Avançar para o conteúdo principal

Fico chateada...

Mas é claro que fico chateada!

Os senhores dos Serviços de Acção Social da Universidade do Porto que me atribuíram a bolsa de estudo resolveram, sem motivo algum, cortar parte da mesma. Receber uma cartinha linda a pedir para devolver 250 euros num prazo de quinze dias (que, by the way, terminava hoje, porque a carta não chegou a horas) é coisa para me chatear.

Não fiquei mais rica nem mais tesa. A minha situação económica está igual. Podem inventar as justificações que quiserem, eu chamo a isto trafulhice.

Comentários

  1. Cortar? Fariam isso, sem mais nem menos?
    Provavelmente foi um valor atribuido inadvertidamente.

    Pior, é alguem não ter bolsa devido à nova lei, feita em cima do joelho.. deficitária e incoerentemente aplicada,
    e agora NÃO HAVER datas para pessoas que querem candidadar-se à bolsa.. (pessoas que não tiveram este ano, por algum motivo)
    apenas é possivel a candidatura para bolseiros deste ano.
    Isso sim.. é um absurdo!

    ResponderEliminar
  2. deixa lá 50% do subsidio de Natal já foi para o saco de alguém...fonix....vou comprar uma M16 e limpar o sarampo a estes tipos....que aves de rapina e ainda agora entraram no ninho!


    beijo

    ResponderEliminar
  3. A sério? Epah há coisas que acho uma tremenda parvoíce, e esta é uma delas. Como é que alguém que recebe subsídio social pode devolver o que quer que seja? Enfim...

    ResponderEliminar
  4. Aqueles serviços deixam mto a desejar --'

    ResponderEliminar
  5. que tivessem reformulado o sistema (com esta situação de cortes e afins) até "compreendia", agora pedirem-te o dinheiro que já recebeste ... enfim, inacreditável :S

    ResponderEliminar
  6. Pelo menos tens um resquício de bolsa, eu nem isso...

    ResponderEliminar
  7. Mas esses tipos não se decidem?! Acaba o ano lectivo e ainda vão estar a pedir dinheiro! Ao meu irmão não iam dar bolsa ao início. Um belo dia aparecem uns euros largos na conta do rapaz. Magia, já constava nas listas outra vez. Deixa lá ver se agora não vamos ter que empenhar até as cuecas para devolver alguma coisa aos senhores!

    ResponderEliminar
  8. Trafulhices com a SS? Nãaaaaaaaa!! Nem pensar, jamais, never! Que maldade a tua dizeres isso...xD

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã.

Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte?

Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria.

Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

O que é nacional é bom

Anda Portugal a usar cestas desde sempre e esta vossa S* a usá-las há sete ou oito anos... e vem agora a Carolina Herrera descobrir a pólvora (imagens acima).
Por favor, acho isto verdadeiramente errado. A desfaçatez que é pegar em algo tradicional de um país e de o apresentar como uma "criação"... Ainda por cima chamar-lhe "Aveiro"... E em nenhum sítio dizer que tem inspiração portuguesa.
E a pechincha que está? Quase 500 euros por uma cesta. Não tinha nada contra o preço... se efectivamente fosse um produto de original.
É só googlar "cesta portuguesa" e encontram-se imensos exemplares realmente nossos... E sem custarem quase um salário mínimo.
Querem cestas de classe? Então comprem das nossas. Das verdadeiras. Cópias descaradas? Não, obrigada.
Sugiro a Victoria Handmade. Não são caras, são dispendiosas e têm o preço do que é realmente bom. São feitas à mão, são portuguesas e assentam na nossa tradição. 

Voltar ao início

Depois de quase 9 anos e meio de relação, não vamos fingir que são tudo rosas. Ultimamente, temos até de admitir que têm sido mais os dias maus do que os dias bons. As chatices do dia-a-dia, os remorsos, os ressentimentos, os problemas a que somos alheios mas que nos afectam... Não é fácil de gerir e mentiria se não admitisse que já pensamos "será que vale a pena?".
Da minha parte, apesar dos momentos menos bons, continuo com a nítida percepção de que é um bom homem, com bons princípios, e que dificilmente encontraria companheiro que encaixasse tão bem em mim (que eu sou osso duro de roer, no que toca ao convívio caseiro).
Vale sempre a pena, porque não perdemos esta capacidade de nos reencontrar e voltar ao início. Enquanto soubermos olhar um para o outro e reconhecer o valor um do outro, vale mesmo muito a pena.