Avançar para o conteúdo principal

No estágio tenho contacto com realidades das quais nunca me lembrava. A crise, o desemprego, a pobreza estão na ordem do dia. Não há um único dia em que não tenhamos de nos debruçar sobre estes problemas.

Hoje, mais uma vez, deu-se importância à pobreza extrema, aos sem-abrigo. Gente que deambula pelas ruas, sem destino, apenas a ver passar a vida. Revolta-me extremamente que haja gente com família a viver nas ruas. Acho completamente desumano.

Segundo o JN de hoje, "cada vez há mais pessoas que recebem ajuda alimentar de várias instituições nas ruas da cidade". A crise tem gerado um aumento considerável de pessoas a viver nas ruas. As instituições de solidariedade multiplicam-se, os voluntários são muitos, mas mesmo assim não são suficientes para ajudar todos aqueles que necessitam de apoio.

Para além dos sem-abrigo amarrados pelas teias da droga ou do álcool, as ruas deste nosso país recebem pessoas que nunca imaginaram sequer ver-se numa situação destas. Ex-empresários, pessoas que viram o seu negócio falir... Pessoas com uma situação financeira estável que se vêem, de um momento para o outro, sem nada.

Para poupar a família, por medo ou vergonha, deixam a sua casa.

Isto revolta-me. E deixa-me com vergonha de não fazer mais.

Comentários

  1. Amiga a ti revolta-te por contactares diariamente com essa realidade e a mim por conhecê-la principlamente através de vós, jornalistas. Mas revolta-me mais saber que a quem deveria revoltar tapa os olhos para não ver. E a esses eu não perdo-o.

    ResponderEliminar
  2. É das coisas que mais me revolta e deixa triste. Fazem as árvores de Natal maiores do mundo e ali ao lado estão dezenas de pessoas a dormir, embrulhadas em caixas de cartão.
    É certo que muitas dessas pessoas não querem viver doutro modo, mas porque têm problemas psicológicos e este mundo parece só levar em conta os problemas psicológicos dos pedófilos.
    É de revolver o estômago!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  3. sem dúvida que cada caso é um caso. o orgulho e a casmurrice humana por vezes são as culpadas destas situações!

    e quanto às razões porque nos revolta, espero que não seja apenas pela dor que nos causa aos olhos deparar com essa realidade todos os dias.

    ResponderEliminar
  4. Eu não gosto de generalizar, por isso gostaria de conhecer (nem que seja através de reportagem) um caso concreto. Custa-me a acreditar que peçam ajuda à família, tipo mãe, pai, filhos e não ajudem..

    ResponderEliminar
  5. o Homem é um Ser estranho, que sonha com o além, mas esquece-se de si e dos seus!

    ResponderEliminar
  6. Estas realidades são de facto assustadoras talvez por isso muita gente (entre eles eu propria) tente ignorar a sua existencia, é cruel de mais acreditar que por um erro até nós podemos ir parar a esse ponto...

    Beijos

    ResponderEliminar
  7. Há bem pouco tempo deu um caso, penso que foi na Sic, de um senhor que viu uma reportagem também no mesmo canal sobre a vaga de frio e reconheceu um irmão que era sem abrigo, para a familia ele estava desaparecido e ele, o sem abrigo tinha vergonha de voltar à terra guardava na carteira uma foto com os irmãos.

    Acredito que em muitos casos as pessoas tenham vergonha de pedir ajuda aos conhecidos aos amigos familiares, o que nós fariamos numa situação dessas?

    ResponderEliminar
  8. Impressionante. Temos de abrir os olhos em relaçao aos outros, em vez de olhar tanto para o nosso umbigo.

    ResponderEliminar
  9. "No estágio tenho contacto com realidades das quais nunca me lembrava. A crise, o desemprego, a pobreza estão na ordem do dia. Não há um único dia em que não tenhamos de nos debruçar sobre estes problemas." - coitada de ti. eu ao menos posso evitar ler o jornal... mudar de canal durante o noticiário... mas tu, que massacre!

    ResponderEliminar
  10. estou com a ghafa... a ignorância por vezes é um bênção

    ResponderEliminar
  11. A realidade tem sido a mesma por aqui, em França... uma verdadeira desintegração social...

    Beijo meu ♥,

    A Elite

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã.

Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte?

Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria.

Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

O que é nacional é bom

Anda Portugal a usar cestas desde sempre e esta vossa S* a usá-las há sete ou oito anos... e vem agora a Carolina Herrera descobrir a pólvora (imagens acima).
Por favor, acho isto verdadeiramente errado. A desfaçatez que é pegar em algo tradicional de um país e de o apresentar como uma "criação"... Ainda por cima chamar-lhe "Aveiro"... E em nenhum sítio dizer que tem inspiração portuguesa.
E a pechincha que está? Quase 500 euros por uma cesta. Não tinha nada contra o preço... se efectivamente fosse um produto de original.
É só googlar "cesta portuguesa" e encontram-se imensos exemplares realmente nossos... E sem custarem quase um salário mínimo.
Querem cestas de classe? Então comprem das nossas. Das verdadeiras. Cópias descaradas? Não, obrigada.
Sugiro a Victoria Handmade. Não são caras, são dispendiosas e têm o preço do que é realmente bom. São feitas à mão, são portuguesas e assentam na nossa tradição. 

Voltar ao início

Depois de quase 9 anos e meio de relação, não vamos fingir que são tudo rosas. Ultimamente, temos até de admitir que têm sido mais os dias maus do que os dias bons. As chatices do dia-a-dia, os remorsos, os ressentimentos, os problemas a que somos alheios mas que nos afectam... Não é fácil de gerir e mentiria se não admitisse que já pensamos "será que vale a pena?".
Da minha parte, apesar dos momentos menos bons, continuo com a nítida percepção de que é um bom homem, com bons princípios, e que dificilmente encontraria companheiro que encaixasse tão bem em mim (que eu sou osso duro de roer, no que toca ao convívio caseiro).
Vale sempre a pena, porque não perdemos esta capacidade de nos reencontrar e voltar ao início. Enquanto soubermos olhar um para o outro e reconhecer o valor um do outro, vale mesmo muito a pena.