Avançar para o conteúdo principal

Decidi que está mais que na altura de aprender a conduzir. Ontem fui mais a minha outra metade (AKA irmã gémea) a uma escola de condução à procura do código da estrada. O português, meu amigos, pode ser um bicho muito traiçoeiro.

Sanxeri e irmã entram na escola de condução. Sanxeri dirige-se ao senhor que estava no balcão, à conversa com um dos professores da escola.

Sanxeri - Vendem o código de condução?
Senhor da escola - Podemos vender...
Irmã da Sanxeri - O código da estrada.
Senhor da escola - Ah, sim. Vendemos.

Só hoje me apercebi do real significado daquele (inocente) diálogo.

Comentários

  1. Pois é, é este o país em que vivemos e pelos vistos isso verifica-se por todo o lado. Quando tirei a carta fartei-me de ouvir histórias dessas, um pouco por todo o lado.

    ResponderEliminar
  2. Espectáculo! Como uma simples entoação pode alterar completamente o sentido e intenção da frase... Neste país está tudo à venda...

    ResponderEliminar
  3. Como é possível? Conheço pelo menos uma pessoa que pagou para ter a carta. :P

    ResponderEliminar
  4. E todos pagamos, uns faem exame, outros apenas estão presentes!!!
    hehehe
    Quando fui a exame de condução de ligeiros(na 2ªvez, pois na 1ª espetei-me redondo), o fulano que seguiu comigo teve uma sorte do caraças...
    Aquilo em vez de exame, foi uma aula de condução...
    Ambos passamos!!!
    Na de pesados, foi pacifico...
    Nunca dei mais dinheiro para "FACILITAR" o exame mas que a maioria de nós deu e continua a dar, é uma realidade!
    Por isso não fico nada admirado se o fulano te vendesse o que quer que seja!!!

    ResponderEliminar
  5. muitas vezes são os instrutores que topam que o aluno está tremido e lançam o barro à parede... depois do barro colar nem falam com o examinador!..

    também já "vi" a carta tirada em 3 (sim três) dias... código e condução! fantástico!

    ResponderEliminar
  6. Sim o portugues é msm traiçoeiro... Pode ser do pior se nao tivermos cuidado com o k dizemos... Será que é assim que muito advogados ganham causas?
    lol va bom fim de semana, aparece no meu kando kizeres

    ResponderEliminar
  7. Cunhas são as especialidades do nosso país.

    ResponderEliminar
  8. Ah a Máfia das escolas de condução e dos instrutores....

    ResponderEliminar
  9. pois eu nao sei como pode ser adquirido isso kom tanta facilidade :S
    enfim, konheco uma pessoa k tem a carta por esses meios tambem, codigo e condcao...
    meu deus.. comoé k essa spessoas conseguem dormir a noite? :s

    ResponderEliminar
  10. Ai o português é mesmo aquela língua danada de malandra! ;)

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã.

Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte?

Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria.

Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

O que é nacional é bom

Anda Portugal a usar cestas desde sempre e esta vossa S* a usá-las há sete ou oito anos... e vem agora a Carolina Herrera descobrir a pólvora (imagens acima).
Por favor, acho isto verdadeiramente errado. A desfaçatez que é pegar em algo tradicional de um país e de o apresentar como uma "criação"... Ainda por cima chamar-lhe "Aveiro"... E em nenhum sítio dizer que tem inspiração portuguesa.
E a pechincha que está? Quase 500 euros por uma cesta. Não tinha nada contra o preço... se efectivamente fosse um produto de original.
É só googlar "cesta portuguesa" e encontram-se imensos exemplares realmente nossos... E sem custarem quase um salário mínimo.
Querem cestas de classe? Então comprem das nossas. Das verdadeiras. Cópias descaradas? Não, obrigada.
Sugiro a Victoria Handmade. Não são caras, são dispendiosas e têm o preço do que é realmente bom. São feitas à mão, são portuguesas e assentam na nossa tradição. 

Voltar ao início

Depois de quase 9 anos e meio de relação, não vamos fingir que são tudo rosas. Ultimamente, temos até de admitir que têm sido mais os dias maus do que os dias bons. As chatices do dia-a-dia, os remorsos, os ressentimentos, os problemas a que somos alheios mas que nos afectam... Não é fácil de gerir e mentiria se não admitisse que já pensamos "será que vale a pena?".
Da minha parte, apesar dos momentos menos bons, continuo com a nítida percepção de que é um bom homem, com bons princípios, e que dificilmente encontraria companheiro que encaixasse tão bem em mim (que eu sou osso duro de roer, no que toca ao convívio caseiro).
Vale sempre a pena, porque não perdemos esta capacidade de nos reencontrar e voltar ao início. Enquanto soubermos olhar um para o outro e reconhecer o valor um do outro, vale mesmo muito a pena.