Síndrome Maria Pataqueira (a origem das espécies, by S*)

Não sabem o que isso é? Hum? Hum?


Pois o síndrome Maria Pataqueira atinge muito boa gente. Sintomas? Não conseguem falar baixo. As pessoas que sofrem deste mal, têm um grave problema que consiste em não conseguirem falar nunca baixo. Gostam de ser o centro das atenções. De ser os líderes do grupo.

Como identificar um Maria Pataqueira? Piece of cake.

Na praia, são aquelas chagas que não se calam um minuto. Uma pessoa está a passar pelas brasas e há-de sempre acordar com algum jovem histérico aos gritos.

Quanto o grupo se reúne para jogar à bola, o Maria Pataqueira é quem dá as instruções. Ele grita, ele manda e torna a mandar. Não se cala por mais de 10 segundos seguidos - teoria comprovada por mim. Quando o grupo é misto, o Pataqueira é geralmente um rapaz. Um rapaz gabarolas, com pinta de engatatão e que acha uma graça desgraçada a dizer palavrões o mais alto possível.

Eu posso estar a 500 metros de um Maria Pataqueira mas, se ele quiser, eu vou conseguir ouvi-lo na perfeição.

Comentários

  1. Encontrei alguém que me compreende! Ontem escrevi sobre o mesmo... mas as Marias Pataqueiras que eu encontro na praia são tiazocas, que na verdade já são avózinhas e que adoram falar aaaaaaaaaaalto ao telemóvel.

    ResponderEliminar
  2. E sabes uma coisa? Eu conheço tantas (e tantos) Marias Paraqueiras que andam por aí. Mas de facto na praia é um must, é tão fácil de os encontrar!

    ResponderEliminar
  3. ai, eu acho que sofro de uma espécie disso :x mas dispenso os palavrões... (peço desculpa se não te deixar dormir a sesta um dia u.u)

    ResponderEliminar
  4. Hahaha....Olha que sorte. Hoje apanhei uma dessas na praia.. E por azar estava mesmo ao meu lado. SOube a vida toda dela. xDDD

    ResponderEliminar
  5. Há há... daquelas que gritam "anda cá Cátia Vánééssa" !!

    ResponderEliminar
  6. Ah essa raça de gente! Pior que isso é teres a pouca sorte de te deitares a coisa de 2 metros de dois homens que a início suspeitas serem gays, só para descobrires depois que não só não o são, como passaram boa parte do seu tempo a tecer comentários sobre ti e quem está contigo! Isto faz com que por protector com dois pares de olhos cravadinhos em ti seja algo a despachar o mais rapidamente possível lol.

    ResponderEliminar
  7. E esse pessoal no cinema? Só mesmo à chapada. Putos estúpidos.

    ResponderEliminar
  8. Ah sim,conheço bem a espécie,só não conhecia o nome científico :P

    ResponderEliminar
  9. é isso e crianças na praia sem controle dos pais... para além dos gritos, ainda levas com areia quando acabaste de sair da aágua. os pais? não dizem nada, claro. só te poupam aos palavrões, mas às vezes nem isso, já ouvi uma criança de 5 anos a dizer "merda".

    ResponderEliminar
  10. Hoje na praia o que mais havia era Marias Pataqueiras... Irra!

    ResponderEliminar
  11. God! Parece que estiveste comigo na praia no outro dia... é que passei o dia a reclamar por ter conseguido ouvir tudo e mais alguma coisa que um moçoilo que estava a jogar a bola contou! Era porque era de Coimbra, ou porque ele estava bem era no meio das meninas de Medicina, ou porque o colega tinha uma namorada chata... Ainda falam das mulheres quando se juntam... que lavar de roupa suja aquilo foi!!!

    Chateia, porque praia é para o descanso... até entendo e aceito as crianças e os jogos que existem... cada um desfruta do sol como quer... mas puxa, menos barulho!

    ResponderEliminar
  12. E eles/elas estão por todo o lado...

    Bjokas

    ResponderEliminar
  13. ahah so true! Odeio, odeio, odeio gente que fala muito alto (como a minha mãe --') e começo logo a suplicar pa baixar o tom e n fazer figuras

    ResponderEliminar
  14. pior que uma maria pataqueira só duas em duelo ...

    ResponderEliminar
  15. É por isso que eu só vou a praias bem longe dos centres veraneantes aqui da zona.
    Prefiro pagar o estacionamento e ter (quase) a certeza que vou ter muitos quilómetros de praia livres dos/as Marias Pataqueiras que gostam de ir à praia "sem saírem de casa" e adoram jogar à bola em cima do resto dos banhistas e levar um "tijolo" com música de preto para nos ensaboarem o juízo.

    ResponderEliminar
  16. e no comboio? a semana passada vinha no intercidades e uma velhota mais outro velhote patacavam a viagem toda andavam pelas carroagens como que se o comboio fosse um museu a visitar....
    comentavam sobre o pessoal que dormia nos bancos sobre os que tinham o pc ligado...
    mas aaaltoo e depois quando pegavam no telemovel e se lembravam de telefonar a familia inteira...?
    quanto as praias, vou para uma prainha de cascais muito pequena e bastante familiar e para alem de um chorito de miudo de vez em quando não ha pataqueiras nem parolos a guinhchar.

    ResponderEliminar
  17. É por isso que eu vou sempre pra praias isoladas, que ainda assim trazem um problema. Estás lá sozinha ou só com mais uma pessoa no bem bom, e por maior que a praia seja, se chegar lá alguém, sozinho ou em grupo há-de estender a toalha bem perto de ti.

    ResponderEliminar
  18. Esse tipo de pessoas é uma chatice pegada.E depois há aquelas que fazem o oposto.Temos sempre de dizer: "O que?" porque falam super baixo.Não haverá meio-termo?

    ResponderEliminar
  19. Sei bem que tipo de especie é essa...

    OMG!!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  20. E os espanhois? Ouvi-los na praia é quase um atentado... será que os senhores e senhoras espanhuelas não sabem carregar no volume do som... para mais baixo???

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares