Avançar para o conteúdo principal

A gente vai continuar...



Não sendo admiradora deste senhor, tenho de admitir a beleza desta música. A força que transmite.

"Tira a mão do queixo não penses mais nisso
O que lá vai já deu o que tinha a dar
Quem ganhou ganhou e usou-se disso
Quem perdeu há-de ter mais cartas pra dar
E enquanto alguns fazem figura
Outros sucumbem à batota
Chega a onde tu quiseres
Mas goza bem a tua rota

Enquanto houver estrada pra andar
A gente vai continuar
Enquanto houver estrada pra andar
Enquanto houver ventos e mar
A gente não vai parar
Enquanto houver ventos e mar"



Jorge Palma

Comentários

  1. gosto mesmo mesmo da 1ª frase, é que é um dos meus vícios

    Não sou fã deste sr, mas até gosto de ouvi-lo quando calha ;)

    ResponderEliminar
  2. POis eu acho-o um compositor excelente, para além de interpretar muito bem as canções. Bebe? Acho que sim! É meio louco? Talvez! Mas gosto dos poemas e das músicas.
    Bjnhs

    ResponderEliminar
  3. Também eu! Mas é preciso que esteja sóbrio.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  4. Concordo integralmente com a Malena!!! É tão bom fazer uma viagem na Palma da mão : )

    ResponderEliminar
  5. Gosto das músicas do gajo, mas aquela voz de bagaço também não me convence lol.
    Ele diz que somos escravos do que precisamos. Eu não concordo. Nós somos escrevos de merdas que não fazem falta nenhuma.
    Quanto ao teu comentário, de que perante tanta aldrabice a minha pila é irrelevante, nem te passe tal coisa pela cabeça.
    A minha pila, apesar de pequenina e rechonchuda, tem muito mais relevância do que possas imaginar.
    Estás a imaginar-me sem pila? Sem a minha "salsicha toscana" pequenina mas entroncada e brincalhona, sempre pronta para uma noite de farra?
    Acredita: é um facto que a minha "pequenota" não tem a imponência do "pilão" de 9 polegadas, do "Garganta Funda", mas dá-me muitas alegrias e nunca virou "a cara" a uma contenda lolol.
    E, como diria o Coronel Quaritch, do Avatar, "isso também é um facto".
    xDDD

    ResponderEliminar
  6. Eu admiro este senhor como músico, desde pequena. Conheço tudo :) e também adoro esta música. O meu coro canta-a e o arranjo foi feito pelo nosso ex maestro num momento de viragem. É uma das nossas imagens de marca.

    "A liberdade é uma maluca" ;)

    ResponderEliminar
  7. Como assim , lembrei.te o quê ? LOL :x

    Grande cantor , pena estar bêbado nos concertos , LOL

    Beijo *

    ResponderEliminar
  8. O Sr. Jorge Palma tem razão. Enquanto houver estrada para andar, há que continuar... Há que continuar!

    ResponderEliminar
  9. sou exactamente da mesma opinião.. em relação ao senhor e à música!

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã.

Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte?

Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria.

Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

O que é nacional é bom

Anda Portugal a usar cestas desde sempre e esta vossa S* a usá-las há sete ou oito anos... e vem agora a Carolina Herrera descobrir a pólvora (imagens acima).
Por favor, acho isto verdadeiramente errado. A desfaçatez que é pegar em algo tradicional de um país e de o apresentar como uma "criação"... Ainda por cima chamar-lhe "Aveiro"... E em nenhum sítio dizer que tem inspiração portuguesa.
E a pechincha que está? Quase 500 euros por uma cesta. Não tinha nada contra o preço... se efectivamente fosse um produto de original.
É só googlar "cesta portuguesa" e encontram-se imensos exemplares realmente nossos... E sem custarem quase um salário mínimo.
Querem cestas de classe? Então comprem das nossas. Das verdadeiras. Cópias descaradas? Não, obrigada.
Sugiro a Victoria Handmade. Não são caras, são dispendiosas e têm o preço do que é realmente bom. São feitas à mão, são portuguesas e assentam na nossa tradição. 

Voltar ao início

Depois de quase 9 anos e meio de relação, não vamos fingir que são tudo rosas. Ultimamente, temos até de admitir que têm sido mais os dias maus do que os dias bons. As chatices do dia-a-dia, os remorsos, os ressentimentos, os problemas a que somos alheios mas que nos afectam... Não é fácil de gerir e mentiria se não admitisse que já pensamos "será que vale a pena?".
Da minha parte, apesar dos momentos menos bons, continuo com a nítida percepção de que é um bom homem, com bons princípios, e que dificilmente encontraria companheiro que encaixasse tão bem em mim (que eu sou osso duro de roer, no que toca ao convívio caseiro).
Vale sempre a pena, porque não perdemos esta capacidade de nos reencontrar e voltar ao início. Enquanto soubermos olhar um para o outro e reconhecer o valor um do outro, vale mesmo muito a pena.