Ódio por Ele? Não... Se o amei tanto,
Se tanto bem lhe quis no meu passado,
Se o encontrei depois de o ter sonhado,
Se à vida assim roubei todo o encanto,

Que importa se mentiu? E se hoje o pranto
Turva o meu triste olhar, marmorizado,
Olhar de monja, trágico, gelado
Com um soturno e enorme Campo Santo!

Nunca mais o amar já é bastante!
Quero senti-lo doutra, bem distante,
Como se fora meu, calma e serena!

Ódio seria em mim saudade infinda,
Mágoa de o ter perdido, amor ainda!
Ódio por Ele? Não... não vale a pena...



Florbela Espanca

Comentários

  1. Ódio só nos destrói a nós e não aos outros. Quem nos faz mal não merece tal sentimento contra nós.

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Adoro a Florbela Espanca *.*

    Quanto ao teu post acima. Sim, é muito mais fácil ignorar, e quem ignora não sabe o que dói estar do outro lado.

    Beijinho grande*

    ResponderEliminar
  4. O poema é muito bonito e não conhecia.
    Nem sempre ignorar torna as coisas fáceis. ignorar é muitas vezes o tentar esquecer o que nos magoa.

    ResponderEliminar
  5. Não queres comentários no post seguinte mas eu comento aqui :)

    Entendo tão bem o que dizes.. passamos de "não consigo estar sem te ver" para " nem um sms a perguntar como vamos" de um momento para o outro.. é triste, muito triste mesmo.. e dói.. :(

    ResponderEliminar
  6. Ahh e para quem gosta de poesia, deem uma vista de olhos no meu blog... só tenho 2 poemas em português, mas é possivel que gostem :)

    ResponderEliminar
  7. Adoro Florbela Espanca . Há sempre um poema com o qual nos identificamos :') *

    ResponderEliminar
  8. adoro florbela espanca. nao conhecia este mas gostei mt.

    ResponderEliminar
  9. foste tu que disseste não querer ser minha amiga..
    foste tu que nunca telefonaste..
    foste tu que deixaste de responder às sms..
    foste tu que me afastaste..
    era um jogo? não conheço as tuas regras, não sei jogar por elas, e também tenho as minhas próprias, às quais tu não ligaste!

    ResponderEliminar
  10. Ódio por Ele? Não... não vale a pena...


    é isso mesmo! o ódio aparece quando o amor está gravemente doente

    bj
    teresa

    ResponderEliminar
  11. Lindo o poema!E não, não vale a pena..

    **

    ResponderEliminar
  12. Recordo com dor a ferida sarada do coração
    Com a invisível forte brisa do vento
    Que me faz recordar a passada emoção
    Que devia ter sido levada pelo tempo

    O ar afiado que me penetra sem aviso
    É o ar que bate forte no sopro do sentimento
    Que não condena mas faz o seu juízo
    E que magoa com o seu presente momento

    Sentimento guardado na memória, é agora presente
    Presente que não queria ter como prenda
    Mas que não se afasta do coração e da mente
    E magoa quem se toma por fraco e se renda

    Sinto que vivo o passado mas no presente
    Numa mudança de tempo existente na mente
    Não me dou por contente com a tristeza
    Que no meu reino quer ser alteza

    O pensamento é de vento cortante
    Com a forte brisa do sentimento incessante
    Recordo o que já quis esquecer
    Hoje lembro-o com rancor que volte acontecer


    António Cunha

    só mesmo para dizer que o passado é bem mais presente do que o próprio presente
    [resposta ao post de segunda, dia 5 ]

    ResponderEliminar
  13. Oh mulher que se anda a passar contigo???


    Eu também gosto muito de florbela espanca e identificava-me muito com "Princesa Desalento", esse não conhecia e gostei muito, principalmente da parte final. Não vale mesmo a pena sustentarmos sentimentos maus como o ódio.

    O homem é mesmo um bicho ruim, prefere o silencio e ignorar, é o sentimento de culpa, penso eu...

    ResponderEliminar
  14. Infiferença é pior que desprezo(mesmo estando interligados)! Isto em relação ao post seguinte, que não quer que se comente:).

    Odio e amor: opostos que se ligam.

    Belo poema de Florbela Espanca!

    ResponderEliminar
  15. Mikas já ignorei e fiz silencio porque alguem me fez o mesmo(egocentrica a pessoa)

    ResponderEliminar
  16. Já sabes que me rendo a Florbela está me no sangue...um dia explico porquê :)

    Beijo

    ResponderEliminar
  17. Ah, desta vez não me enganaste, topei logo que era da Florbela eheheh.
    O que é que se passa contigo?
    Andas tão "em baixo"...
    Vamos lá a "arribar".
    Ou precisas de uma "bicadinha" do Galo?
    ;D
    Beijinho

    ResponderEliminar
  18. Está tudo bem senhor Galo. Escusa de me "bicar". ;)

    ResponderEliminar
  19. Profundo... a Florbela tem poemas destes... Que batem bem ca dentro...

    ResponderEliminar
  20. Ódio é amor do avesso, e só se pode odiar no verdadeiro sentido da palavra quem se amou muito!

    beijos

    ResponderEliminar
  21. adoro este poema! e diz muito mesmo.

    *

    ResponderEliminar
  22. Eu não gosto muito de poesia, mas a Frorbela Espanca tem poemas lindos, este é um dos meus preferidos, também gosto muito do Castelã da Tristeza. Pena serem todos tão depressivos eheh mas acho que é isso que os torna tão bons...
    Estou a descobrir o teu blog. Parabéns.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares