Avançar para o conteúdo principal

Vida chata...


O drama, o horror.

Acordar cedo, pegar na bicicleta, tratar de imprimir CV's e alapar-me a ler o jornal.

Comentários

  1. Toda rotina é extremamente entediante. Mude-a, faça algo novo. bjus

    Ah... receitinha válida para quem vos fala também.
    Beijos

    ResponderEliminar
  2. Pestinha, um dia tomas um comigo homem. Não te quero invejoso. :D

    ResponderEliminar
  3. O verbo "alapar" deve estar na moda agora que parece que de repente toda a gente resolveu usar essa expressão. :D

    ResponderEliminar
  4. Pode ser moda para terra de mouros... no norte sempre se usou. :P

    ResponderEliminar
  5. :)

    Ai que bom S. :)

    Andas à procura de emprego?

    ResponderEliminar
  6. Tudo certo até à parte de imprimir CVs. Imprimir CVs? Por email é mais fácil e mais ecológico :)

    ResponderEliminar
  7. Pode ser mais ecológico, mas quando mos pedem em PAPEL, não vou dizer que não. ;)

    Me, ando sim senhora. Bastante.

    ResponderEliminar
  8. Desculpa a observação, não foi por mal, é só porque só me pediram um CV em papel uma vez e foi para um emprego na função pública.

    ResponderEliminar
  9. Tb gosto de andar de bicicleta ... agora quanto a procura de emprego, espero que tenhas sorte ;)

    ResponderEliminar
  10. alapar sempre se usou principalmente na zona de porto, braga, viana etc.... ja ouço isso desde caxopita!
    e digo também!
    tipo "alapar as nalgas " bjoooo

    ResponderEliminar
  11. Daqui a uma semana estarei eu nesse modo, menos a parte de enviar cv's lol... bjs

    ResponderEliminar
  12. Que chatice, realmente. Queres vir cá ao escritório dar uma ajudinha para veres o que é chatice? Queres?

    ResponderEliminar
  13. oh, férias... também quero. E ainda falta tanto :(

    ResponderEliminar
  14. Imprimir o cv e e buscas no jornal!
    É chato mesmo!

    beijos

    ResponderEliminar
  15. Ena, vida boa =)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  16. Para mim era um horror pegar na bicicleta com este calor! º-º

    Mas essa nata, até que fazia o sacrifício ;)

    ResponderEliminar
  17. ai k invejaaaaaaa =/
    bjs*

    ResponderEliminar
  18. Ai Korror! Que trabalheira! ;)
    Mas o teu tio não te tinha arranjado emprego?

    ResponderEliminar
  19. Malena, ele anda a tentar... também não é uma cunha tão cunha assim. Não me querem apenas por ser sobrinha do meu tio. :P

    ResponderEliminar
  20. Essa nata tem um aspecto tao bommm =)

    ResponderEliminar
  21. Boa sorte para a procura de emprego. Fico a torcer por. O pequeno almoço tem óptimo aspecto. Beijinhos

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã.

Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte?

Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria.

Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

O que é nacional é bom

Anda Portugal a usar cestas desde sempre e esta vossa S* a usá-las há sete ou oito anos... e vem agora a Carolina Herrera descobrir a pólvora (imagens acima).
Por favor, acho isto verdadeiramente errado. A desfaçatez que é pegar em algo tradicional de um país e de o apresentar como uma "criação"... Ainda por cima chamar-lhe "Aveiro"... E em nenhum sítio dizer que tem inspiração portuguesa.
E a pechincha que está? Quase 500 euros por uma cesta. Não tinha nada contra o preço... se efectivamente fosse um produto de original.
É só googlar "cesta portuguesa" e encontram-se imensos exemplares realmente nossos... E sem custarem quase um salário mínimo.
Querem cestas de classe? Então comprem das nossas. Das verdadeiras. Cópias descaradas? Não, obrigada.
Sugiro a Victoria Handmade. Não são caras, são dispendiosas e têm o preço do que é realmente bom. São feitas à mão, são portuguesas e assentam na nossa tradição. 

Voltar ao início

Depois de quase 9 anos e meio de relação, não vamos fingir que são tudo rosas. Ultimamente, temos até de admitir que têm sido mais os dias maus do que os dias bons. As chatices do dia-a-dia, os remorsos, os ressentimentos, os problemas a que somos alheios mas que nos afectam... Não é fácil de gerir e mentiria se não admitisse que já pensamos "será que vale a pena?".
Da minha parte, apesar dos momentos menos bons, continuo com a nítida percepção de que é um bom homem, com bons princípios, e que dificilmente encontraria companheiro que encaixasse tão bem em mim (que eu sou osso duro de roer, no que toca ao convívio caseiro).
Vale sempre a pena, porque não perdemos esta capacidade de nos reencontrar e voltar ao início. Enquanto soubermos olhar um para o outro e reconhecer o valor um do outro, vale mesmo muito a pena.