Avançar para o conteúdo principal

"Não digas a ninguém..."


Quantos de nós já ouvimos a frase "Vou-te contar uma coisa, mas não digas a ninguém"? Pois, todos.

Sou boa confidente. Sei ouvir. Sei ficar calada quando devo ficar calada. Sei guardar um segredo. E nem precisam de me dizer que é segredo, que eu sei avaliar pela gravidade da coisa.

Guardo alguns bem... errrr... incómodos. E não abro a boca. Posso eventualmente partilhar alguns com a minha irmã, porque sei que ela também não diz nada a ninguém. Nunca passei pela embaraçosa situação de ver um segredo que só a nós foi confidenciado nas bocas do mundo.

Sou discreta. Não costumo meter os pés pelas mãos e acho que sou uma pessoa na qual se pode confiar.

Mas não sou xoininhas. Se tiver de criticar, critico. Não como e calo. Se alguém partilha uma inconfidência comigo, acho que me é concedido o direito de dar a minha opinião. E muita gente não gosta disso, prefere uma palmadinha nas costas.

Não tenho jeito para paninhos quentes. Se estás a agir como uma badalhoca, dir-te-ei. E se tu és um grandessíssimo filho da mãe, também vais ouvi-lo.

E já agora, haja justiça. Se eu me comportar como uma badalhoca ou como uma filha da mãe, também mo podem dizer. Mas com jeitinho, que é para não doer.

Comentários

  1. Exactamente... não podia estar mais de acordo!

    ResponderEliminar
  2. sou bom confidente, mas apenas porque me esqueço rapidamente o que me dizem... "um poço sem fundo!" lol

    ResponderEliminar
  3. Já ouvi muitas vezes essa frase, só não gosto quando ma dizem e quando me vão contar o que quer que seja é metendo pessoas que convivo, vivo e confio e depois de tudo por ter prometido não contar, fico pensativa com aquilo que disseram..
    Há que haver justiça e verdade em nós :) muito verdadeiro o texto

    ResponderEliminar
  4. Bravo!!!

    Estou contigo na luta contra a hipocrisia!...


    Beijos...

    ResponderEliminar
  5. Assim é que é! Concordo em tudo contigo. :)

    ResponderEliminar
  6. Quando alguém se chega à minha beira e me pergunta: "posso confidenciar-te uma coisa?" A minha resposta é sempre a mesma: "Se confias em mim, conta, caso contrário, não faças se sentires dúvidas!"

    ResponderEliminar
  7. Com jeitinho não, que se não é a doer não faz efeito! :-p

    ResponderEliminar
  8. A justiça e a honestidade são importantes apesar de Às vezes terem que se revelar com jeitinho! ;)

    *

    ResponderEliminar
  9. Penso que há dois tipos de pessoas. As que são capaz de guardar um segredo e as que não são... Normalmente as primeiras são do sexo masculino... Mas nem sempre...

    ResponderEliminar
  10. cada vez mais se perde a coerência,a a amizade verdadeira,o carácter e cada vez se ganha mais hipocrisia,cinismo..... será o progresso?os tempos que correm?ou seremos nós ?

    ResponderEliminar
  11. Há pouco lia uma frase que vai de encontro: "Beijo o meu rival, mas é para o sufocar!".

    Quem diz a verdade merece da mesma.
    Gostei da atitude(nem sempre a adopto, mas gostei)!

    Bom fds

    ResponderEliminar
  12. eu tb sou assim, sou directa e sincera e gosto que o sejam sempre cmg.

    ResponderEliminar
  13. Gostei do que li e certamente irei voltar...

    Parabéns... Blog bastante interessante

    ResponderEliminar
  14. Apoio te plenamente!!! ;)

    ResponderEliminar
  15. O que me aborrece dos segredos é quando nos dizem : Não digas na da a ninguém!!!. Passados 3 dias, todos à volta comentam da situação porque a pessoa que queria segredo contou a meio mundo e depois queria que todos ficassem calados.
    Quando tenho segredos fico caladinha, se são segredos para que vou falar deles. Mas depois há aquelas coisas que temos mesmo que partilhar, e isso só com amigos daqueles em que confiamos mesmo.

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  16. Identifico-me com aquele que disses-te penso exactamente como tu!Beijinho

    ResponderEliminar
  17. Deixas-me assinar por baixo?
    beijoooosss

    ResponderEliminar
  18. à medida que vou descendo no teu blog e lendo os textos, ja me vou a percebendo da tua personalidade, o texto acima, sobre seres egoista, etc, completa este aqui.

    x)

    já pareces o meu namorado, caraças.
    xD

    ResponderEliminar
  19. Quando me pedem segredo guardo-o. Quando não pedem e tenho bom senso de achar que não devo contar a ninguém, guardo também.

    Quanto a dizer o que acho, também digo. Principalmente se são amigos de longa data, pessoas com quem tenho grande à vontade!

    ResponderEliminar
  20. as verdades sao para ser ditas, quer doia ou nao, nao há cá falinhas mansas para nao magoar ok?
    ehehehe :P

    beijinho :)

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã.

Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte?

Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria.

Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

O que é nacional é bom

Anda Portugal a usar cestas desde sempre e esta vossa S* a usá-las há sete ou oito anos... e vem agora a Carolina Herrera descobrir a pólvora (imagens acima).
Por favor, acho isto verdadeiramente errado. A desfaçatez que é pegar em algo tradicional de um país e de o apresentar como uma "criação"... Ainda por cima chamar-lhe "Aveiro"... E em nenhum sítio dizer que tem inspiração portuguesa.
E a pechincha que está? Quase 500 euros por uma cesta. Não tinha nada contra o preço... se efectivamente fosse um produto de original.
É só googlar "cesta portuguesa" e encontram-se imensos exemplares realmente nossos... E sem custarem quase um salário mínimo.
Querem cestas de classe? Então comprem das nossas. Das verdadeiras. Cópias descaradas? Não, obrigada.
Sugiro a Victoria Handmade. Não são caras, são dispendiosas e têm o preço do que é realmente bom. São feitas à mão, são portuguesas e assentam na nossa tradição. 

Voltar ao início

Depois de quase 9 anos e meio de relação, não vamos fingir que são tudo rosas. Ultimamente, temos até de admitir que têm sido mais os dias maus do que os dias bons. As chatices do dia-a-dia, os remorsos, os ressentimentos, os problemas a que somos alheios mas que nos afectam... Não é fácil de gerir e mentiria se não admitisse que já pensamos "será que vale a pena?".
Da minha parte, apesar dos momentos menos bons, continuo com a nítida percepção de que é um bom homem, com bons princípios, e que dificilmente encontraria companheiro que encaixasse tão bem em mim (que eu sou osso duro de roer, no que toca ao convívio caseiro).
Vale sempre a pena, porque não perdemos esta capacidade de nos reencontrar e voltar ao início. Enquanto soubermos olhar um para o outro e reconhecer o valor um do outro, vale mesmo muito a pena.