Avançar para o conteúdo principal

Tudo ao molho e fé em Deus

Ontem à noite ficamos a ver o concerto junto a um grupo de selvagens. Eram três ou quatro energúmenos cujo divertimento era apalpar tudo o que era mulher. À frente deles estava um casalinho abraçado mas nem assim se sentiram intimidados e toca de apalpar a rapariga.

"A educação é tudo", gritou um senhor bastante bebido no Domingo durante o lindo jogo Porto-Benfica. E eu concordo.

Comentários

  1. Concerto sempre foram um bom campo de estudo para os amantes da primatologia

    ResponderEliminar
  2. Vou ser mal-educada: Cabrões! Era mandar-lhes com um balde de gelo para dentro das calças!

    ResponderEliminar
  3. É a tal Liberdade que se tornou Libertinagem...
    abracinho

    ResponderEliminar
  4. que pouca vergonha. desesperados.
    vá lá não se lembraram de fazer o famoso moche...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Uma vez isso me aconteceu... e os aimais que estavam a apalpar-me o rabo não sabiam que quando me irrito fico mais irracional que eles.
    Tinha comigo um espeto de metal (duma espetada que tinha comprado) e espetei-a no meio das calças de um deles.
    Falhei no alvo (deve ter sido melhor assim), mas acho que devo ter feito algum estrago, porque os três fugiram dali.
    Da próxima vez que fôr a um concerto é melhor eu levar spray-pimenta.

    ResponderEliminar
  6. Ai tanto tabefe naquelas carinhas...

    :)

    ResponderEliminar
  7. Depois admiram-se se, de vez em quando, saltam umas navalhas dos bolsos.
    Imbecis!

    ResponderEliminar
  8. Isso já não vai lá com educação...

    Bjs,
    http://medeixagozar.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  9. mesmo com a moça que era acompanhada do namorado? porra. estupidez aguda.

    ResponderEliminar
  10. cambada de porcos mal amados.
    era bem feita q lhes metessem gas pimenta nas trombas-
    nao se pode estar em paz com este tipo de gentalha.

    ResponderEliminar
  11. depois há tareia, e cá fora só se ouve dizer "so vai aos festivais essa gentinha selvagem", ninguém fala dos namorados que não se ficam...

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã.

Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte?

Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria.

Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

O que é nacional é bom

Anda Portugal a usar cestas desde sempre e esta vossa S* a usá-las há sete ou oito anos... e vem agora a Carolina Herrera descobrir a pólvora (imagens acima).
Por favor, acho isto verdadeiramente errado. A desfaçatez que é pegar em algo tradicional de um país e de o apresentar como uma "criação"... Ainda por cima chamar-lhe "Aveiro"... E em nenhum sítio dizer que tem inspiração portuguesa.
E a pechincha que está? Quase 500 euros por uma cesta. Não tinha nada contra o preço... se efectivamente fosse um produto de original.
É só googlar "cesta portuguesa" e encontram-se imensos exemplares realmente nossos... E sem custarem quase um salário mínimo.
Querem cestas de classe? Então comprem das nossas. Das verdadeiras. Cópias descaradas? Não, obrigada.
Sugiro a Victoria Handmade. Não são caras, são dispendiosas e têm o preço do que é realmente bom. São feitas à mão, são portuguesas e assentam na nossa tradição. 

Voltar ao início

Depois de quase 9 anos e meio de relação, não vamos fingir que são tudo rosas. Ultimamente, temos até de admitir que têm sido mais os dias maus do que os dias bons. As chatices do dia-a-dia, os remorsos, os ressentimentos, os problemas a que somos alheios mas que nos afectam... Não é fácil de gerir e mentiria se não admitisse que já pensamos "será que vale a pena?".
Da minha parte, apesar dos momentos menos bons, continuo com a nítida percepção de que é um bom homem, com bons princípios, e que dificilmente encontraria companheiro que encaixasse tão bem em mim (que eu sou osso duro de roer, no que toca ao convívio caseiro).
Vale sempre a pena, porque não perdemos esta capacidade de nos reencontrar e voltar ao início. Enquanto soubermos olhar um para o outro e reconhecer o valor um do outro, vale mesmo muito a pena.