uma mensagem, muito naturalmente, de quem é... não é preciso dizer de todas, reproduzir o conteúdo e pormenores, mas de um modo natural, numa relação sem segredos, acho perfeitamente normal.

    ResponderEliminar
  5. Nunca me passou pela cabeça espreitar o telemóvel do meu namorado, porque nunca tive razões para desconfiar dele. Mas se ele algum dia me der razões para isso, nem penso duas vezes. Até porque é sempre bom uma rapariga ter a certeza absoluta de que anda a ser traída antes de castrar o cabrão, porque assim como assim é uma coisa irreversível e não convém punir inocentes, eheheheh

    ResponderEliminar
  6. As coisas podem acontecer quer andemos "atentas" ou não.
    Eu infelizmente tornei-me uma pessoa muito menos crente e ingénua do que era porque alguém me mostrou que as traições acontecem mesmo quando nada o faz prever.
    Nunca vi coisas dele, mas acabei por descobrir à mesma.
    Hoje em dia estou a tentar colmatar um pouco aquilo que considero ser uma falha minha, que é essa insegurança e medo de ser feita de parva.
    Não tenho segredos e não me importo que vejam as minhas coisas se assim quiserem, não faço por esconder nada, porque não tenho nada a esconder e ele é também assim comigo.

    ResponderEliminar
  7. Eu acho que as pessoas, apesar de namorarem, continuam a ser pessoas individuais, com a sua privacidade. Acho que mexer no telemóvel ou outra coisa que é da esfera privada é invasão. Tenhamos ou não razões, desconfianças. Isto por princípio.

    Já vivi uma relação em que não confiava totalmente. E com razão. Nunca soube passwords de emails nem mexi no telemóvel nem coisas privadas dele. E sempre assumi ser uma moça ciumenta. Porque o sou, até inconscientemente, sou. Mas como tenho, por princípio, a noção de que cada pessoa tem o seu território e namorar não é possuir, tento sempre combater isso dentro de mim e que não passe para a outra pessoa. Nunca fiz uma cena. E nunca fiz essas coisas de cuscar. A única coisa que, nessa relação, me atormentava era coisas como hi5 e essas redes. Era a única coisa que eu via, porque era público, e até foi por aí que liguei as peças todas.

    Mas hoje, curada da minha fase má, sei que uma relação ideal é aquela que nem nos dá oportunidade de pensar em ver tais coisas.

    E mesmo quando ligam ou mandam mensagem, eu não sou de perguntar, encaro com normalidade.

    ResponderEliminar
  8. ana, por isso é que eu não o faço só por fazer. Não sou de o fazer. Se estou bem e se me sinto amada, vou cuscar para quê? Para nada. Mas se eu sei, porque sinto, que me estão a mentir, nem penso duas vezes... é tentar descobrir a verdade.

    ResponderEliminar
  9. Sabes que já fiz um post sobre este tema e já conheces a minha opinião.

    Seria incapaz de fazer tal coisa. E não admitiria que ele (ou qualquer outra pessoa) me fizesse isso. Porque no dia em que tivesse vontade de o fazer é porque dois pilares da relação (a confiança e o respeito) estavam seriamente afectados.

    Nos quase 25 anos de casada que levo nunca abri uma carta endereçada a ele, um mail ou o telemóvel.

    Se já desconfiei? Já. Mas optei por conversar e perguntar directamente. E se conhecemos bem a pessoa que partilha a vida connosco, sabemos quando está a falar verdade ou não.

    Beijo

    ResponderEliminar
  10. NI, dou-te toda a razão. Por isso é que, nesta relação (nem noutra que tive), nunca o fiz. Se sentimos necessidade de o fazer é porque algo não está bem... foi o meu caso, quando o fiz, e agradeço tê-lo feito... tirei um peso (da testa!) de cima. :D

    Quanto a cartas e afins... a sério? Nem cartas de contas? ahahah A minha mãe faz o mesmo, também não abre, mas cartas de bancos, contas e afins, não me parece que sejam propriamente pessoais. Mas concordo totalmente com a tua visão.

    ResponderEliminar
  11. Dear S* :) quando fui ao blog, por acaso, e vi 11 pessoas online pensei: "Ai meu Deus, coloquei algo porno e não reparei!aahh, mas afinal não foi do teu link, obrigado :)

    Passo a dar a minha opinião:
    Felizmente, felizmente MESMO, nunca tive a necessidade de ver nada. E as coisas ficam abertas à minha frente, facebook, email, telemovel estando eu sozinha eu casa. Nunca precisei nem senti essa necessidade. POrque? Porque confio mesmo no meu namorado. Mas tens razão, ás vezes recebo (bem raramente já), sms de pessoas a horas incómodas e com sentidos dúbios e não gosto e digo logo ao meu namorado. Com ele já se passou igual, aliás até foi um telefonema, ás 5h da manhã e ele disse-me logo tudo. (Uma ex com sauddes), é normal, acontece. De o teres feito eu se calhar faria também nessa situação, e porquê? Acaba por ser a nossa saúde em jogo. Confias em alguém, dormes com essa pessoas, se calhar até no passo seguinte de pilula basta, e se ele andar a dormir com outra? Pois... uma pessoa cura-se de um coração partido, mas de uma doença, não sei não. Um beijinho grande!

    ResponderEliminar
  12. Nem de bancos nem de qualquer outra entidade. Se ele está ausente, por exemplo, digo que recebeu cartas e ele diz que posso abrir e ver o que se trata.

    Mas, verdade seja dita, em matéria de contas vem tudo em meu nome, ahahahahahah

    Beijo

    ResponderEliminar
  13. Entendi NI... bom, as contas também vão vir todas em meu nome. Eu sou mais relaxada no que toca a cartas (desde que não sejam pessoais, óbvio) mas entendo e admiro essa tua forma de levar a vida em casal. :)

    ResponderEliminar
  14. S*, não gosto de dar conselhos. Mas no momento em que vais iniciar uma vida a dois (e para a qual te desejo as maiores felicidades, porque mereces), apenas posso dizer que se o respeito e o diálogo existirem desde o início, o caminho que vão encetar será muito mais fácil.

    :)

    ResponderEliminar
  15. Se nos sentimos tentadas a ler o sms´s ou mail's... é pq. algo está mesmo mal... a confiança... e qual a relação que resulta sem ela???
    Já o fiz... e ainda bem que o fiz!!! ;-DDD

    ResponderEliminar
  16. Acho que é como dizes e tudo passa por haver transparência e sinceridade. Não há necessidade de andar a "mexer" e a controlar as coisas se houver transparência entre o casal.

    Se recebe uma sms do manel e da maria, porque não dizer "é a maria, ou o manel", não custa. Estamos os dois em tudo. Não há porque não falar. E se há coisa que gosto é de saber as coisas pelo meu namorado e não por terceiros.

    Por isso não cai nada a ninguém se as coisas forem faladas e ditas na hora, de ambas as partes.

    Muito diálogo, e transparência é o que se quer.

    ResponderEliminar
  17. Eu acho que quem procuro encontra, nem mais. Quem abre um email ou explora um telemovel vai encontrar de certeza alguma coisa. Nem que seja tirado do contexto e mal interpretado. O meu namorado não mexe nas minhas coisas, mas nada lhe está vedado. O mesmo para mim. Mas por opção e convicção as coisas privadas (seja uma sms da minha mãe) são privadas mesmo.

    ResponderEliminar
  18. Tive uma relação que acabou porque descobri uma mensagem no telemóvel dele de uma menina a dizer: Sou toda tua! é óbvio que só o fiz porque suspeitei de algo e pimba!

    ResponderEliminar
  19. Depende muito, as vezes ta,bém escondemos "aquela" mensagem do nosso namorado, não porque tenha algum mal ou porque andamos a trai-lo, nada disso, mas a verdade é que aquele beijinho fofinho que mandamos ao nosso melhor amigo que é pura e simplesmente amizade pode criar macaquinhos no sotão do nosso namorado. E ele pode fazer o mesmo...P meu se quiser dizer diz, senão eu respeito!

    ResponderEliminar
  20. Humm..um assunto pertinente!
    É assim eu acho que não se deve cuscar porque não se deve, é feio e ao fazer isso estamos a mostrar que não confiamos na outra pessoa... se há um dia em que desconfiamos da pessoa é colocar as cartas na mesa e dizer mesmo "Olha eu ando desconfiada ou me dás provas de que estou a ser maluquinha ou assim não dá.." penso que não é saudável para nenhuma parte da relação alguém andar com desconfianças e sempre com coisas na cabeça. E acho que ter acesso aos email's, passwords é algo natural e não forçado..eu sei as passwords todas do meu namorado (aliás sei porque ele fez questão de imitar a minha -.-), quando ele está à espera de receber um email importante e não tem acesso ao pc ele próprio diz "olha vê lá se recebi" e eu a mesma coisa... mas vejo os email's novos e nem ligo ao resto.. o mesmo com o tlm, quantas vezes não estou a conduzir,recebo sms e digo-lhe "vê lá quem é" e ele a mesma coisa... tudo muito saudável portanto ;) Conhecendo-me a mim e a ele como conheço penso que no dia em que sentíssemos necessidade de estar com outra pessoa íamos contar e resolver as coisas, de qualquer forma se o quiséssemos fazer às escondidas seria bem difícil lol.

    ResponderEliminar
  21. Eu gosto de jogo limpo. Não lhe digo tudo o que recebo, mas também não escondo nada... que é como quem diz, o que é relevante, eu conto. Agora se é uma amiga a perguntar isto ou aquilo, não tem interesse contar. Mas se ele perguntar, conto. :)

    ResponderEliminar
  22. se desconfiasse cuscaria sem hesitar um segundo!!!!!!!!!!!

    ResponderEliminar
  23. Eu não sou apologista. Já o fiz, em novita, mas a experiencia mostrou-me que qm procura, encontra!E doi muito! :S
    E se ele for um canalha vais descobrir de uma forma ou de outra. E podes sair de consciencia tranquila.
    O mal transparece sempre, numa acção ou noutra.É escusado procura-lo!Eu deixei de o fazer... :)

    ResponderEliminar
  24. a insegurança é problemática, por isso o diálogo para modificar essa situação deve ocorrer o mais rapidamente possível. Quando nem o diálogo satisfaz as necessidades do inseguro, então deve ocorrer o término, não sou apologista de intromissões em material alheio, o que não significa que tal como no teu caso, existam situações em que tal surge como necessário para algumas pessoas.

    ResponderEliminar
  25. Eu espreitei uma vez só. Espreitei acidentalmente porque pensava que ia ver algo de meu. E vi em vez disso algo da minha ex-namorada e de outrém, que perdurava há mais de 2 a 3 anos.

    A minha existência ficou em cacos mas hoje somos os melhores amigos, eu e a minha ex, que alguma vez possa haver.

    Em boa verdade, só tive o que andei a pedir... porque não sou de todo inocente nesta minha história.

    Se não tivesse espreitado, a verdade viria ao de cima de qualquer outra forma, mais tarde. Não me sinto mal por o ter feito porque não o fiz deliberadamente e por desconfiança. Que aliás, talvez devido ao meu cego optimismo, julguei não ter razões fortes para a ter.

    Mas perdi toda a confiança que detinha na espécie humana. Todos mentimos, afinal. Até os mais puros de nós.

    ResponderEliminar
  26. Acho que é uma coisa que não se deve fazer. Acho que só o facto de sentirmos essa vontade é um indicador suficiente. Um indicador de que a pessoa com quem estamos não nos dá segurança, confiança, lealdade, tranquilidade suficiente. E depois sabes como é... quando se suspeita de uma coisa e se vai à procura, quase sempre se encontra, não é?

    Se o meu namorado estiver ao pé de mim e receber uma msg e responder, obviamente que não lhe pergunto de quem é. E o mesmo se passa cmg. Se for alguma coisa que ele queira dizer, diz. E se não disser, não é por eu não poder fazer. Por exemplo, eu tenho mensagens da minha irmã, de amigas minhas a contar coisas que coisas privadas, delas. E que não esperam que eu partilhe. Da mesma forma que quando conto coisas a amigas minhas, não espero que os respectivos namorados sejam uma continuidade inerente à própria. É o que a Raquel disse acima: "ele não mexe nas minhas coisas mas nada lhe está vedado", são opções nossas.

    ResponderEliminar
  27. Concordo plenamente contigo. Principalmente na parte em que dizes " acho que não lhe cai nada ao chão se, ao receber uma sms, me disser "é do Paulo" ou "é da Isabel". Acho natural. Sempre é melhor do que ficar calado como um rato, o que pode fazer com que eu fique com a pulga atrás da orelha..." Nem preciso de acrescentar mais nada!

    E eu sei que eles também são assim em relação a nós! Pelo menos o meu é!

    ResponderEliminar
  28. Correndo o risco de parecer que só quero apelar à tua simpatia, tenho mesmo de te dizer: na minha forma de ser, agir e pensar, tu estás, 100, 200, 300, 1000% certa!

    Tenho uma história similar, entrei clandestinamente "num dos" endereços de mail do meu companheiro da altura (companheiro...pensava eu que era companheiro...), e acabei "apenas" por confirmar desconfianças.

    Privacidade, respeito, sim senhora, é muito bonito, concordo e pratico, mas se alguém nos engana também nos desrespeita. Violar a privacidade de alguém que não nos respeita, é "só" encurtar o tempo que estávamos a fazer figuras de parvas, mais nada!

    Como tu, acho essa atitude só se justifica SE algo, ou vários algos, nos dão ideias que há coisas que não batem certo, e quando pelo diálogo a confiança não volta. De outra forma, privacidade sim, MAS abertura, nada a esconder. É fundamental essa atitude. Receber uma chamada, uma mensagem... para nós, é algo que NATURALMENTE podemos/devemos partilhar.

    Escusado será dizer que admiro essa tua/vossa forma de estar e que têm todas as condições para serem felizes. Abertura, diálogo, confiança, respeito, está tudo aí. É só manter! E fazerem crescer e solidificar a relação.Um grande beijinho

    Ana Pereira

    ResponderEliminar
  29. se ele não der razões para desconfiar, não deve. mas se der, já é outro caso.

    ResponderEliminar
  30. LOL Por acaso só cusco quando desconfio. E até hoje nunca me arrependi de ter cuscado. Mas minhas desconfianças estava, quase sempre certas.

    ResponderEliminar
  31. Por acaso acho que o teu blog está a ficar uma desgraça pegada, já pareces a revista Maria. Daqui a pouco vais contar que o teu namorado dorme de slips e meias.

    ResponderEliminar
  32. eu nunca o fiz e nunca me senti com necessidade de o fazer. ambos somos transparentes um com o outro, só assim faz sentido numa relação saudável, de amor e principalmente respeito e confiança, que acaba por ser o mais importante para as relações funcionarem. p.s - com 19 anos, já tinhas idade para ter juízo ;)

    ResponderEliminar
  33. é relativo. eu e o meu namorado sabemos as passwords um do outro e temos carta branca para irmos ao mail ou facebook um do outro, sempre que precisarmos, sem avisar. não vou por causa de desconfianças mas porque estudamos juntos e às vezes as coisas ficam num mail ou noutro ou por qualquer outra razao (o meu facebook é frequentemente utilizado por ele, por exemplo, que joga la um jogo qualquer). depende tudo do tipo de relação. connosco não há qualquer entrave porque confiamos mesmo mt um no outro, mas nem todas as relações são assim, claro. com tudo isto, se tivesse alguma desconfiança, é óbvio que ia bisbilhotar, mas, pelo menos por enquanto, não tenho razão para o fazer e... ele sabe que eu lá posso ir, tal como ele às minhas coisas...

    ResponderEliminar
  34. Andar a mexer no telemovel e afins, acho que não se deve fazer, porque pode acabar com uma relação. Mas quando estamos desconfiadas devemos perguntar ao nosso namorado, se continuarmos a desconfiar secalhar ver uma vez o telemovel dele não deve ser grave. Comigo funciona sempre o perguntar, pois ele não me consegue mentir, felizmente para mim.

    ResponderEliminar
  35. Concordo contigo! Não se deve mexer nas coisas dos outros, mesmo que seja o nosso namorado sem permissão, mas se existe uma desconfiança que ele nos anda a trair, se nos sentimos inseguras, porque não ir ver o e-mail, telemóvel dele ás escondidas? é que se a nossa suspeita se confirmar podemos tomar uma atitude, se não ficamos mais tranquilas:)

