Avançar para o conteúdo principal
Coisas giras que se aprendem no estágio…

Se há coisa que me fascina no trabalho de jornalista é a possibilidade de entrar em contacto com diferentes realidades. Faz de nós pessoas mais cultas, mais interessantes. Ficamos a saber um pouco de tudo.

Para mim, tem sido uma aprendizagem enorme.

Hoje, o meu dia de trabalho foi dedicado a conferências sobre a sexualidade. Estava na Faculdade de Farmácia, entre pessoas que percebem muito da coisa. E eu ali, sem perceber a ponta de um corno do assunto. Apesar de não ser um tema propriamente fácil de entender, adorei.

Assisti a duas conferências. A primeira sobre infertilidade e a segunda sobre disfunção eréctil. A segunda foi mais interessante, na minha opinião. O médico que deu a conferência era jovial, divertido, relaxado. Esclarecedor, sem ser demasiado exaustivo na abordagem.

Os motivos podem ser tantos… físico, hormonal, psicológico. É complicado diagnosticar.

Fiquei a saber, por exemplo, que as discussões no seio de um casal são o factor número 1 que leva à disfunção sexual. Óbvio que a idade também tem muito a ver com a doença, mas parece que a relação entre o casal é mesmo fulcral.

Por isso é que há aquela frasezinha meia parvinha, mas que faz todo o sentido: “em casa não dá, mas fora de casa já funciona”. Pois, os problemas, as tensões, os conflitos estão em casa. Fora de casa, com outra pessoa, é mais fácil relaxar.

Este problema diminui a qualidade de vida do homem, abala a sua auto-estima. Isto vai, evidentemente, diminuir a qualidade de vida do casal. A maior parte dos homens recusa assumir que tem um problema e opta por afastar a companheira. Nada mais errado. Mulher que ame o seu parceiro só tem é de o apoiar.

Em Portugal, cerca de 500 mil homens sofrem desta doença, mas só 15% consultam um médico. Há vergonha, há medo, há receio. Há esperança que seja um problema passageiro.

Como disse o médico convidado, ainda há muito a mentalidade do “macho latino” que recusa dizer que tem um problema sexual.

O maior problema dos portugueses é mesmo esse: a mentalidade.

Comentários

  1. eu nao tnh estagio :s mas gostava de ter sem duvida

    50o mil?? porra axim tantos
    ** um bjos

    ResponderEliminar
  2. Olá!
    Devido a essa mentalidade de macho latino...é que muitas mulheres sofrem ;=(
    eheheheh

    Beijocas

    ResponderEliminar
  3. O problema dos Portugueses todos resume-se a isso, MENTALIDADE. Se é que me faço entender... e de um modo geral, não necessariamente só sexual.

    "Coisas minhas"- 500 mil são cerca de 10 % dos portugueses, um pouco mais porque temos que contar com os que não atingem a puberdade.

    Parecem assim tantos?! é uma questão de como se coloca o nº :P

    ResponderEliminar
  4. Achei interessante este teu post. E sim, é uma questão de mentalidade. No outro dia fui fazer análises e a técnica dizia que um homem só foi fazer os exames da próstata depois de o ameaçarem que era provável que tivesse um cancro. Caso contrário, ele deixava-se andar porque não queria nenhum médico a apalpá-lo. Segundo ele, "era o que faltava".

    Beijoca

    ResponderEliminar
  5. rico estágio... cheio de oportunidades para andar de um lado para o outro a conhecer e ver gente interessante...
    era capaz de fazer disso vida: andar de um lado para o outro!!! "D

    ResponderEliminar
  6. não nos podemos esquecer que o nosso "órgão" sexual mais importante é o nosso cérebro.. tudo o que possa afecta-lo, stress, preocupações profissionais ou emocionais, podem afectar o desempenho sexual..

    beijinhos*

    ResponderEliminar
  7. nada melhor que fazer o que se gosta e se sente feliz.

    bjosss...

    ResponderEliminar
  8. Faço minhas as palavras da Corset!!!

    ResponderEliminar
  9. É verdade, o contacto com diferentes coisas faz de nos mais cultos. :)

    ResponderEliminar
  10. Gostei muito deste teu post, Sanxeri, já aprendi mais qualquer coisita hoje:)) Infelizmente, o problema da mentalidade não é só dos portugueses, é de muitos outros povos:espanhóis, italianos, ingleses (sim, ingleses!!)...Cabe-nos a nós, gerações mais novas, tentar mudar um bocadinho as coisas para que as próximas gerações sejam mais esclarecidas.

    ResponderEliminar
  11. Mentalidade ou medo? Ou ambas juntas.
    Quando se tem um problema, só a ideia de pensar que pode ser algo mais grave, leva a que muita gente se retraia. Com as mulheres acontece o mesmo.
    Claro que se o problema for do foro sexual, então as coisas complicam-se.

    ResponderEliminar
  12. caso para dizer "atenção: tensao prejudica a tesao!" looool

    a sério, a parte psicológica é mm fundamental, ou n fosse o desejo desse campo.. ;)

    e é optimo aprender coisas novas e ter contacto com outras realidades n é? :)


    beijinhos e um dia feliz!

    ResponderEliminar
  13. As benesses de ter um orador giro: não fiquei a saber nada sobre infertilidade... :P

    Subscrevo a questão fulcral: a nossa mentalidade residirá sempre no calcanhar!

    Opinião alternativa, a dos mimos destinados ao blogue: http://blogadinhadosvirtuais.blogs.sapo.pt/59336.html

    Boa continuação.
    Dá-lhes com a alma!

    ResponderEliminar
  14. Disfunçao erectil é um dos grandes problemas dos homens. Quando stao doentes, cm disseste, a mulher so tem é de apoiar.

    ResponderEliminar
  15. Mas acho que esse mal é mesmo..mesmo mundial!

    Beijo meu ♥,

    A Elite

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã.

Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte?

Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria.

Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

O que é nacional é bom

Anda Portugal a usar cestas desde sempre e esta vossa S* a usá-las há sete ou oito anos... e vem agora a Carolina Herrera descobrir a pólvora (imagens acima).
Por favor, acho isto verdadeiramente errado. A desfaçatez que é pegar em algo tradicional de um país e de o apresentar como uma "criação"... Ainda por cima chamar-lhe "Aveiro"... E em nenhum sítio dizer que tem inspiração portuguesa.
E a pechincha que está? Quase 500 euros por uma cesta. Não tinha nada contra o preço... se efectivamente fosse um produto de original.
É só googlar "cesta portuguesa" e encontram-se imensos exemplares realmente nossos... E sem custarem quase um salário mínimo.
Querem cestas de classe? Então comprem das nossas. Das verdadeiras. Cópias descaradas? Não, obrigada.
Sugiro a Victoria Handmade. Não são caras, são dispendiosas e têm o preço do que é realmente bom. São feitas à mão, são portuguesas e assentam na nossa tradição. 

Voltar ao início

Depois de quase 9 anos e meio de relação, não vamos fingir que são tudo rosas. Ultimamente, temos até de admitir que têm sido mais os dias maus do que os dias bons. As chatices do dia-a-dia, os remorsos, os ressentimentos, os problemas a que somos alheios mas que nos afectam... Não é fácil de gerir e mentiria se não admitisse que já pensamos "será que vale a pena?".
Da minha parte, apesar dos momentos menos bons, continuo com a nítida percepção de que é um bom homem, com bons princípios, e que dificilmente encontraria companheiro que encaixasse tão bem em mim (que eu sou osso duro de roer, no que toca ao convívio caseiro).
Vale sempre a pena, porque não perdemos esta capacidade de nos reencontrar e voltar ao início. Enquanto soubermos olhar um para o outro e reconhecer o valor um do outro, vale mesmo muito a pena.