    ResponderEliminar
  36. Eu tenho que confessar que sou como a NI. Aqui a moi je nem as cartas abre, mesmo quando ele está fora, comunico-lhe, mesmo que seja a carta da EPAL... e aí muitas vezes sou eu que sugiro abrir não vá lá a conta ficar em atraso.
    Não o faço por vários motivos.
    O primeiro de todos, por uma questão de principio. Isto é quando eu comecei a namorar, sabia lá eu que ia durar tanto tempo, adoptei esta postura. Isto porque se o fizesse a pessoa com quem eu estava teria toda a legitmidade para o fazer comigo, e considero que ainda que compremetida eu tenho direito à a minha privacidade. Imaginemos que a minha irmã me mandava uma mensagem do foro pessoal dela...eu não tenho que necessáriamente contar-lhe certos assuntos de outras pessoas!! Com o andar dos anos e de uma forma gradual, eu passei a ter as senhas dos passwords do email, do banco, e mais sei lá do quê e ele as minhas. Não foram pedidas, muitas vezes era por questões práticas do estilo: " olha s.f.f. vai lá à minha conta e faz xxx que eu esqueci-me ou envia o email do em email a y que eu esqueci-me..."
    No dia que as coisas deixarem de ter com esta naturalidade se calhar eu fico desconfiada, mas se me conheço vou preferir primeiro confronta-lo. Até porque tenho uma amiga muito próxima que tinha o hábito de o fazer e como estava sempre desconfiada, acabava por ver coisas onde elas não existiam. Acabou até por estragar uma surpresa que o rapaz lhe preparava..E esta coisa só lhe fazia mal!! Claro que ao pé da NI sou uma criança nestas coisas (não a estou a chamar de antiga atenção :-), só que a minha relação não tem tantos anos nem de perto nem de longe) mas já lá vão uns anitos e as coisas sempre assim funcionaram!!!

    ResponderEliminar
  37. Tenho uma história muito parecida com a tua, de quando era uma jovem e ingénua rapariga. Mas no meu caso foi ele que andou a vasculhar o meu e-mail e msn, sem ter razões para tal. Com a pulga atrás da orelha, acabei por fazer o mesmo (com grandes debates de consciência) e lá descobri que andava a ser traída. Hoje vivo uma relação, já longa, que não merece de forma alguma que o faça, porque nunca me deu razões para tal. Sei que é bonito e correcto dizer que nunca o voltarei a fazer, mas não sei se é a verdade, por isso, para quê mentir?

    ResponderEliminar
  38. Por acaso já tive um namorado extremamente ciumento, via-me o mail, via-me o telemóvel...
    Agora, com o meu actual namorado, as coisas são completamente diferentes e ainda bem :)**

    ResponderEliminar
  39. Nunca mexi em nada de um namorado, nem mail, nem telemovel, nem pc. Nunca o fiz porque eu própria ficaria FURIOSISSIMA se mo fizessem a mim!
    Mas não nego que já tive vontade... xD
    Vontade à sempre, curiosidade, aquela insegurança, quiçá até desconfiança... Mas nunca o fiz. Por mais vontade que já possa ter tido, acho que é muito errado e uma invasão ao espaço do outro.
    Quanto ao estar calado quando se recebe uma sms... eu faço-o. Não tenho de comunicar em voz alta porque motivo o meu telemovel vibrou. O meu namorado também não me diz de quem são as sms que recebe mas tem o à vontade suficiente para, caso esteja afastado do telemovel, nem se preocupar e me dizer "vê lá quem é". Agora se receber alguma sms "indesejada" como tu dizes, aí sim. Faço questão de mostrar logo, não vá haver alguma cena desagradável e levantar dúvidas.

    ResponderEliminar
  40. Bê, lamento que tenhas passado pelo mesmo.

    Infelizmente, ninguém pode dizer que dessa água não beberá. Se um dia estivessem muiiiito desconfiadas... se o vosso namorado/marido recebesse sms a horas estranhas e tivessem oportunidade, não espreitavam mesmo? Duvido. :/

    ResponderEliminar
  41. a minha 'história' é gira :)
    eu não cusquei o telm do meu ex-marido intencionalmente, mas foi assim que descobri a traição.
    nunca tinha sentido necessidade de o cuscar, confiava cegamente, mas um dia calhou de estar a mandar uma sms e entrar na caixa de entrada (culpa dele que tinha um htc que eu não dominava a caneta) ... foi o principio do fim ...

    ResponderEliminar
  42. S* como eu disse, eu não o faço e detestava que o fizessem comigo, e como também disse com o andar dos tempos acabámos por ter as passwords um do outro com a maior das naturalidaes. E também acontece por exemplo um estar longe do telefone e pedir ao outro " Vê aí quem é" agora se as atitudes mudassem subitamente, é obvio que ficava desconfiada... mas acho sempre, que o confrontava primeiro... daí a dizer que nunca beberei dessa àgua... isso não digo...

    ResponderEliminar
  43. Claro Maria Pitufa, isso faz todo o sentido. Há informações supostamente secretas que uma pessoa acaba por conhecer, porque é preciso, em algum momento, o outro ver o email/facebook/telemóvel do parceiro, para o ajudar em qualquer coisa. Acho que faz muito bem em manter essa postura.

    ResponderEliminar
  44. S* concordo plenamente contigo. Sou demasiado transparente, mostro as coisas, digo as coisas porque faz parte da pessoa que sou e não gosto muito que me escondam algo. Se, a juntar a isso, tiveram atitudes de incomodo com algum email ou telefonema ou mensagem, é caso para começar a desconfiar. sim tenho um probleminha a esse nivel mas quando o faço, faço às claras. E não tenho porque andar a cuscar. Acredito que as coisas cheguem a nós sempre de alguma forma* :)

    ResponderEliminar
  45. As vezes recebo mensagens e não digo ao R porque de for de um rapaz, mesmo que nao tenha qualquer tipo de maldade, ou mesmo que seja de um amigo de há anos, ele faz uma cena de ciumes.
    Mas quando sentimos que algo está mal acho que devemos espreitar. É feio, mas é o melhor. Se houver alguma coisa, sabemos logo. se nao houver, paramos de desconfiar.

    ResponderEliminar
  46. Vou deixar de lado o "cuscar é feio e não se deve fazer" pois já ficou bem explícito que toda a gente o sabe. =)

    Confesso que nunca me vi em nenhuma situação em que tenha sentido necessidade de vasculhar o e-mail ou o telemóvel, pelo que não faço ideia de como reagiria se me sentisse desconfiada (quero acreditar que não cuscaria, mas sabe-se lá....).

    Na relação que tenho neste momento, cada um tem as suas passwords "secretas". Em caso de necessidade, dizemos um ao outro quais são (como quando é preciso ver o e-mail ou assim). E não é por falta de confiança (afinal de contas já lá vão quase 7 anos :)), mas sim porque desde o início que mantemos esta postura. Tal como não abro qualquer carta que venha em nome dele (devido à distância, sei que tenho de as abrir eu, mas primeiro pergunto-lhe se quer que eu abra), nem vejo quem lhe está a ligar sem lhe perguntar (caso ele vá por exemplo a conduzir e não possa atender o telemóvel).

    Acho que cada relação tem a sua própria maneira de funcionar. Nós somos assim, independentes "ao máximo". =P O importante é que haja diálogo e respeito...o resto já tem a ver apenas com cada casal, sem "certos" ou "errados". :)

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã.

Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte?

Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria.

Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

O que é nacional é bom

Anda Portugal a usar cestas desde sempre e esta vossa S* a usá-las há sete ou oito anos... e vem agora a Carolina Herrera descobrir a pólvora (imagens acima).
Por favor, acho isto verdadeiramente errado. A desfaçatez que é pegar em algo tradicional de um país e de o apresentar como uma "criação"... Ainda por cima chamar-lhe "Aveiro"... E em nenhum sítio dizer que tem inspiração portuguesa.
E a pechincha que está? Quase 500 euros por uma cesta. Não tinha nada contra o preço... se efectivamente fosse um produto de original.
É só googlar "cesta portuguesa" e encontram-se imensos exemplares realmente nossos... E sem custarem quase um salário mínimo.
Querem cestas de classe? Então comprem das nossas. Das verdadeiras. Cópias descaradas? Não, obrigada.
Sugiro a Victoria Handmade. Não são caras, são dispendiosas e têm o preço do que é realmente bom. São feitas à mão, são portuguesas e assentam na nossa tradição. 

Voltar ao início

Depois de quase 9 anos e meio de relação, não vamos fingir que são tudo rosas. Ultimamente, temos até de admitir que têm sido mais os dias maus do que os dias bons. As chatices do dia-a-dia, os remorsos, os ressentimentos, os problemas a que somos alheios mas que nos afectam... Não é fácil de gerir e mentiria se não admitisse que já pensamos "será que vale a pena?".
Da minha parte, apesar dos momentos menos bons, continuo com a nítida percepção de que é um bom homem, com bons princípios, e que dificilmente encontraria companheiro que encaixasse tão bem em mim (que eu sou osso duro de roer, no que toca ao convívio caseiro).
Vale sempre a pena, porque não perdemos esta capacidade de nos reencontrar e voltar ao início. Enquanto soubermos olhar um para o outro e reconhecer o valor um do outro, vale mesmo muito a pena.